Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 23 de maio de 2022

» A cultura do cancelamento e os impasses da esquerda

» Chile: o conturbado início de Boric

» Eletrobrás: por que rechaçar a privatização

» Pochmann: O fim da financeirização?

» 20 de maio de 2022

» O impasse da democracia e o dilema feminista

» Como o patriarcado engole a democracia

» O modernismo a contrapelo – em exposição e livro

» Argentina: a potência das cooperativas de plataforma

Rede Social


Edição francesa


» Mario Vargas Llosa, Victor Hugo et « Les Misérables »

» Des médias en tenue camouflée

» Jénine, enquête sur un crime de guerre

» Le monde arabe en ébullition

» Au Proche-Orient, les partis pris de la Maison Blanche

» L'abolition du territoire

» Regard sur Sarajevo

» Les progrès du libéralisme économique à Sri-Lanka

» Le marché du blé pourra-t-il être codifié par un nouvel accord international ?

» Le président Marcos allié gênant et retors des États-Unis


Edição em inglês


» Lebanon: ‘Preserving the past in hope of building the future'

» May: the longer view

» Fragmented territories

» A clash of memories

» Alsace's toxic time bomb

» The poisonous problem of France's nuclear waste

» Can Medellín change its image?

» Venezuela: a ‘country without a state'

» The urgent need to preserve Lebanon's past

» French troops forced to withdraw from Mali


Edição portuguesa


» Morrer em Jenin

» Recortes de Imprensa

» Será a caneta mais poderosa do que a espada?

» A Hipótese Cinema

» Um projecto ecofeminista em Aveiro

» David Bowie em leilão

» Como Pequim absorveu Hong Kong

» Na Colômbia, o garrote Medellín

» Face ao colapso, o Líbano quer preservar a sua memória

» Continua a Inglaterra a ser britânica?


EDITORIAL

Fascismo à polaca

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Dirigida por fundamentalistas cristãos, a Polônia promove uma caça aos ex-comunistas e aos homossexuais, além de provocar os judeus. O governo é um dos aliados de Bush, em seu esforço pra militarizar o espaço...

Ignacio Ramonet - (27/04/2007)

Chamam-na lei da lustração [1]. Ou seja, segundo o dicionário: purificação ritual. Não deixa de ter, num país, onde o catolicismo está entrelaçado à história, um forte sentido de arrependidmento e penitência. Setecentos mil poloneses deverão, em virtude dessa lei, aprovada em outubro de 2006 e em vigor desde 15 de março de 2007, confessar se colaboraram com os comunistas, entre 1945 e 1989. Todos: altos funcionários, professores, advogados, diretores de escolas e jornalistas nascidos antes de agosto de 1972 têm até o dia 15 de maio para confessar seu "erro".

Têm de preencher um formulário e responder à pergunta: "Colaborou secreta e conscientemente com os antigos serviços de segurança comunistas?". Deverão remeter o formulário ao seu superior hierárquico, o qual o enviará ao Instituto da Memória, em Varsóvia. Esse verificará os arquivos e emitirá um certificado de pureza política. Em caso de colaboração comprovada, os jornalistas que trabalham nos serviços públicos serão automaticamente demitidos. Os que se recusarem a responder, ou que mentirem comprovadamente, estarão sujeitos à pena de não poder exercer sua profissão durante dez anos.

Essa lei delirante escandaliza a União Européia. Comparativamente, reduz o macartismo americano dos anos 1950 a um anticomunismo amador. É o dispositivo principal de uma furiosa caça às bruxas, iniciada depois da chegada ao poder, em outubro de 2005, do presidente conservador Lech Kaczynski e seu irmão gêmeo Jaroslav (primeiro-ministro), na Polônia. Muitos poloneses consideram a norma anticonstitucional porque constrange os cidadãos a "provar que não fizeram o que não fizeram". Poderá ser invalidada pela Corte Constitucional, que pronunciará seu veredito no começo de maio.

Fundamentalismo cristão: a volta reacionária à "ordem moral"

A coalizão de direita, católica e nacional que governa a Polônia é formada por três partidos: Lei e Justiça (dos irmãos Kaczynski), Autodefesa (dos meios agrários) e a Liga das Famílias Polonesas. Têm uma inquietante política de volta à ordem moral. Com esse espírito, Roman Giertych, vice-primeiro-ministro, ministro da educação e chefe da Liga das Famílias Polonesas, apresentou um projeto de lei homófoba. Ela suscita comoção internacional e protestos de organizaçòes de defesa dos direitos humanos. Segundo o projeto, que pode ficar pronto em um mês, toda pessoa que revelar sua homossexualidade ou "qualquer outro desvio de caráter sexual" [2] em um estabelecimento escolar ou universitário, expõe-se a uma multa, demissão ou pena de prisão.

O deputado no Parlamento Europeu (pela Liga das Famílias) Maciej Giertych (pai de Roman Giertych) já havia desencadeado uma tempestade de condenações por ter publicado uma brochura anti-semita. Essa afirmava, por exemplo, que "os próprios judeus criam seus guetos" e que "o anti-semitismo não é racismo" [3]. O documento foi divulgado às custas do Parlamento Europeu e usou seu logotipo.

Essas decisões de depuração anticomunista, assim como as tentativas de retorno a uma ordem moral autoritária escondem, tanto na Polônia quanto na Ucrânia, Lituânia e outros países do Leste Europeu [4], uma espécie de nostalgia dos tempos anteriores à guerra, quando o racismo se apresentava ostensivamente. Tomados pelo revisionismo ambiente, alguns não hesitam em glorificar a colaboração com o III Reich hitlerista contra a União Soviética, hoje oficialmente execrada.

É com esse espírito, e considerando, como muitos dos meios de comunicação, que a Rússia de Vladimir Putin não passa do prolongamento disfarçado da antiga URSS, que Varsóvia declarou-se favorável à instalação, em seu território, do escudo anti-mísseis [5], ao concebido pelo Pentágono para proteger os EUA. Sequer dignou-se a consultar seus parceiros da União Européia, nem mesmo os da OTAN. Isso mostra que em política, a paranóia pode levar não apenas à atrofia espiritual mas também a uma certa forma de traição.

Tradução: Betty Almeida betty_blue_@hotmail.com



[1] Segundo o dicionário Houaiss, Lustração: qualquer ritual de lavagem, comum em várias religiões, com finalidade de purificação ou iniciação; sacrifício; batismo (N.T.).

[2] El País, Madrid, 20 de março de 2007.

[3] Le Figaro, Paris, 17 de fevereiro de 2007.

[4] Uma lei de lustração promulgada em 1995, na República Checa, vem sendo prorrogada há dez anos e só em junho do ano passado levou à emissão de mais de cem certificados negativos. Na Romênia, nenhuma lei de lustração passou porque os antigos comunistas estão no poder (N.T.).

[5] O chamado "escudo anti-mísseis" é um sistema que permitirá aos EUA, em teoria, abater qualquer míssil inimigo e os transformará novamente, portanto, em potência nuclear única. Os críticos ao projeto lembram que ele levará a uma nova corrida bélica, já que as demais potências nucleares não assistirão ao movimento norte-americano de braços cruzados (Nota da edição brasileira)


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Anti-Semitismo
» Polônia
» Leste Europeu
» Anticomunismo
» Diversidade Sexual e luta contra Homofobia

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos