'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: A batalha de Bruxelas
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Eis os economistas rebeldes

» Coronavírus: o desejo pela pandemia

» Decifrando Bolsonaro

» Pós-materialismo: por uma política não-cartesiana

» Greta Thunberg e a escola do século XXI

» A Classe de Davos e como vencê-la

» Prepare-se para o ano Bernie Sanders

» Orientalismo: por que não enxergamos o Irã

» 1917: Mergulho no horror e dilemas da técnica

» As ideias perigosas que eles temem

Rede Social


Edição francesa


» Qui a peur de Big Brother ?

» En Irak, émergence d'un pouvoir autoritaire à dominante chiite

» Ce que la génétique doit à l'eugénisme

» À la recherche de l'enfant parfait

» Au temps du terrorisme anarchiste

» Population kurde dans le monde

» Un grand peuple sans État

» Contestation à consommer pour classes cultivées

» Raymond Soubie, une éminence grise au service de la « réforme »

» Retour de la mal-vie dans le monde du travail


Edição em inglês


» Ben Bella: ‘It protected us from hatred'

» Hicham Yezza on what went wrong for the UK's Labour Party

» The US and Iran: a long and bitter war

» As Australia's right tacks left on climate, the course is set

» The two souls of veganism

» January: the longer view

» Iranians united

» Luxembourg's multilingual geography

» Controlled by Ritalin

» The hero of Petliura Street


Edição portuguesa


» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?


ORIENTE MÉDIO

A batalha de Bruxelas

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Em junho de 2001, um grupo de cidadãos protocolou, na Justiça belga, denúncia de genocídio, crime contra a humanidade e crimes de guerra contra o então ministro da Defesa de Israel, Ariel Sharon. Ele é apontado como responsável por Sabra e Chatila

Pierre Péan - (01/09/2002)

Os juízes belgas rejeitaram a denúncia invocando o artigo de uma lei de 1885, esquecida pelos parlamentares que redigiram o texto da petição

No dia 26 de junho de 2002, em Bruxelas, Ariel Sharon ganhou a primeira rodada, mas não tem certeza de ganhar a segunda. Ao declararem inaceitáveis as denúncias contra o ex-ministro da Defesa israelense – invocando o artigo de uma lei de 1885 que os parlamentares esqueceram ao redigir seu texto - os juízes belgas, na realidade, esvaziaram de seu conteúdo a lei de competência universal. Impulsionados por Josy Dubié1 - senador ecologista que criou uma Comissão Interparlamentar para apurar a verdade sobre os massacres de Sabra e Chatila – e por alguns outros parlamentares, os políticos belgas rapidamente retomaram o controle da situação, com o apoio do primeiro-ministro.

Dois projetos de lei serão discutidos na reabertura do Parlamento. O primeiro é uma lei que dará nova interpretação à lei de competência universal e permitirá à Bélgica julgar crimes de guerra, de genocídio e crimes contra a humanidade, “sem levar em conta o lugar onde o presumível autor do crime possa estar”. O segundo visa a harmonizar a lei belga com os estatutos do Tribunal Penal Internacional, que entrou em funcionamento no dia 1° de julho de 2002. E estabelecerá principalmente que: “A imunidade internacional vinculada à condição oficial de uma pessoa impede a aplicação da presente lei somente nos limites estabelecidos pelo Direito Internacional”.

“Bruxelas não é Tel Aviv...”

A ação provocou fortes tensões entre Bruxelas e o governo de Ariel Sharon, que não conseguiu esconder sua alegria quando o tribunal rejeitou a denúncia

“Se os projetos de lei forem votados antes do julgamento do Supremo Tribunal, que recebeu a petição da acusação, será difícil que este confirme a decisão do tribunal de recursos”, explica Josy Dubié, que se tornou uma das pessoas mais execradas pelo governo israelense. Como poderiam os juízes se opor frontalmente aos legisladores que se deram o trabalho de interpretar sua própria lei?

Em junho de 2001, 23 libaneses e palestinos, sobreviventes dos massacres de Sabra e Chatila, entraram com uma denúncia por crime de genocídio, crime contra a humanidade, crimes de guerra e graves infrações à Convenção de Genebra de 1949, movendo uma ação penal contra “Ariel Sharon, ministro da Defesa de Israel naquela ocasião, atualmente primeiro-ministro; contra Amos Yaron, comandante de divisão e general de brigada naquela ocasião, atualmente secretário-geral do Ministério da Defesa; contra qualquer outra pessoa, israelense ou libanesa, cuja responsabilidade nos acontecimentos venha a ser estabelecida”. Essa ação provocou fortes tensões entre Bruxelas e o governo de Ariel Sharon, que não conseguiu esconder sua alegria depois que o tribunal de primeira instância não aceitou a denúncia.

As reações israelenses irritaram os parlamentares. Eles consideram natural que, numa democracia, a última palavra seja da lei e do legislador - que quis e quer sempre que a Bélgica permita às vítimas das grandes injustiças do mundo inteiro perseguir, em seu território, os carrascos e ditadores impunes. “A política belga não se decide em Tel-Aviv”, desferiu um deles. Senadores e deputados frisam que sua ação não diz respeito apenas ao caso Sharon, mas a cerca de trinta acusações que visam principalmente Abdulaye Yerodia, ex-ministro do Congo, Laurent Gbagbo, atual presidente da Costa do Marfim, e também Yasser Arafat. Quanto ao processo sobre os massacres de Sabra e Chatila, Josy Dubié considera que poderá ser concluído mas, provavelmente, sem atingir Ariel Sharon - que atualmente se beneficia da imunidade de função reconhecida pelo Tribunal Penal Internacional - enquanto exercer as funções de primeiro-ministro.

(Trad.: Celeste Marcondes)

1 - Josy Dubié é presidente da Comissão de Justiça do Senado e vice-presidente da Comissão de Relações Exteriores e da Defesa do Senado.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Bélgica
» Israel
» Direito Internacional
» Palestina
» Ocupação da Palestina
» Genocídios e Massacres

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos