Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Vieille régulation sociale et nouveau discours alarmiste

» Paix organisée dans les « kampungs »

» La foire aux libertés

» L'Italie, démocratie « de type spécial »

» La trajectoire originale du parti socialiste français

» Les médias et le changement

» Habits neufs et fausses pudeurs de l'extrême droite

» En Italie, le défi de la « question méridionale »

» Changements d'échelle, tranquillité perdue

» Les scientifiques, responsables et inquiets


Edição em inglês


» May: the longer view

» Saudi Arabia's diplomatic volte-face

» Global trade in plastic waste

» Gas pipelines and LNG carriers

» Rise and rise of the Israeli right

» Decline of Israel's Zionist left

» Knight who shed his shining armour

» How to sabotage a pipeline

» No more plastics in Southeast Asia paradise

» Whiteout for the skiing industry?


Edição portuguesa


» Em Gaza, um povo enjaulado

» Al Qods, cimento do mundo árabe

» Edição de Maio de 2021

» O Estado, o temporário e o permanente

» Disse mesmo unidade?

» "Catarina e a beleza de matar fascistas": o teatro a pensar a política

» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer


ESTADOS UNIDOS

Fundos de pensão acentuam desigualdade

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

As aposentadorias dos fundos de pensão americanos, que dependem das oscilações do mercado de capitais, contribuíram para estagnação, ou até diminuição, da renda familiar da maioria. Melhoria, só para os 5% mais ricos

Bernard Cassen - (01/04/2002)

É conhecido o triste destino dos funcionários da Enron1, que não somente perderam o emprego, como também a aposentadoria. Acreditaram no discurso de seus chefes (que, por sinal, não aderiram ao fundo de pensão) e, para garantir uma velhice feliz, compraram maciçamente ações da empresa, cujo valor caiu, em um mês, de cerca de 90 dólares para menos de um dólar. Mas, vem sendo repetido, essa seria apenas uma exceção que confirma a regra: os fundos de pensão, desde que controlados (por quem?), constituiriam a melhor garantia – e até a única – para a continuidade e segurança dos regimes de aposentadoria.

Uma vez mais, o exemplo vem dos Estados Unidos. Analisando dois trabalhos universitários sobre o assunto, o jornal International Herald Tribune conclui o seguinte: de 1983 a 1998, ao contrário do que ocorre com a seguridade social e os sistemas que garantem rendas fixas, as aposentadorias pagas pelos fundos de pensão norte-americanos – que dependem das oscilações do mercado de capitais – contribuíram para uma estagnação, e até uma diminuição, da renda familiar, com exceção de 20% das faixas melhor remuneradas (+ 19%) e, principalmente, as 5% melhor remuneradas (+ 176%). Em 1998, por exemplo, 65% das famílias norte-americanas com um chefe de família de 47 a 64 anos dispunham de uma renda igual ou inferior àquela de que dispunha quinze anos antes uma família nas mesmas condições. As rendas familiares de categoria média caíram 13% entre 1983 e 1998. Os fundos de pensão, portanto, exacerbam as desigualdades e “inúmeros norte-americanos irão perceber uma fração menor de sua renda salarial quando se aposentarem2”. (Trad.: Jô Amado)

1Ler, de Tom Frank, “Mil e uma trapaças”, Le Monde diplomatique, fevereiro de 2002. 2International Herald Tribune, Paris, 22 de fevereiro de 2002.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Desigualdades Sociais
» Capitalismo Financeirizado

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos