Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Por que murchamos os pneus de SUVs

» Retrato do esgotamento dos comerciários digitais

» Golpes no Brasil (I): Uma república febril e oligarca

» Cinema: O dom de iludir

» Maranhão: CNBB denuncia a barbárie do “agro”

» 29 de junho de 2022

» Boaventura: o encolhimento do Ocidente

» Contramemória: Modernismo em alta voltagem política

» WikiFavelas: As lutas LGBTI+ pela saúde pública

» WikiFavelas: As lutas LGBTI+ pela saúde pública

Rede Social


Edição francesa


» Le poids des pamphlets, le choc des classes

» En Russie, réprimer plus et enfermer moins

» Apprendre à nager n'est plus donné à tout le monde

» Bouillonnement de l'art contemporain africain

» Les Sri-Lankais défient le pouvoir

» Clarice Lispector, l'étoile de Rio

» Séparatismes ukrainiens

» Les mineurs, la mer et autres histoires

» Le droit à l'avortement menacé

» Occident contre Occident


Edição em inglês


» Fragmented Yemen

» Ukraine's logistical crisis

» Tensions and blackmail over Western Sahara

» Migrants still risk their lives to reach England

» Africa: agribusiness or diversity?

» Poisoning our oceans

» UN Earth Summits: how the rot set in

» In Mexico, will slow and steady win the day?

» Sri Lanka plunges into crisis

» Uncertain loyalties and competing narratives


Edição portuguesa


» Que pode o teatro face ao crescimento das extremas-direitas?

» Mapeamento de uma arte político-social: "Untitled", de Paula Rego

» Assembleia-Geral da Outro Modo

» O problema da riqueza

» «Sangrar a Rússia»

» Vulnerabilidades territoriais: o que se pode aprender com a crise pandémica?

» O paraíso da inovação militarizada

» Mineração em mar profundo: para quê destruir os fundos oceânicos?

» O lado oculto das cimeiras da Terra

» Viagem ao fim da Transamazónica


BANANAS III

Como age a OMC

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Cronologia das decisões que desfizeram os acordos entre países europeus e do Caribe, e permitiram às transnacionais bananeiras controlar o mercado

Phillippe Revelli - (01/05/2006)

1993. Na Organização Comum do Mercado da Banana (OCMB), a União Européia estabelece cotas para proteger a si e aos países ACP (antigas colônias de países europeus situados na África, no Caribe e no Pacífico, signatárias do Acordo de Cotonou junto à UE) da concorrência sul-americana.

1994. Os governos de cinco países da América Latina - Colômbia, Costa Rica, Nicarágua, Venezuela e Guatemala – apresentam queixa perante a Organização Mundial do Comércio (OMC) contra o regime europeu da banana.

1996. Em defesa de suas multinacionais estabelecidas na América Latina (Chiquita, Dole, Del Monte), os Estados Unidos, apesar de não terem uma produção significativa de bananas, ameaçam empreender retaliações comerciais contra a Comissão Européia.

1997. O órgão de resolução de controvérsias da OMC condena a OCMB.

1998. Em 8 de janeiro, o mediador da OMC estabelece que a UE se conforme às condições impostas pela OMC até 1º de janeiro de 1999.

1999. A UE lavra uma versão revisada da OCMB que não satisfaz aos estadunidenses.

2001. No dia 11 de abril, é firmado um acordo entre europeus e norte-americanos.

1º/1/2006. A União Européia aplica um novo regime de importação em conformidade com as exigências da OMC. O sistema de cotas é substituído por uma tarifa aduaneira única de 176 euros por tonelada.

Tradução: Julien Bonnin julienbonnin@gmail.com




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Equador
» Agronegócio
» OMC
» Instituições Globalitárias
» Livre Comércio e Desigualdade
» Precarização do Trabalho
» América Latina

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos