Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Changements d'échelle, tranquillité perdue

» Les scientifiques, responsables et inquiets

» Blancs ou noirs, tous les shérifs se ressemblent

» Des chaînes « tout info » bien peu dérangeantes

» Edelweiss et lutte des classes dans les Alpes

» « Ils voulaient des bras, ils ont trouvé des hommes »

» Une holding économico-criminelle

» Ce que furent les « années de plomb » en Italie

» En France, des archives bien gardées

» Résilience partout, résistance nulle part


Edição em inglês


» Saudi Arabia's diplomatic volte-face

» Global trade in plastic waste

» Gas pipelines and LNG carriers

» Rise and rise of the Israeli right

» Decline of Israel's Zionist left

» Knight who shed his shining armour

» How to sabotage a pipeline

» No more plastics in Southeast Asia paradise

» Whiteout for the skiing industry?

» Brussels rewrites history


Edição portuguesa


» "Catarina e a beleza de matar fascistas": o teatro a pensar a política

» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer

» A maior mentira do fim do século XX

» Como combater a promoção da irracionalidade?

» A Comuna de Paris nas paredes

» Como Donald Trump e os "media" arruinaram a vida pública

» Edição de Março de 2021


DOSSIÊ MÍDIA & NEGÓCIOS

Os dois "canais Plus"

Serge Halimi*

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Até sua transformação em grande empresa, uma emissora "discordante". Depois de controlada pela Vivendi, um local de fidelidade entre patrão e "criadores"

(01/05/2002)

Há sete anos, um documentário de Pierre Carles, que expunha a conivência entre os jornalistas de renome e o poder político, foi censurado pelo Canal Plus. Na época, o fato surpreendeu: afinal, não era esse o canal de televisão "discordante"? Uma das principais atrações da irreverência codificada, Karl Zéro, deu uma explicação pedagógica ao cineasta censurado: "É o seguinte: você tem que compreender um negócio que eu já compreendi. Existem dois Canal Plus. Existe o primeiro, com um decodificadorzinho, e pronto. Mas depois há o Canal Plus do agora: é uma holding, com satélite e essas coisas. Não tem nada a ver. É outro espírito de empresa ."

Há alguns meses, a direção do Canal Plus enchia a bola de Jean-Marie Messier. Diretor-geral da emissora, Denis Olivennes dizia, entusiasmado: “Não existe aventura industrial mais excitante do que aquela em que embarcamos com Jean-Marie Messier. É a ventania, uma viagem em alto-mar (...). Fidelidade a toda prova. Fidelidade recebida e fidelidade retribuída. Esse é o caráter de Messier1 ”.

Ingenuidade e evidência

"Não existe aventura industrial mais excitante do que aquela em que embarcamos com Messier", dizia, entusiasmado, o diretor-geral do Canal Plus

Pierre Lescure também louvou a “aventura apaixonante de conquista e crescimento. (...) A fusão Vivendi-Universal deixa-nos perante um grupo dirigido por um patrão, Jean-Marie Messier, audacioso na concepção estratégica e corajoso em suas realizações2 .” Atualmente, o mesmo Pierre Lescure avalia, desiludido: “Um grande projeto industrial com um camarada como Messier nunca será sempre impossível para todos os que se lançarem a ele.” E adverte: “O que mais me preocupa é sua determinação exclusivamente financeira e econômica”.

E não se deve esquecer o lado dos programas burlescos. Um de seus idealizadores dizia, no mês passado: “O Canal Plus é uma família em que todos foram cooptados, escolhidos. E quem escolheu Messier? Ninguém. Ele comprou”. Uma brincadeira ingênua que não deixa de ser uma evidência.
(Trad.: Jô Amado)

* Editor-assistente de Le Monde Diplomatique.

1 - L’Express, 29 de março de 2000.
2 - Le Monde, 16 de novembro de 2000.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos