Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 26 de outubro de 2021

» Hora de retomar a luta pelo transporte público

» A patética missão de Paulo Guedes

» Boaventura: Portugal num momento de perigo

» Dinheiro, economistas vulgares e luta de classes

» Andrea Loparic

» 25 de outubro de 2021

» Clima: por que é possível vencer o fatalismo

» Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

» Pochmann: É necessária nova abolição

Rede Social


Edição francesa


» La Cour des comptes, cerbère de l'austérité

» Salaires : « Il est parti où, cet argent ? »

» Trompeuses métaphores du cancer

» Etes-vous heureux, ravi ou enchanté de travailler dans un institut de sondage ?

» « Le Monde diplomatique » en Algérie

» « Le Monde diplomatique » en Algérie

» Infernal manège des sondages

» Droit du travail : vers des « jugements automatiques »

» Mes vacances en Terre sainte

» Les bonnes recettes de la télé-réalité


Edição em inglês


» ‘Le Monde diplomatique' in Algeria

» Millennial Schmäh

» UK: what happened to the right to food?

» Taiwan at the heart of the US-China conflict

» October: the longer view

» What do we produce, and why?

» Hunger in France's land of plenty

» In search of a good food deal

» Georgia's love-hate affair with Russia

» Latin America faces tough choices


Edição portuguesa


» Edição de Outubro de 2021

» Um império que não desarma

» Convergir para fazer que escolhas?

» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul

» Edição de Agosto de 2021

» Ditadura digital

» Desigualdades digitais


DOSSIÊ IRAQUE

Cumplicidades

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Em 1983, os dirigentes norte-americanos sabiam, graças à missão de Donald Rumsfeld, que o exército iraquiano utilizava armas químicas. Sem levar isso em consideração, forneceram uma ajuda de vários tipos – inclusive militar

Eric Rouleau - (01/02/2003)

O secretário norte-americano da Defesa, Donald Rumsfeld, não disfarça: é um “falcão”, partidário da força contra o presidente Saddam Hussein. Recentemente, zombou da “velha Europa”, essa França e essa Alemanha que se mostram reticentes em relação à guerra. Está convencido de que Bagdá vem enganando os inspetores das Nações Unidas e “se o presidente Bush decidisse recorrer à força, com certeza apresentaria ao mundo informações adicionais relativas às armas de destruição em massa do Iraque”.

Rumsfeld sabe do que fala. Em dezembro de 1983, foi enviado a Bagdá pelo presidente Ronald Reagan para restabelecer relações entre os dois países. A guerra entre o Irã e o Iraque estava no auge e, no dia 26 de novembro de 1983, o presidente norte-americano adotara uma orientação secreta – uma das raras, dessa época, que continua inacessível ao público – no sentido de ajudar Bagdá a conter “a revolução islâmica1”. Alguns meses depois, graças à missão de Rumsfeld, foram restabelecidas as relações diplomáticas entre os dois países. Os dirigentes norte-americanos sabiam, naquela época, que o exército iraquiano utilizava armas químicas. Sem levar isso em consideração, forneceram uma ajuda de vários tipos – inclusive militar2.

O silêncio oficial

Entre 1991 e 1998, os inspetores das Nações Unidas descobriram que os EUA tinham vendido ao Iraque peças de mísseis e componentes químicos e bacteriológicos

Essa ajuda também tinha a ver com o setor de armas de destruição em massa. Entre 1991 e 1998, os inspetores das Nações Unidas descobriram que os Estados Unidos tinham vendido ao Iraque peças de mísseis e componentes químicos e bacteriológicos. É verdade que as empresas alemãs, francesas e britânicas não ficaram atrás.

Essa cooperação ganhou proporções sinistras por ocasião do massacre de Halabja, em março de 1988. Cerca de 7 mil curdos iraquianos foram asfixiados com gases venenosos pelo exército de Saddam Hussein. Foi então que o Departamento de Estado norte-americano decidiu lançar uma campanha de desinformação. O pesquisador norte-americano Joost R. Hiltermann, que prepara um livro sobre o assunto, explica: “A história foi preparada pelo Pentágono. (...) Um novo documento do Departamento de Estado, tornado acessível recentemente, mostra que os diplomatas norte-americanos receberam instruções no sentido de confirmar essa linha [da responsabilidade iraquiana] junto aos aliados dos Estados Unidos, mas recusando-se a discutir os detalhes3.”

De todo esse período, não se ouve uma palavra nos meios oficiais em Washington. Questionado sobre Halabja por um jornalista, o porta-voz da Casa Branca respondeu: “Respondo pelo presidente Bush em 2003. Se você tem uma pergunta relacionada a declaralções feitas em 1988, deverá dirigir-se a outra pessoa.” Talvez Rumsfeld? Ou Richard Cheney, atual vice-presidente que, desde março de 1989 era o secretário da Defesa e deu prosseguimento à política de cooperação com Saddam Hussein?

(Trad.: Jô Amado)

1 - Ler “US Had a Role in Iraq Buildup”, The Washington Post, 30 de dezembro de 2002.
2 - Ler “Objectif Bagdad”, Le Monde diplomatique, setembro de 2002.
3 - Ler, de Joost R. Hiltermann, o artigo “America didn’t seem to mind poison gas”, International Herald Tribune, 17 de janeiro de 2003.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Guerras
» Poder Imperial dos EUA
» Armas Biológicas e Químicas

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos