Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Despotismo algorítmico, outra faceta da exploração

» Por que a pandemia afasta mulheres da ciência

» 31 de julho de 2020

» E se Brecht fosse Negro?

» Os conluios da Volks, do nazismo a Bolsonaro

» Literatura dos Arrabaldes: A poesia periférica na era Lula

» Tributar os super-ricos para reconstruir o país

» 30 de julho de 2020

» Não! A volta ao normal, não!

» As brumas do passado e o futuro da educação

Rede Social


Edição francesa


» « The Economist », le journal le plus influent du monde

» L'avènement du tourisme de masse... Près de chez soi

» Babel jeune et innocente

» Des usages de Bach

» Rendez-vous avec Frantz Fanon

» Dans la jungle de Bornéo, des visiteurs en quête d'authenticité

» « Il nous faut tenir et dominer Athènes »

» Égalité, identités et justice sociale

» D'autres pistes pour la santé publique

» En Chine, la vie selon Apple


Edição em inglês


» Hagia Sophia in Turkey's culture wars

» Pilgrimage routes

» Bolivia's shrinking glaciers

» It's the healthcare system, stupid

» The Twenty Years' war

» Government by the worst

» The eternal Johann Sebastian

» Wake up! I have things to say!

» Newspapers without borders

» Grounded by coronavirus


Edição portuguesa


» Offshores: paraíso para alguns, inferno para todos

» Edição de Julho de 2020

» Metáforas bélicas

» Alguém disse «sistémico»?

» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago

» «O desastre actual é a total ausência de espírito crítico»

» Edição de Junho de 2020

» A fractura social


A “Iniciativa Mérida”

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Luis Hernández Navarro - (12/12/2007)

Apresentada como “um novo paradigma de cooperação em matéria de segurança”, a Iniciativa Mérida responde aos esquemas estabelecidos no âmbito do Plano Antinarcóticos da Fronteira Sudoeste, o Comando Norte e a Aspan. O pacote destinará aproximadamente 1,4 milhão de dólares durante três anos. A porcentagem é dez vezes maior do que a média de auxílio norte-americano na questão durante os últimos anos. Até o momento, o México se encontrava entre os quinze países do mundo que recebem mais ajuda militar e policial americana, e em quarto lugar no hemisfério, atrás de Colômbia, Peru e Bolívia. Contudo, se aprovado pelo Congresso dos Estados Unidos, se converterá no maior programa de cooperação antidrogas do hemisfério depois do Plano Colômbia.

A iniciativa contempla o estabelecimento de programas de capacitação de forças antidrogas no México; o fortalecimento de determinados aspectos do sistema judicial e uma melhoria das telecomunicações; o uso de tecnologias avançadas, como a monitoração do espaço aéreo e das vias marítimas. “Estratégia antinarcóticos e antiterrorismo” absorverá 306 milhões de dólares; “Segurança pública”, 56 milhões; “Construção de instituições e Estado de direito”, 100 milhões. O governo mexicano receberá dez aviões e veículos blindados.

O plano poderia incluir a participação de subcontratantes militares privados americanos para a capacitação de efetivos mexicanos no uso de novas tecnologias [1]. Funcionários de ambos os países reiteraram que não contemplam a possibilidade de que tropas ou agentes norte-americanos realizem operações no México. Contudo, a DEA, o FBI e outras agências já estão presentes no país.

Em uma reunião com o Diálogo Interamericano, Stephen Johnson, subsecretário do Departamento de Defesa, vinculou o acordo, em termos estratégicos, à ameaça que os Estados Unidos e alguns aliados atribuem à Venezuela de Hugo Chávez e aos governos de Equador, Bolívia ou Nicarágua [2].

Ao colocar o combate contra as drogas e a delinqüência em território mexicano como uma das “necessidades críticas” da segurança nacional norte-americana, o Plano México abre as portas para que atuem impunemente e sem controle os agentes de seu vizinho do norte. Os Estados Unidos, convém não esquecer, têm utilizado mecanismos de cooperação bilateral pra realizar ações de espionagem, operações clandestinas na vida política e chantagens diplomáticas em inúmeros países e ocasiões.

O plano busca submeter o exército mexicano aos ditames do Pentágono. Até agora, as forças armadas mexicanas mantêm uma doutrina militar própria, permeada de nacionalismo.

A iniciativa significa para o México o compromisso de perseguir imigrantes da América Central e do Sul e, muito provavelmente, hostilizar os próprios cidadãos mexicanos que tentarem cruzar a fronteira sem passaporte.

É significativo que o plano abarque, sem distinção, o narcotráfico, a imigração ilegal e o “terrorismo”, de modo a abrir as portas para que, sob o pretexto da luta contra a insegurança, vejam-se restringidos os direitos humanos e criminalizados os protestos sociais.

O acordo foi negociado à margem do Congresso e da opinião pública mexicanos. E apresentado como um fato consumado.

Falta ainda que se discuta o assunto no Congresso dos Estados Unidos. O debate pode emperrar aí, precisamente porque a iniciativa foi apresentada no âmbito de uma proposta bélica de alcance mais amplo e nas proximidades da troca de inquilino na Casa Branca. Enquanto isso, uma de suas conseqüências foi o ressurgimento de uma atitude antiamericana em não poucos mexicanos.



[1] Dallas Morning News, 1º de outubro de 2007.

[2] El País, Editoria Internacional, México D.F., 21 de outubro de 2007.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Estados Unidos
» México
» Criminalidade e Máfias
» Movimentos Migratórios
» Narcotráfico
» Política de Segurança e Repressão
» Drogas Não-Legalizadas

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos