Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Uma caminhada na cidade dos não-confinados

» O dinheiro que não existia reaparece

» Bolsonaro recuou. Por quê?

» China: as lições da pandemia e o depois

» Brasil: a insanidade vai muito além de Bolsonaro

» Vigilância em tempos de educação à distância

» Todos escrevem ao Presidente

» Mapas do coronavírus: desafios e direções

» Três medidas de emergência contra a crise social

» Shaheen Bagh: muçulmanas contra a xenofobia na Índia

Rede Social


Edição francesa


» Le refus de Sartre

» Une guerre tous azimuts

» Parrain privé, chaîne publique

» « Big Pharma », ou la corruption ordinaire

» Ravages cachés du sous-emploi

» Quand l'OMS épouse la cause des firmes pharmaceutiques

» Les confidences de M. Tietmeyer, architecte de l'euro

» Des services publics garants de l'intérêt général

» La citoyenneté au bord du gouffre

» À nos lecteurs


Edição em inglês


» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city

» Impasse in Morocco

» And now get lost, France!


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


LIVROS

A dívida contra o desenvolvimento

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

O ano de 2002 foi marcado pela publicação de uma grande quantidade de obras críticas e de trabalhos de análise sobre a situação dos países do Hemisfério Sul, escritas, em grande parte, por autores latino-americanos, africanos ou asiáticos

Roland Pfefferkorn - (01/03/2003)

Os escritores que assinam as contribuições do último número da revista Alternatives Sud enfatizam o agravamento da desigualdade das relações Norte-Sul

A cantilena da “globalização feliz” já não faz sucesso. Da Argentina à Indonésia, do Senegal à África do Sul, os últimos anos foram marcados pelo agravamento da situação econômica e social em todos os países do Terceiro Mundo. Paralelamente, desenvolveram-se lutas de oposição à globalização capitalista, ganhando uma dimensão especial ao longo do ano passado1. O ano de 2002 foi marcado, no plano editorial, por uma quantidade de obras críticas e de trabalhos de análise de qualidade que têm em comum o fato de enfatizarem, em muitos casos, a situação dos países do hemisfério Sul e/ou apresentarem pontos de vista originários de autores latino-americanos, africanos ou asiáticos e, mais particularmente, dos que lutam por uma globalização diferente.

A dívida desses países está mais do que nunca no centro de suas dificuldades. Permanece no cerne de trabalhos recentes. Damien Millet e Eric Toussaint vencem o desafio de apresentar com clareza e rigor, num livro destinado a um público não-especialista, a origem da dívida e os mecanismos praticados que limitam os países endividados a uma relação de subordinação ao FMI e ao Banco Mundial2. Já paga por várias vezes, mas sempre em alta, essa dívida continua a esmagar populações que não tiraram proveito dela. As diminuições efetivas decididas nos últimos anos por alguns raros países são, na realidade, infinitamente mais limitadas do que as quantias anunciadas regularmente pelos dirigentes dos países do Hemisfério Norte.

A reinserção da economia na sociedade

A leitura do livro de Joseph Stiglitz ex-economista chefe do Banco Mundial e Prêmio Nobel de Economia, expõe claramente os limites de suas soluções

Os escritores do Hemisfério Sul que assinam as contribuições do último número da revista Alternatives Sud aprofundam a análise da dívida, enfatizando o agravamento da desigualdade das relações Norte-Sul e a necessidade do cancelamento da dívida devido ao caráter usurário de seu serviço e de seus efeitos sociais dramáticos3. A partir de uma análise lúcida da situação dos países atingidos pela “crise asiática”, Diana Hochraich detalha o contexto para os países dessa região4 Mostra em seu livro que foi a abertura para os mercados de capital e a subordinação destes às empresas multinacionais, durante os anos precedentes, que os levaram à crise.

A leitura deste último livro expõe claramente os limites das soluções propostas por muitos autores, inclusive o ex-economista chefe do Banco Mundial, Joseph Stiglitz5. Por exemplo, o prêmio Nobel de Economia, que formula um diagnóstico lúcido das políticas do FMI e do Banco Mundial, hesita em propor uma mudança das regras do jogo do sistema econômico e tem dificuldade em ver suas contradições. O mérito das alternativas desenvolvidas nos livros acima citados é o de subverter a perspectiva que consiste em querer alinhar tudo ao mercado. A intensificação das contradições é levada em conta, tanto no Sul como nos países capitalistas desenvolvidos, onde as desigualdades sociais aumentam. Da mesma forma, tais alternativas questionam a preferência pelo desenvolvimento do setor privado e a redução do papel do Estado: propõem reinserir a economia na sociedade – e não, a sociedade na economia.

(Trad.: Regina Salgado Campos)

1 - Cf. Samir Amin e François Houtard (org.), Mondialisation des résistances, L’état des luttes 2002, Centre Tricontinental, Louvain-la-Neuve, 2002, 386 p., 15 euros.
2 - Damien Millet e Eric Toussaint, 50 Questions, 50 Réponses sur la dette, le FMI et la Banque mondiale, Bruxelas e Paris, Comité pour l’annulation de la Dette du Tiers-Monde e Syllepse, 2002, 262 p., 14 euros.
3 - Alternatives Sud, Vol IX, 2-3, "Raisons et déraisons de la dette. Le point de vue du Sud", Louvain-la-Neuve e Paris, Centre Tricontinental e L’Harmattan, 2002, 270 p., 13 euros.
4 - Diana Hochraich, Mondialisation contre développement. Le cas des pays asiatiques, Préface de Robert Boyer, Syllepse, Paris, 2002, 218 p., 18,50 euros.
5 - Joseph Stiglitz, La grande désillusion, Fayard, Paris, 2002.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Desigualdades Internacionais
» Dívida Externa e Dívida Pública
» Ditadura das Finanças

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos