'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: O saque do Palácio de Verão
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Maquiavel explica o novo ministro da educação

» 10 de julho de 2020

» A luta decisiva contra o reconhecimento facial

» “Austeridade”, uma concha vazia

» Um vírus que revela nosso dissídio com a Natureza

» (Auto)cuidado – coletivo, político e inadiável

» Por que aproxima-se uma onda de fome no Brasil

» 9 de julho de 2020

» A formação da personalidade autoritária

» A estratégia indígena para enfrentar o vírus

Rede Social


Edição francesa


» Aux bons soins d'une société sécuritaire

» La police, la gauche et le changement

» Primes pour stimuler la production et sanctions contre les pratiques illégales

» Les difficultés de l'économie soviétique ravivent le débat entre traditionalistes et partisans de la réforme

» Comment le Sahel est devenu une poudrière

» Tout commence, tout finit à Gaza

» Cette « double autorité » qui écartèle les Palestiniens

» Aux origines de la secte Boko Haram

» Michel Onfray, le dernier nouveau philosophe

» Les forces de l'ordre social


Edição em inglês


» Meanwhile in Minneapolis

» Cities: the power of the urban

» July: the longer view

» Fossil fuel disarmament

» Oil production and consumption around the world

» OPEC's share of production in a changing oil market

» Passport power

» Prato's migrant workforce

» No going back to business as usual

» Trade war in strategic minerals


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2020

» Metáforas bélicas

» Alguém disse «sistémico»?

» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago

» «O desastre actual é a total ausência de espírito crítico»

» Edição de Junho de 2020

» A fractura social

» Vender carros Audi na Birmânia


ESPECIAL CHINA

O saque do Palácio de Verão

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Em sua Carta ao Capitão Butler, Victor Hugo condena uma das maiores pilhagens promovidas pelo Ocidente: o saque ao Palácio de Verão chinês, em 1860, quando as forças anglo-francesas ocuparam Pequim

Victor Hugo - (01/10/2004)

O senhor pergunta minha opinião sobre a expedição à China. O senhor considera essa expedição honrosa e bela, e é muita bondade de sua parte dar algum valor a meu sentimento. Em sua opinião, a expedição à China, realizada sob duas bandeiras, a da rainha Vitória e a do imperador Napoleão, é uma glória a ser partilhada entre a França e a Inglaterra, e o senhor deseja saber o quanto de aprovação creio poder dar a essa vitória inglesa e francesa.

Como o senhor deseja conhecê-la, apresento minha opinião.

Havia, num canto do mundo, uma maravilha do universo; esta maravilha se chamava o Palácio de Verão. A arte tem dois princípios, a Idéia – que produziu a arte européia – e o Sonho – que produziu a arte oriental. O Palácio de Verão era para a arte do sonho o que o Partenon é para a arte da idéia. Tudo o que a imaginação de um povo quase extra-humano pode criar estava ali. Não era, como o Partenon, uma obra rara e única; ele era uma espécie de modelo enorme do sonho, se é que o sonho pode ter um modelo.

Imagine uma construção inexprimível, algo como um edifício lunar, e o senhor terá o Palácio de Verão. Construa um sonho em mármore, jade, bronze, porcelana, faça seu vigamento usando como madeira o cedro, recubra-o com pedrarias, envolva-o em seda, faça em algum canto um santuário, em outro um harém, mais adiante uma cidadela, coloque nele deuses, coloque nele monstros, passe-lhe uma camada de verniz, uma de esmalte, uma de ouro, uma de maquilagem, mande construir, por arquitetos que sejam poetas, os mil e um sonhos das mil e uma noites, acrescente jardins, pequenos lagos, fontes de água e espuma, cisnes, íbis, pavões, imagine, numa palavra, uma espécie de deslumbrante caverna da fantasia humana com a figura de templo e de palácio. Era assim esse monumento. Para criá-lo, fora necessário o lento trabalho de duas gerações. Esse edifício, enorme como uma cidade, fora construído pelos séculos para quem? Para os povos. Porque aquilo que o tempo faz pertence ao homem. Os artistas, os poetas, os filósofos, conheciam o Palácio de Verão; Voltaire fala dele. Dizia-se: o Partenon na Grécia, as Pirâmides no Egito, o Coliseu em Roma, a Notre-Dame em Paris, o Palácio de Verão no Oriente. Se as pessoas não o viam, sonhavam com ele. Era uma espécie de espantosa obra-prima desconhecida entrevista ao longe, não se sabe em que crepúsculo, como uma silhueta da civilização da Ásia no horizonte da civilização da Europa.

Essa maravilha desapareceu.

Um dia, dois bandidos entraram no Palácio de Verão. Um saqueou, o outro incendiou. A vitória pode ser uma ladra, ao que parece. Uma devastação em grande estilo do Palácio de Verão, dividindo-se os benefícios e as responsabilidades entre os dois vencedores. Vê-se misturado a tudo isso o nome de Elgin, que tem a propriedade fatal de lembrar o Partenon. O que havia sido feito com o Partenon, se fez mais completamente e melhor com o Palácio de Verão, de modo a não deixar nada. Todos os tesouros de todas as nossas catedrais reunidas não igualariam esse esplêndido e extraordinário museu do oriente. Nele não havia apenas obras-primas de arte, havia um acúmulo de ourivesarias. Grande feito, grande fortuna. Um dos vencedores encheu seus bolsos, e o outro, vendo isso, encheu seus cofres; e voltaram para a Europa de braços dados e rindo. Essa é a história dos dois bandidos.

Nós, europeus, somos os civilizados e, para nós, os chineses são os bárbaros. Eis o que a civilização fez à barbárie.

Diante da história, um dos dois bandidos se chamará França, o outro se chamará Inglaterra. Mas eu protesto, e lhe agradeço por me dar a oportunidade para isso; os crimes daqueles que dirigem não são o erro dos que são dirigidos; os governos, às vezes, são bandidos, mas os povos nunca o são.

O império francês embolsou a metade dessa vitória e hoje exibe, com uma espécie de ingenuidade de proprietário, o esplêndido amontoado de objetos do Palácio de Verão.

Espero que chegará o dia em que a França, libertada e limpa, devolva esse butim à China espoliada.

À espera disso, há um roubo e dois ladrões - é o que constato.

Isso é, senhor, o quanto de aprovação confiro à expedição à China.

(Trad.: Iraci D. Poleti)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» China
» Guerras Colonialistas
» História
» Ascensão da China

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos