'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: Paris, a vermelha
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Oito teses sobre a Revolução Feminista

» As feridas da Guerra com Paraguai ainda latejam

» A última chance de salvar Julian Assange

» Quando a polícia bandida quer mandar na sociedade

» Zé do Caixão, herói do Cinema Popular Brasileiro

» Poderá Francisco salvar a Economia e o planeta?

» Auschwitz: os portões da memória ainda abertos

» As democracias engolidas e o erro de Piketty

» Eles lutam por todos nós

» Paulo Guedes, o bravateiro velhaco

Rede Social


Edição francesa


» Israël-Palestine, entériner l'occupation

» Toulon, la folie des grandeurs

» De l'État d'Assam au sous continent indien, une mosaïque religieuse

» Les échecs de la démocratisation et le lourd héritage de M. Moubarak

» Les paradoxes d'un régime libéré de l'héritage nassérien

» Départ sans gloire pour M. Anthony Blair

» Précurseurs et alliés du nazisme aux Etats-Unis

» Une Internationale… de la santé

» Wal-Mart à l'assaut du monde

» Réalité en quête de fictions


Edição em inglês


» Trump's Palestine plan: enshrining occupation

» Religion in India

» Wakaliwood forever

» Copenhagen, cycle city

» Walmart's planned economy

» In the name of the rose

» Serbia's strongman tightens his grip

» The Sanders-media showdown

» The Bernie threat

» Indian citizenship, but not for Muslims


Edição portuguesa


» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»


LIVROS

Paris, a vermelha

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Afastando-se dos clichês turísticos, o autor de ’A invenção de París’ faz um trabalho de erudição histórica surpreendente e aborda uma cidade de escritores e rebeliões, que guarda lugares onde se condensa uma memória ao mesmo tempo insurrecional e poética

Guy Scarpetta - (01/05/2003)

A obra ressuscita o espírito de insubmissão que atravessa a cidade, sua memória revolucionária, o eco dos levantes populares que escandiram a sua história

Compramos um livro, um pouco por acaso, numa banca de estação de trem. Quando se trata de Paris1, esperamos o clichê turístico habitual, retrato pitoresco e estereotipado dos bairros. Mas então, desde as primeiras páginas, é a divina surpresa. Temos aqui sem dúvida, uma soma, uma proeza de erudição histórica, mas também um livro de paixão, de exaltação, de partidos tomados, justificados – um jeito incrível de captar ou de ressuscitar este espírito de insubmissão que atravessa a cidade, sua memória revolucionária ocultada, o eco, esplendidamente reavivado, dos levantes populares que escandiram a sua história. Eis portanto o relato da expansão contínua de Paris, ultrapassando os seus limites sucessivos, a absorção progressivas dos bairros periféricos, depois das vilas (Passy, Chaillot, ou Montmartre, Belleville, Charonne), tudo isso minuciosamente detalhado, escrutado. Aqui está o Quartier Latin de Villon (quem viveu em Paris nos anos 1960, antes do grande vandalismo do Presidente Pompidou, podia sentir irresistivelmente que ali um pouco de Idade Média sobrevivia); os cabarés da Courtille, no século XVIII, principal local dos prazeres de baixa reputação, e o fabuloso hotel da Guimard, na chaussée d’Antin, ornado por Fragonard, ponto culminante da desordem libertina. Agora os hotéis do Marais, freqüentados pelos poetas barrocos, e o Montparnasse de Apollinaire, as misteriosas passagens que fascinavam Aragon e Walter Benjamin, e o Saint-Germain-des-Prés do pós-guerra, foco da criação artística hoje anexado pela burguesia e a moda de luxo. Enfim as pessoas passeando sem pressa, os “camponeses de Paris”, os escritores (certamente nenhuma cidade foi tão escrita, tão indissoluvelmente ligada aos textos que inspirou) - a Paris de Nerval, e aquela de Balzac, de Baudelaire, de Proust, de Breton, apenas podemos lamentar que num livro como este, a Paris de Guy Debord e dos situacionistas seja tão pouco abordado…

Luta e rebelião

O mais marcante é a luta ininterrupta de uma Paris da rebelião, cem vezes vencida, cem vezes renascendo, que nunca se conseguiu controlar, reprimir, aniquilar

Porém o mais marcante é o desenterramento do que Eric Hazan chama de “Paris vermelha” – ou esta luta ininterrupta entre uma Paris da rebelião, cem vezes vencido, cem vezes renascendo, e o que, sem cessar, sem nunca conseguir, se quis controlar, reprimir, aniquilar. Daí estas páginas, as mais esclarecedoras, sobre a visão repressiva, estratégica, da abertura das grandes avenidas pelo Hausmann (onde entendemos enfim por que a praça da República é, de fato, um lugar amaldiçoado) bem como sobre as destruições irreparáveis e as atrocidades arquitetônicas fomentadas por Pompidou e Malraux, como se fosse para conjurar o abalamento de um certo mês de maio. Hazan faz reviver magistralmente estas ruas de artesãos do Faubourg Saint-Antoine, de onde surgiu a corrente que levou à Bastilha e estes dias febris de revoltas, de barricadas – desde os de 1830, de 1848 (com uma forte homenagem ao personagem geralmente difamado de Blanqui), da Comuna (cujo último bolso de resistência foi o Faubourg du Temple, que hoje como por acaso é o bairro mais cosmopolita de Paris), até os de 68, justamente, que inspiraram ao Hazan esta luminosa fórmula: “Maio de 68 era a primeira revolução moderna: ela não tinha o objetivo de tomar o poder”. Frase a ser meditada, no momento em que se espalha sobre estes “eventos” uma abjeta conjunção de falsificação e de difamação. Paris guarda assim lugares mágicos, magnéticos, onde se condensa uma memória ao mesmo tempo insurrecional e poética. O mérito de ter sentido esta imantação, além do trabalho propriamente histórico, fica com o Hazan. Mesmo se tratando dos locais mais simples, mais secretos, como este enigmático pequeno triângulo, no lugar onde bifurca a rua Jean-Pierre Timbaud, como sua estranha estátua, suas árvores, bem na frente da mítica Casa dos Metalúrgicos, ainda assombrada pelo espectro dos republicanos espanhóis que nela se refugiavam...

(Trad.: David Catasiner)

1 - A invenção de Paris, de Eric Hazan, Seuil, col. “ Ficção e Cia ”, Paris, 2002, 462 páginas, 23 euros.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» França
» História
» Literatura

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos