Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» L'Ukraine livrée aux maladies infectieuses

» Raoul Ruiz ou le refus des normes

» Ces soldats américains envoyés combattre les bolcheviks

» Dictature numérique

» Au travail, les enfants

» En Afrique, la démocratie entravée

» Le grand partage du globe

» La France et son espace maritime de souveraineté économique

» Villes et comptoirs hanséatiques

» Le sultanat de Malacca à la fin du XVe siècle


Edição em inglês


» The sea: hidden threats

» Dispatches from colonial North Africa

» The many shades of Latin American racism

» Window on the Russian soul

» The Arab world says #MeToo

» Lebanese central bank falls from grace

» Chips with everything

» Which way for Germany's CDU after Angela Merkel?

» Welcome to western China!

» France's watered-down climate bill


Edição portuguesa


» O direito à alimentação no mundo continua por cumprir

» Filho da Preguiça

» Boca de Cena

» Pandemónio Pandomínio

» Em Cuba, rumo ao fim do mais longo embargo da história

» Edição de Julho de 2021

» «Ajude um caloiro»: requiem por um direito

» Acalmia em França?

» Edição de Junho de 2021

» O jornalismo no novo negócio dos "media"


ÁFRICA DO SUL

Gêneros alimentícios versus transgênicos

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Enquanto o Zimbábue e a Zâmbia lutam para evitá-los, a África do Sul tornou-se a porta de entrada dos transgênicos no continente, onde pode encontrar sua melhor clientela: fazendeiros em busca de lucro rápido e um governo que aposta cegamente no progresso tecnológico

Colette Braeckman - (01/09/2003)

A Kwanalu (Kwazulu-Natal Agricultural Union), uma associação amplamente financiada pela cooperação internacional, dá suporte aos fazendeiros comerciais, organiza o monitoramento de “fazendeiros negros emergentes”, ensina-os a formularem planos de investimentos, facilita-lhes o acesso ao mercado de capitais. Sua elegante diretora, Sandy la Marque, no entanto, admite que a modernização pode ter efeitos perversos: “Fazendeiros comerciais, brancos e negros, são movidos, sobretudo, pelo desejo de obter lucro rápido. E privilegiam, por exemplo, a produção de páprica, pimentão, flores e algodão em detrimento da segurança alimentar, dos gêneros alimentícios. As ervas medicinais, que têm uma grande demanda, deveriam ser melhor protegidas, pois são objeto de colheitas selvagens e nossos médicos tradicionais são muito assediados por pesquisadores que querem patentear seus remédios.”

É sem hesitar que o governo autoriza o uso dos organismos geneticamente modificados. Ninguém se preocupa com o fato de que os pequenos fazendeiros negros não terão acesso a essas tecnologias

É essa liberalização, associada à busca do lucro, que faz da África do Sul o laboratório das sementes geneticamente modificadas. “Esse governo acredita no progresso tecnológico”, garante Richard Haigh, que dirige o departamento de tecnologia integrada da associação Valley Trust, uma organização presente há 20 anos nas colinas de Natal e que luta pela melhora da saúde pública via a produção de culturas alimentícias e uma melhor alimentação. “É sem hesitar que o governo autoriza o uso dos organismos geneticamente modificados. Ninguém se preocupa com o fato de que os pequenos fazendeiros negros não terão acesso a essas tecnologias e que, além disso, suas culturas correm o risco de serem contaminadas. (...) A África do Sul é a primeira etapa do avanço dos transgênicos na África, no momento em que os países vizinhos, o Zimbábue e a Zâmbia, ainda lutam para evitar ter que recorrer a eles. Uma outra ONG, Biowatch, denuncia, além disso, o fato de que o milho geneticamente modificado, autorizado desde 1999, será vendido sem etiqueta específica, privando portanto os pobres, de quem o milho é o alimento básico, do princípio de precaução.

(Trad.: Wanda Caldeira Brant)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» África do Sul
» Agronegócio
» Zâmbia
» Zimbabue
» Transgênicos
» África

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos