Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 24 de setembro de 2021

» Dissidência jovem no coração do sistema

» Ainda não acabou: o mal-estar na pandemia

» Para entender as três crises do Haiti

» Uma cineasta à altura dos desafios de nosso tempo

» 23 de setembro de 2021

» Evergrande: falência e oportunidade na China

» Tecnologia e política para reconstruir mundo em ruínas

» Cinema: Aranha e nossas raízes fascistas

» 22 de setembro de 2021

Rede Social


Edição francesa


» Le vieux monde et la mer

» Émergence de l'Asie sur la scène scientifique

» Singapour, Malaisie, Indonésie : triangle de croissance ou triangle des inégalités ?

» Les rêves déçus et la colère rentrée des harkis

» Conflits d'usages en mer Baltique

» Autocritiques cathodiques en Chine

» L'Australie séduite par la Chine

» Que faisons-nous en Irak ?

» De la mer en partage au partage de la mer

» La Russie à la conquête du Grand Nord


Edição em inglês


» China's post-communist Communist Party

» The Manet effect

» The race to be German chancellor

» September: the longer view

» Meandering through Paraguay

» Don't expect tech giants to build back better

» Long hot nights on the Paraguay river

» Can Pedro Castillo unite Peru?

» Tensions mount over Yemen's contested islands

» Hungary's Fidesz builds a parallel state


Edição portuguesa


» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul

» Edição de Agosto de 2021

» Ditadura digital

» Desigualdades digitais

» O direito à alimentação no mundo continua por cumprir

» Filho da Preguiça

» Boca de Cena


AMÉRICA CENTRAL

Prisões da morte

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Sob a guarda do Estado e a vigilância da polícia, dezenas de jovens morrem em situações atrozes nos cárceres hondurenhos

Raphaëlle Bail - (01/08/2004)

Surgiu uma nova acusação contra o Estado hondurenho: os mortos em prisão. Dezenas de jovens suspeitos e encarcerados morreram em condições obscuras quando estavam sob a vigilância da polícia e dos guardas de prisão1 . Esse fenômeno que, no início, não comoveu muita gente, pareceu chegar a um beco sem saída em abril de 2003, no centro penal de El Porvenir, perto da cidade de La Ceiba, do lado do Atlântico. Nesse dia, 58 detentos, praticamente todos membros da Mara 18, foram mortos queimados vivos ou abatidos em condições que a justiça acaba de elucidar.

A culpa da polícia e dos militares aparece agora, claramente, no que se parece com um massacre coletivo

A despeito de uma versão oficial falando de confrontos entre pandilleros (armados até os dentes, quando estavam presos...) e um repentino começo de incêndio numa célula, a culpa da polícia e dos militares aparece agora, claramente, no que se parece com um massacre coletivo. As autoridades guardiãs dos locais teriam provocado uma batalha entre duas gangues rivais para poder liquidar esses jovens com total impunidade. Antes de deixar suas funções, em março de 2003, o procurador-geral Roy Medina denunciou cerca de cinqüenta pessoas, pertencentes majoritariamente às forças de manutenção da ordem. Nenhuma delas foi suspensa.

Depois da vigência da lei anti-Mara, aprovada pelo Congresso em julho de 2003 (leia, nesta edição, “Guerra contra os pobres”, de Raphaëlle Bail), a população dos centros penitenciários explodiu em virtude dos milhares de jovens presos por pertencerem a pandillas. A prisão de San Pedro Sula, segunda cidade do país, a 240 quilômetros ao norte da capital, tem capacidade para 800 prisioneiros. Abrigava 2.200, quase três vezes mais, quando ali se iniciou um incêndio, no último 17 de maio. Nesse dia, 103 detentos, dos quais a maioria pertence à Mara Salvatrucha, morreram em condições atrozes. Vários sobreviventes acusaram as autoridades de não os terem socorrido e de os terem mantido fechados quando o sinistro se desencadeou. Esses depoimentos foram confirmados pelo bispo auxiliar de San Pedro Sula, D. Romulo Emiliani, que afirma ter recebido informações: “Durante mais de uma hora, os prisioneiros suplicaram que lhes abrissem as portas das células2.” Sem resultado.

(Trad.: Iraci D. Poleti)

1 - Segundo a ONG Casa Alianza, 59 jovens de menos de 23 anos de idade foram assassinados em centros de detenção, entre maio de 2002 e março de 2004.
1 - BBC, Londres, 19 de maio de 2004.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Honduras
» Tortura
» Terrorismo de Estado
» América Latina

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos