Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 24 de maio de 2022

» Crônica: O clã (não tão) secreto dos Punhos-Cerrados

» Como Mastercard e Visa lucram com falcatruas

» Elon Musk e o lítio da Amazônia

» A cegueira da Europa diante dos abismos da guerra

» 23 de maio de 2022

» A cultura do cancelamento e os impasses da esquerda

» Chile: o conturbado início de Boric

» Eletrobrás: por que rechaçar a privatização

» Pochmann: O fim da financeirização?

Rede Social


Edição francesa


» Mario Vargas Llosa, Victor Hugo et « Les Misérables »

» Des médias en tenue camouflée

» Jénine, enquête sur un crime de guerre

» Le monde arabe en ébullition

» Au Proche-Orient, les partis pris de la Maison Blanche

» L'abolition du territoire

» Regard sur Sarajevo

» Les progrès du libéralisme économique à Sri-Lanka

» Le marché du blé pourra-t-il être codifié par un nouvel accord international ?

» Le président Marcos allié gênant et retors des États-Unis


Edição em inglês


» Lawfare in the Mediterranean

» Lebanon: ‘Preserving the past in hope of building the future'

» May: the longer view

» Fragmented territories

» A clash of memories

» Alsace's toxic time bomb

» The poisonous problem of France's nuclear waste

» Can Medellín change its image?

» Venezuela: a ‘country without a state'

» The urgent need to preserve Lebanon's past


Edição portuguesa


» Morrer em Jenin

» Recortes de Imprensa

» Será a caneta mais poderosa do que a espada?

» A Hipótese Cinema

» Um projecto ecofeminista em Aveiro

» David Bowie em leilão

» Como Pequim absorveu Hong Kong

» Na Colômbia, o garrote Medellín

» Face ao colapso, o Líbano quer preservar a sua memória

» Continua a Inglaterra a ser britânica?


ÁFRICA OCIDENTAL

O fim de um modelo?

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Criada em 1949, uma sociedade anônima francesa de assistência ao setor algodoeiro entrou em conflito com a política neoliberal adotada pelo Banco Mundial. Embora ainda forte na comercialização, a empresa não conseguiu impedir as privatizações

André Linard - (01/09/2003)

Contrária ao esquema de privatização adotado pelo governo, por inspiração do Banco Mundial, a CFDT entrou com um pedido de arbitragem em 1997

Dagris (Desenvolvimento Agrícola e Industrial do Sul) é o novo nome da Companhia Francesa para o Desenvolvimento do Têxtil (CFDT). Esta sociedade anônima, com maioria de ações públicas, foi criada em 1949, ao mesmo tempo como instrumento de desenvolvimento das colônias do ultramar e de acesso a matérias-primas de que a metrópole necessitava. Depois das independências, “a CFDT tornou-se empresa de cooperação dirigida pelo Estado francês para complementar, auxiliar e assistir as empresas algodoeiras nacionais”. Por exemplo, a CFDT detinha 30% do capital da Companhia Marfiniana para o Desenvolvimentos dos Têxteis (CIDT) pouco antes da privatização parcial da empresa algodoeira.

Contrária ao esquema de privatização adotado pelo governo, por inspiração do Banco Mundial, ela entrou com um pedido de arbitragem em 1997 junto ao Centro Internacional para o Acordo de Conflitos Relativos a Investimentos (CIRDI), que pertence ao grupo do Banco Mundial. Seu argumento formal era um vício de procedimento, mas, na realidade, a CFDT defendia seu ponto de vista, segundo o qual somente a abordagem integrada do setor algodoeiro (explicitamente: um único operador se apropriando das diferentes etapas da produção) garante seu desenvolvimento sustentável1. Subdividir a estrutura de produção cria uma competição nefasta nos países produtores africanos, com proveito para os concorrentes estrangeiros.

O “sistema de concorrência”

A empresa fracassou na tentativa de impedir as privatizações, mas continua a deter uma parte do capital das empresas algodoeiras africanas

O Banco Mundial respondeu que a abordagem integrada é “um modelo sub-otimizado (leia-se, ineficaz) e priva o produtor de uma parte do valor agregado que deveria lhe caber num sistema de concorrência”. A CFDT fracassou na tentativa de impedir as privatizações, mas, com seu novo nome de Dagris, continua a deter uma parte do capital das empresas algodoeiras africanas e intervém no setor da assistência técnica. Controla ainda a comercialização do algodão, por intermédio de sua filial Copaco, no Mali, em Camarões, no Senegal e no Togo.

Por meio de uma rede de participações cruzadas, a Dagris detém partes importantes nas empresas algodoeiras dos principais países produtores da África.

(Trad.: Regina Salgado Campos)

1 - Ler, de Bernard Vinay, “La CFDT, outil de la coopération française”, edição especial de Coton et Développement, 1999.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Agronegócio
» Livre Comércio e Desigualdade
» Recolonização da África

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos