Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 4 de agosto de 2020

» Eletrobrás, privatização humilhante

» Chile: a rebeldia retomada e o sistema em xeque

» Rusgas no casamento entre Bolsonaro e Guedes

» Cinema: Minimalismo vazio ou superação do consumismo?

» 3 de agosto de 2020

» Enfim, o direito humano a imprimir dinheiro

» Despotismo algorítmico, outra faceta da exploração

» Por que a pandemia afasta mulheres da ciência

» 31 de julho de 2020

Rede Social


Edição francesa


» Algérie : Les réformes de 1947 et l'intégration

» « The Economist », le journal le plus influent du monde

» L'avènement du tourisme de masse... Près de chez soi

» Babel jeune et innocente

» Des usages de Bach

» Rendez-vous avec Frantz Fanon

» Dans la jungle de Bornéo, des visiteurs en quête d'authenticité

» « Il nous faut tenir et dominer Athènes »

» Égalité, identités et justice sociale

» D'autres pistes pour la santé publique


Edição em inglês


» August: the longer view

» Hagia Sophia in Turkey's culture wars

» Pilgrimage routes

» Bolivia's shrinking glaciers

» It's the healthcare system, stupid

» The Twenty Years' war

» Government by the worst

» The eternal Johann Sebastian

» Wake up! I have things to say!

» Newspapers without borders


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2020

» Prisioneiros do paradigma

» A guerra dos vinte anos?

» Offshores: paraíso para alguns, inferno para todos

» Edição de Julho de 2020

» Metáforas bélicas

» Alguém disse «sistémico»?

» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago


ÁFRICA

O caso malinês

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

O Mali, acostumado com os franceses, descobriu os americanos logo depois da guerra do Golfo, em 1992. Desta primeira incursão americana, surgiram programas e investimentos que fizeram do Mali um grande aliado

Pierre Abramovici - (01/07/2004)

Os primeiros contingentes norte-americanos chegaram ao Mali pouco depois da guerra do Golfo

Os primeiros contingentes norte-americanos chegaram ao Mali pouco depois da guerra do Golfo, durante o ano de 1992. Uma unidade da Guarda Nacional1 do Tennessee veio inicialmente para fornecer tratamento médico aos habitantes de dez aldeias da região de Sevaré, no centro do país. Durante a segunda fase desse programa, os integrantes da Guarda Nacional aérea do Alabama reconstruíram um jardim de infância numa base militar da mesma região. O Mali, habituado sobretudo aos franceses, descobria os norte-americanos. Era apenas o começo.

A partir de 1993, foi implantado o primeiro programa de formação (Joint Combined Exchange Training – JCET) especificamente dirigido pelas forças especiais norte-americanas, seguido a cada ano por exercícios de infantaria leve e de treinamento em “manutenção da paz”. Posteriormente, o programa foi estendido a outros países. O auxílio civil continuou, via a Secretaria da Defesa, fornecendo, sobretudo ao ministério maliano da Saúde, um hospital de campanha completo e equipado com instrumentos de radiografia. Em 1995, um outro programa de ação civil foi lançado pelas forças armadas norte-americanas durante o qual trinta integrantes da Guarda Nacional de Minnesota levaram tratamento médico aos habitantes de dez aldeias da região de Sénou, perto de Bamako. No mesmo ano, a Guarda Nacional de Arkansas cooperou com a Força Aérea do Mali na construção de um dispensário na base aérea de Sénou.

Formação e assistência

O engajamento norte-americano no Mali aumentou em 1997 com a organização de três exercícios de formação

Em 1995, os Estados Unidos também realizaram com sucesso as três primeiras fases de formação do exército maliano em justiça militar, no âmbito de um programa elaborado pelo Instituto de Estudos Jurídicos Internacionais do Departamento da Defesa (DIILS). Uma equipe médica, composta por médicos do Exército, da Força Aérea e da Marinha de Guerra, provenientes do quartel general do Eucom, foi ao Mali, em 1996, para um exercício batizado de Medflag, destinado a preparar os médicos militares locais “para enfrentar casos de urgência médica e de crise”.

O engajamento norte-americano no Mali aumentou em 1997 com a organização de três exercícios de formação: dois exercícios JCET e o primeiro exercício Flintlock. Este último tem por principal objetivo “incrementar a cooperação regional entre as forças de defesa” e a presença de unidades norte-americanas fora dos Estados Unidos sob a coordenação do 96o batalhão dos negócios civis de Fort Bragg, na Carolina do Norte.

Conquista de um aliado

Em sete anos, o Mali tornou-se progressivamente um aliado dos Estados Unidos

Uma unidade do exército senegalês participou desse treinamento. Observadores vindos da Guiné, da Gâmbia, de Gana, da Costa do Marfim, da Guiné-Bissau, do Benin e do Togo participaram do exercício Flintlock, que durou dois meses no Mali.

No mesmo ano, a Força Aérea norte-americana forneceu os meios de transporte necessários à presença na Libéria de 680 soldados malianos e o envio de 450 toneladas de material. O Mali, além disso, recebeu 350 mil dólares, no âmbito do programa norte-americano de auxílio financeiro militar no exterior, para a formação dos pilotos e dos mecânicos designados para dois aviões DC3 inteiramente reformados, comprados pela Força Aérea local de uma empresa norte-americana. No ano seguinte, o Mali aderiu à Acri. Um cargo de adido militar da embaixada norte-americana em Bamako foi criado em 1999. E foi assim que, em sete anos, o Mali tornou-se progressivamente um aliado dos Estados Unidos, somente por intermédio da Secretaria de Estado da Defesa e de diferentes programas associados.

(Trad.: Regina Salgado Campos)

1 - As Guardas Nacionais são unidades militares à disposição dos governadores dos Estados norte-americanos.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Mali
» Geopolítica da África
» Poder Imperial dos EUA
» África

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos