Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Caetano Veloso, 80: O avesso do avesso do avesso

» 5 de agosto de 2022

» Revolução sexual, projeto feminista

» O dia em que Caio Prado aportou em Buenos Aires

» Ucrânia: as dores que o Ocidente não vê

» Por que aliar a saúde pública e às lutas ecológicas

» Em busca das origens do declínio ocidental

» 4 de agosto de 2022

» Boxe e escravidão: a história de Tom Molineaux

» Cinema: A arte brasileira sitiada num show de horrores

Rede Social


Edição francesa


» L'Europe en retard d'une guerre industrielle

» La naissance de Dracula

» Un barrage peut en cacher un autre

» Quand le bio dénature le bio

» CFDT, un syndicalisme pour l'ère Macron

» La Palestine, toujours recommencée

» Prêcher la haine au nom du Bouddha

» Petite histoire des grands moments de la science-fiction

» Au Japon, fausse audace économique, vrai nationalisme

» Quand une respectable fondation prend le relais de la CIA


Edição em inglês


» America's ageing nuclear facilities

» Julian Assange, unequal before the law

» Wuhan: the Covid diary

» The high price of becoming a student in Russia

» Why Parisians fear and loathe Saint-Denis

» Kosovo's problematic special status

» Summer in Moldova: will the party have to stop?

» Three little letters the world came to hate: IMF

» Will the FARC accords finally work under Petro?

» A tiny piece of Palestine, not quite forgotten


Edição portuguesa


» Dos lucros dos oligarcas aos vistos dos pobres

» Em defesa da água e do futuro do Algarve

» A escrita delas, África em Portugal (ou Donde sou)

» Vozes femininas e o livre imaginar

» O Comité de Salvamento Privado

» A burguesia francesa recompõe-se em Versalhes

» Que país pode ser independente?

» O fim do desencanto para os ex-guerrilheiros?

» Acarinhar Pinochet, destruir Assange

» Ardósia mágica


SAÚDE

Cinco anos perdidos

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Com a saída da OMS de Jonathan Man, um homem notável, a luta contra a AIDS (22 milhões de mortos em 20 anos) só seria retomada cinco anos depois, com a criação de um novo organismo das Nações Unidas, a Onusida.

Jean-Loup Herbert - (01/07/2002)

Em 5 de junho de 1981 médicos norte-americanos tornaram pública a constatação de uma nova doença: a AIDS. Desde essa data, foram contabilizados 22 milhões de mortos e em 2001, 36 milhões de pessoas foram infectadas pelo HIV, o vírus que causa a doença. 95% das pessoas infectados e 95% dos mortos da AIDS localizam-se nos países em desenvolvimento. A “comunidade internacional” reagiria tardiamente ao que se revela ser a mais grave epidemia dos tempos modernos. Somente em 1986, a OMS lançaria o que se tornaria o Programa Mundial de Luta contra a AIDS (Global Programme on AIDS, ou GPA). Jonathan Man, um homem notável, seria encarregado de sua execução, mas discordâncias com o então diretor-geral da OMS, o japonês Hiroshi Nakajima – que não se interessa muito por esse problema – o levaram a deixar suas funções ao fim de quatro anos. Diante das carências de Nakajima e sob a pressão de certos Estados – especialmente os países escandinavos e a França – a responsabilidade da coordenação da luta contra a AIDS seria retirada da OMS e confiada, em 1996, a um novo organismo das Nações Unidas, a ONUSIDA, dirigida pelo belga Peter Piot.
(Trad.: Maria Elisabete de Almeida)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» OMS
» ONU
» AIDS
» Direito à Saúde

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos