Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» As necessárias “heresias” de Lula

» A rebelião dos idiotas

» O arame farpado na existência dos Guarani-Kaiowá

» Por que “funciona” o ataque à cracolândia?

» 16 de maio de 2022

» Desmatamento e escândalo na ferrovia da soja

» Pochmann: Para onde vai o trabalho no Brasil

» 13 de maio de 2022

» A crise financeira e o reset para as maiorias

» A social-democracia europeia e a guerra

Rede Social


Edição francesa


» Le monde arabe en ébullition

» Au Proche-Orient, les partis pris de la Maison Blanche

» L'abolition du territoire

» Regard sur Sarajevo

» Les progrès du libéralisme économique à Sri-Lanka

» Le marché du blé pourra-t-il être codifié par un nouvel accord international ?

» Le président Marcos allié gênant et retors des États-Unis

» Front de gauche, ou la fin d'une malédiction

» Le défi indien et le colonialisme blanc

» La participation des travailleurs : cote difficile à tailler


Edição em inglês


» Lebanon: ‘Preserving the past in hope of building the future'

» May: the longer view

» Fragmented territories

» A clash of memories

» Alsace's toxic time bomb

» The poisonous problem of France's nuclear waste

» Can Medellín change its image?

» Venezuela: a ‘country without a state'

» The urgent need to preserve Lebanon's past

» French troops forced to withdraw from Mali


Edição portuguesa


» Morrer em Jenin

» Recortes de Imprensa

» Será a caneta mais poderosa do que a espada?

» A Hipótese Cinema

» Um projecto ecofeminista em Aveiro

» David Bowie em leilão

» Como Pequim absorveu Hong Kong

» Na Colômbia, o garrote Medellín

» Face ao colapso, o Líbano quer preservar a sua memória

» Continua a Inglaterra a ser britânica?


MARTE

A invenção dos marcianos

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Futuro fundador da Sociedade Astronômica da França, Camille Flammarion publicou, em 1884, ’Terras do céu’ um tratado de planetologia em que são expostos os conhecimentos científicos da época. Ele critica rudemente os "romancistas" que, em nome da essência divina da humanidade, se recusam a aceitar a existência de planetas habitados, ou ao contrário imaginam seus habitantes como semelhantes à humanidade terrestre. Suas considerações sobre as "formas vegetais e animais" de Marte teriam enorme repercussão, alimentando a paixão da época pelo planeta

Camille Flammarion - (01/12/2004)

Visto de Marte e de seus satélites, o céu estrelado é o mesmo que este que cintila sobre nossas cabeças

Assim, sem dúvida, o progresso do pensamento seguiu, tanto em Marte como na Terra, o progresso da astronomia.

Qual é o aspecto do universo, visto dessa estação vizinha? Os habitantes de Marte não habitam mais o céu que nós, e nós não o habitamos como eles, nem mais nem menos. Como vêem eles a Terra?

Visto de Marte e de seus satélites, o céu estrelado é o mesmo que este que cintila sobre nossas cabeças: as mesmas estrelas ali atraem o olhar e o pensamento, as mesmas constelações ali desenham suas misteriosas figuras. Mas se as estrelas são as mesmas, os planetas são diferentes, como acabamos de ver. Júpiter, entre outros, é magnífico para eles: ele parece para eles uma vez e meia maior do que para nós e seus satélites, ali, devem ser facilmente visíveis a olho nu. Saturno é igualmente muito brilhante; suas duas pequenas luas, de fases rápidas e eclipses freqüentes, acrescentam ao céu de Marte um atrativo particular. Às vezes, à noite, é possível admirar, depois de o sol se pôr, uma estrela luminosa que se destaca lentamente dos raios solares para vir reinar soberana no céu.

Os poetas de lá

Os poetas de lá a celebram como uma divindade benéfica e a aclamam como morada de paz, de ciência e de felicidade

Este belo planeta, que lhes oferece os mesmos aspectos que Vênus nos apresenta, e cuja suave luz recebeu também, sem dúvida, muitos olhares de admiração, confidências, muitas juras de amor adolescentes, este belo planeta é a Terra em que estamos. Os poetas de lá a celebram como uma divindade benéfica e a aclamam como morada de paz, de ciência e de felicidade. Os astrônomos terão descoberto nossas fases; talvez tenham medido a altura de nossos Alpes e de nossas Cordilheiras; talvez conheçam exatamente nossa geografia e nossa meteorologia; talvez nos tenham feito sinais há muito tempo, aos quais eles se espantam que não saibamos responder; talvez eles concluam após fazer um longo exame que a Terra é inabitável, porque ela não parece de forma alguma com seu mundo, e declararão que sua pátria é o único local organizado por uma vida agradável, idealista e intelectual... No final, eles talvez tenham razão, pois (entre nós) nossa humanidade presa em bloco não revela ainda por seus atos que ela se elevou ao posto de uma raça verdadeiramente intelectual.

(Trad.: Marcelo de Valécio)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Romance
» Arte e Utopia
» Ciência, Política e Ética
» Crise do Cientificismo e do Desenvolvimentismo

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos