Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 23 de maio de 2022

» A cultura do cancelamento e os impasses da esquerda

» Chile: o conturbado início de Boric

» Eletrobrás: por que rechaçar a privatização

» Pochmann: O fim da financeirização?

» 20 de maio de 2022

» O impasse da democracia e o dilema feminista

» Como o patriarcado engole a democracia

» O modernismo a contrapelo – em exposição e livro

» Argentina: a potência das cooperativas de plataforma

Rede Social


Edição francesa


» Mario Vargas Llosa, Victor Hugo et « Les Misérables »

» Des médias en tenue camouflée

» Jénine, enquête sur un crime de guerre

» Le monde arabe en ébullition

» Au Proche-Orient, les partis pris de la Maison Blanche

» L'abolition du territoire

» Regard sur Sarajevo

» Les progrès du libéralisme économique à Sri-Lanka

» Le marché du blé pourra-t-il être codifié par un nouvel accord international ?

» Le président Marcos allié gênant et retors des États-Unis


Edição em inglês


» Lebanon: ‘Preserving the past in hope of building the future'

» May: the longer view

» Fragmented territories

» A clash of memories

» Alsace's toxic time bomb

» The poisonous problem of France's nuclear waste

» Can Medellín change its image?

» Venezuela: a ‘country without a state'

» The urgent need to preserve Lebanon's past

» French troops forced to withdraw from Mali


Edição portuguesa


» Morrer em Jenin

» Recortes de Imprensa

» Será a caneta mais poderosa do que a espada?

» A Hipótese Cinema

» Um projecto ecofeminista em Aveiro

» David Bowie em leilão

» Como Pequim absorveu Hong Kong

» Na Colômbia, o garrote Medellín

» Face ao colapso, o Líbano quer preservar a sua memória

» Continua a Inglaterra a ser britânica?


DESIGUALDADES

Diante da tragédia, indiferença

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

A degradação dos serviços de saúde africanos é alimentada pelos “ajustes fiscais” que o FMI determina e pelo descompromisso da “comunidade internacional”, mesmo em relação aos Objetivos do Milênio

Karl Blanchet , Regina Keith - (21/12/2006)

O continente negro possui apenas 3% do pessoal de saúde do mundo [1] quando sua população representa sozinha 25% da taxa mundial de pessoas atingidas por alguma enfermidade [2]. Essa crise maior é resultado de anos de negligência e falta de investimento dos governos africanos e da "comunidade internacional". Há ainda as draconianas imposições orçamentárias e fiscais do FMI. Os setores da saúde e educação são os primeiros a sofrer com essas medidas.

As despesas em saúde e em recursos humanos dos governos e credores dos fundos internacionais não foram suficientes. Somente 13 dos 55 países do continente gastam mais de 30 dólares por ano por cada pessoa, enquanto uma soma mínima de 34 dólares é recomendada pela OMS. Por outro lado, a comunidade internacional nunca investiu os 22 bilhões que, de acordo com a OMS [3], permitiriam o continente negro atingir os objetivos do “milênio para o desenvolvimento” das Nações Unidas.

Tradução: Leonardo Abreu
leonardoaabreu@yahoo.com.br



[1] Lugina Helen Igobeko, “Que mudanças de políticas na África e no Ocidente podem ir ao encontro dos atuais desafios da África”, apresentado na conferência “Mobilizando os profissionais de saúde africanos na diáspora e recursos para a construção de um sistema na África”, Londres, 22 de março de 2006.

[2] A taxa de morbidade indica o número de pessoas atingidas por uma doença por unidade de população. É expressa em geral no número de pessoas acometidas por 10 mil ou 100 mil habitantes.

[3] Save the Children, “Um mal desnecessário? Taxas de uso do serviço de saúde pública em países de baixa renda”, Londres 2005.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Medicina
» Saúde
» Ajuda Humanitária
» África
» Desigualdade e Fraturas Sociais

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos