Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Bolívia: não despreze a resistência

» O adereço de Guedes e o sentido do governo

» O Chile Rebelde quer ir além

» É possível pensar o Brasil após o neoliberalismo?

» América Latina: Povo sem pernas, mas que caminha

» Cinema: Entre a cruz e o maracatu rural

» Atingida por barragem e acossada pelos poderosos

» Como o Google favorece a manipulação política

» Por um novo Pacto das Catacumbas

» Chantagem do governo aos desempregados

Rede Social


Edição francesa


» La figure imposée du dernier poilu

» Les dossiers enterrés de Tchernobyl

» Une femme à la barre de l'Argentine

» La Chine au miroir de l'Occident

» « Choc des civilisations », à l'origine d'un concept

» Les Allemands de l'Est saisis par l'Ostalgie

» A Berlin, le face-à-face des intellectuels de l'Est et de l'Ouest

» Réveil politique à l'Est

» Les Allemands de l'Est, sinistrés de l'unification

» Le difficile chemin de la démocratie espagnole


Edição em inglês


» The fall of liberal triumphalism

» Sarah Seo on Americans, their cars and the law

» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes


Edição portuguesa


» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa


RÚSSIA

Zonas sujas

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Nos últimos cinco anos, o órgão governamental de controle dos níveis de radiação destruiu, em Moscou, cerca de 450 toneladas de materiais potencialmente perigosos, indo de terrenos de construção aos cogumelos vendidos nos mercados

Nathalie Melis - (01/02/2002)

Algumas regiões da Rússia foram poluídas na época soviética e depois de 1991:

- pela produção a longo prazo de armas nucleares, como as regiões próximas de Mayak, Severska (Sibéria ocidental), Zheleznogorsk (Sibéria do sul);

- por muitos testes de armas nucleares no Ártico russo, como em Altai (região de fronteira com a Mongólia) e o sul da Sibéria. Em junho de 1998, a revista mensal Silence (editada em Lyon) publicava a esse respeito dados interessantes: os resíduos de Tchernobyl representam cerca de 1,6 milhões de curies1 . Ora, os outros resíduos produzidos essencialmente por três locais militares (em Tomsk, Tcheliabinsk e Krasnoiarsk) representam, no total, mais de 1,7 bilhões de curies! A poluição atinge essencialmente os cursos d’água da Sibéria que desaguam no Oceano Ártico;

- por 85 explosões nucleares “pacíficas” como em Iakutie (grande norte), em Irkutsk (Sibéria do sul), em Perm (Urais), em Astrakhan (Depressão Caspiana);

- por vários acidentes nas centrais e nos centros de pesquisa ou de processamento de material radioativo, como o que ocorreu em 29 de setembro de 1957, no complexo Mayak. A nuvem radioativa espalhou-se, na época, por três regiões, ou seja, por uma superfície de 23 mil quilômetros quadrados.

21 acidentes em um ano

É preciso acrescentar a essas regiões os mares árticos e do leste – poluídos pela decomposição da frota de submarinos nucleares ou pelo despejo de resíduos radioativos – assim como os riscos de poluição provocados pelos vários locais de armazenamento mal conservados, ou ainda pelos vários acidentes a que estão submetidas as centrais atualmente. Em 1999, por exemplo, a central de Kursk batia o recorde do ano com 21 acidentes declarados. Resultado: em Moscou, nos últimos cinco anos, o Radon, órgão governamental de controle dos níveis de radiação, destruiu cerca de 450 toneladas de materiais potencialmente perigosos, indo de terrenos de construção aos cogumelos vendidos nos mercados2 .
(Trad.: Regina Salgado Campos)

1 - Unidade de medida da atividade radioativa de uma matéria.
2 - The Christian Science Monitor, Boston, 4 de julho de 2001.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Desigualdades Internacionais
» Rússia
» Energia nuclear
» Ambiente

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos