Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Por que murchamos os pneus de SUVs

» Retrato do esgotamento dos comerciários digitais

» Golpes no Brasil (I): Uma república febril e oligarca

» Cinema: O dom de iludir

» Maranhão: CNBB denuncia a barbárie do “agro”

» 29 de junho de 2022

» Boaventura: o encolhimento do Ocidente

» Contramemória: Modernismo em alta voltagem política

» WikiFavelas: As lutas LGBTI+ pela saúde pública

» WikiFavelas: As lutas LGBTI+ pela saúde pública

Rede Social


Edição francesa


» Le poids des pamphlets, le choc des classes

» En Russie, réprimer plus et enfermer moins

» Apprendre à nager n'est plus donné à tout le monde

» Bouillonnement de l'art contemporain africain

» Les Sri-Lankais défient le pouvoir

» Clarice Lispector, l'étoile de Rio

» Séparatismes ukrainiens

» Les mineurs, la mer et autres histoires

» Le droit à l'avortement menacé

» Occident contre Occident


Edição em inglês


» Fragmented Yemen

» Ukraine's logistical crisis

» Tensions and blackmail over Western Sahara

» Migrants still risk their lives to reach England

» Africa: agribusiness or diversity?

» Poisoning our oceans

» UN Earth Summits: how the rot set in

» In Mexico, will slow and steady win the day?

» Sri Lanka plunges into crisis

» Uncertain loyalties and competing narratives


Edição portuguesa


» Que pode o teatro face ao crescimento das extremas-direitas?

» Mapeamento de uma arte político-social: "Untitled", de Paula Rego

» Assembleia-Geral da Outro Modo

» O problema da riqueza

» «Sangrar a Rússia»

» Vulnerabilidades territoriais: o que se pode aprender com a crise pandémica?

» O paraíso da inovação militarizada

» Mineração em mar profundo: para quê destruir os fundos oceânicos?

» O lado oculto das cimeiras da Terra

» Viagem ao fim da Transamazónica


VENEZUELA

As primeiras reações

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

O governo espanhol divulgou uma declaração conjunta com o governo norte-americano, manifestando a convicção de que “somente a consolidação de uma ’situação democrática estável’ poderá oferecer um futuro de liberdade e progresso ao povo venezuelano”

Bernard Cassen - (01/05/2002)

O governo norte-americano passou por um vexame na Organização dos Estados Americanos, onde foi criticado por vários governos do hemisfério

Em matéria de diplomacia, o primeiro reflexo, quando não é o melhor, é sempre o mais significativo. Provas espetaculares disso deram-se por ocasião da tentativa de golpe de Estado de 11 de abril, contra o presidente Hugo Chávez.

Ninguém se espantaria que o governo Bush – cujos funcionários de primeiro escalão receberam em Washington, nas semanas que antecederam os acontecimentos, futuros golpistas civis e militares – felicitasse, de imediato, o que acreditava significar o afastamento definitivo de um dirigente cuja independência o incomodava terrivelmente. O vexame por que passou, por exemplo, na Organização dos Estados Americanos (OEA), onde foi criticado por vários governos do hemisfério, levou Tom Daschle, líder da maioria democrata no Senado, a dizer: “Fiquei bastante preocupado com a mensagem que enviamos a respeito de nosso apoio à democracia [na Venezuela] e no resto do mundo”. Efetivamente, é o mínimo que se poderia dizer...

Troca de amabilidades

Da União Européia, poderia esperar-se uma atitude totalmente diferente. Nada disso. O primeiro gesto do governo espanhol, que preside a UE até 30 de junho, foi divulgar no dia 12 de abril – e de Washington! – uma declaração conjunta com o governo norte-americano. Não se trata, evidentemente, de um golpe de Estado, mas “da situação excepcional que atravessa a Venezuela” e da convicção de que “somente a consolidação de uma situação democrática estável poderá oferecer um futuro de liberdade e progresso ao povo venezuelano”. Uma declaração que não deve ter intimidado excessivamente o autoproclamado “presidente” Pedro Carmona que, certamente para criar essa “situação democrática estável”, tinha acabado, entre outras medidas imediatas, de dissolver o Parlamento! Eis aí uma reação de que deverão lembrar-se os chefes de Estado latino-americanos que se reunirão proximamente em Madri com seus colegas europeus.

A primeira e última reação do Partido Socialista, de Lionel Jospin, após uma reflexão, foi... não se pronunciar

Questionado sobre a ausência de uma reação pública do governo francês à posição da presidência espanhola que desonra a União Européia perante a América Latina, um alto funcionário do Ministério de Relações Exteriores revelou: “São coisas que não fazemos”. No entanto, no dia 12 de abril, o gabinete do primeiro-ministro lamentou “o atentado à ordem institucional na Venezuela”, o que pelo menos tinha o mérito de significar que o “presidente” Carmona não dispunha de qualquer legitimidade institucional. Conversando com a imprensa, o porta-voz do primeiro-ministro adotou, em seguida, a fórmula “ruptura da ordem”, utilizada por um jornalista. Perfeito, mas por que não dizer as coisas com todas as letras? Seria para não desagradar José Maria Aznar que, na reunião do Conselho Europeu em Barcelona, no mês de março, permitiu que Chirac e Jospin preservassem o prestígio, ainda que muito provisoriamente, na questão da liberalização dos mercados da energia1?

Quanto ao Partido Socialista – do qual inúmeros representantes estavam presentes em Porto Alegre no mês de janeiro, e cujo candidato, na própria véspera do golpe de Estado de Caracas participava de um comício, em Bordeaux, com Lula, dirigente da esquerda brasileira – sua primeira e última reação, após uma reflexão, foi... não se pronunciar. Um silêncio que certamente foi apreciado pelo ex-presidente venezuelano Carlos Andrès Perez, condenado por corrupção em seu país e que, de seu “exílio” em São Domingos, acompanhou os preparativos e a execução do golpe. Andrès Perez, amigo íntimo de Felipe González, ex-dirigente do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) e ex-chefe do governo, já foi um dos pilares da Internacional Socialista. E ainda conta com muitos amigos e devedores...
(Trad.: Jô Amado)

1 - Ler o artigo de Bernard Cassen na edição de abril de 2002, Le Monde diplomatique.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Espanha
» Estados Unidos
» Desigualdades Sociais
» Venezuela
» Neodesenvolvimentismo

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos