Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 23 de maio de 2022

» A cultura do cancelamento e os impasses da esquerda

» Chile: o conturbado início de Boric

» Eletrobrás: por que rechaçar a privatização

» Pochmann: O fim da financeirização?

» 20 de maio de 2022

» O impasse da democracia e o dilema feminista

» Como o patriarcado engole a democracia

» O modernismo a contrapelo – em exposição e livro

» Argentina: a potência das cooperativas de plataforma

Rede Social


Edição francesa


» Mario Vargas Llosa, Victor Hugo et « Les Misérables »

» Des médias en tenue camouflée

» Jénine, enquête sur un crime de guerre

» Le monde arabe en ébullition

» Au Proche-Orient, les partis pris de la Maison Blanche

» L'abolition du territoire

» Regard sur Sarajevo

» Les progrès du libéralisme économique à Sri-Lanka

» Le marché du blé pourra-t-il être codifié par un nouvel accord international ?

» Le président Marcos allié gênant et retors des États-Unis


Edição em inglês


» Lebanon: ‘Preserving the past in hope of building the future'

» May: the longer view

» Fragmented territories

» A clash of memories

» Alsace's toxic time bomb

» The poisonous problem of France's nuclear waste

» Can Medellín change its image?

» Venezuela: a ‘country without a state'

» The urgent need to preserve Lebanon's past

» French troops forced to withdraw from Mali


Edição portuguesa


» Morrer em Jenin

» Recortes de Imprensa

» Será a caneta mais poderosa do que a espada?

» A Hipótese Cinema

» Um projecto ecofeminista em Aveiro

» David Bowie em leilão

» Como Pequim absorveu Hong Kong

» Na Colômbia, o garrote Medellín

» Face ao colapso, o Líbano quer preservar a sua memória

» Continua a Inglaterra a ser britânica?


COMPORTAMENTO

Uma “moléstia social”

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Enquanto alguns pesquisadores insistem na punição, outros insistem em compreender a violência masculina para tentar vencê-la – e a única saída seria escutar os homens violentos

Mona Chollet - (01/05/2005)

Como responder à violência masculina? Germaine Watine, porta-voz da Federação Nacional Solidariedade Mulheres (FNSF), insiste na necessidade de punição: “Esses homens muitas vezes não têm consciência alguma de que estão errados. Um deles, cuja mulher está escondida há semanas, é capaz de nos declarar magnanimamente: ‘Diga-lhe que ela pode voltar para casa, não vai haver represálias, eu a perdôo’! Se a sociedade não os enquadrar logo, vai aumentar o risco de uma efetivação do ato assassino, quando a companheira os abandonar. Porque, então, eles ficam muito frustrados.” Daniel Welzer-Lang, no entanto, adverte contra a tentação de levá-los à prisão de qualquer forma: “A justiça deve indicar a norma coletiva. Mas há na França 400 mil homens que já agrediram suas companheiras: vão ser criadas 400 mil vagas nas prisões? Sem contar que a prisão, verdadeira escola da violência viril, só pode agravar o problema.” “Para as violências menos graves”, observa Colette Parent, criminologista da Universidade de Ottawa, “o simples comparecimento diante de um tribunal mostra-se, na maioria das vezes, suficiente para provocar um choque salutar.”

m tem

Para Germaine Watine, se a sociedade não os enquadrar logo, vai aumentar o risco de uma efetivação do ato assassino, quando a companheira os abandonar

Os abrigos para homens violentos, uma instituição no Canadá, continuam pouco numerosos na França, onde são grandes as dificuldades para obter subvenções. “É claro que uma pessoa violenta pode mudar”, declara Jacques Broué, que coordena grupos de discussão no Quebec. “Se não, eu não exerceria esta profissão há vinte anos! Mas essa pessoa raramente consegue mudar sozinha; é preciso ser ajudada”. Germaine Watine não esconde suas reticências em relação às abordagens terapêuticas: “Os estupradores também têm uma história!” Nesse sentido, Alain Legrand, diretor da entidade SOS-Violências familiares, em Paris, diz compreender esse gênero de reações: “Nessa profissão, estamos confrontados a situações repugnantes. Há homens repugnantes”. O princípio dos grupos de discussão deixa-o cético, pois “têm o enorme defeito de não suprimir a violência psicológica. Só têm sentido como uma etapa prévia para uma terapia individual”.

Jacques Broué conta que os participantes, ao chegarem aos grupos de discussão, estão persuadidos de que a companheira é que tem problema, e expressam a esperança de fazê-la mudar; o que tenderia a dar razão a Daniel Welzer-Lang quando afirma que os locais de escuta, em vez de oferecerem aos homens a oportunidade de se reabilitarem, permitem “acompanhá-los em sua responsabilização”. Para ele, a violência masculina é uma “moléstia social”, e não se pode esperar vencê-la sem tentar compreendê-la. Para isso, afirma ele, é absolutamente necessário escutar os homens violentos, sem ceder à satanização.

(Trad.: Regina Salgado Campos)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Violência Sexual
» Lutas contra o Patriarcalismo e o Machismo
» Feminismo

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos