Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Vieille régulation sociale et nouveau discours alarmiste

» Paix organisée dans les « kampungs »

» La foire aux libertés

» L'Italie, démocratie « de type spécial »

» La trajectoire originale du parti socialiste français

» Les médias et le changement

» Habits neufs et fausses pudeurs de l'extrême droite

» En Italie, le défi de la « question méridionale »

» Changements d'échelle, tranquillité perdue

» Les scientifiques, responsables et inquiets


Edição em inglês


» May: the longer view

» Saudi Arabia's diplomatic volte-face

» Global trade in plastic waste

» Gas pipelines and LNG carriers

» Rise and rise of the Israeli right

» Decline of Israel's Zionist left

» Knight who shed his shining armour

» How to sabotage a pipeline

» No more plastics in Southeast Asia paradise

» Whiteout for the skiing industry?


Edição portuguesa


» Em Gaza, um povo enjaulado

» Al Qods, cimento do mundo árabe

» Edição de Maio de 2021

» O Estado, o temporário e o permanente

» Disse mesmo unidade?

» "Catarina e a beleza de matar fascistas": o teatro a pensar a política

» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer


Google, Yahoo e Microsoft : um oligopólio

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Hervé Le Crosnier - (24/03/2008)

Pesquisa on-line O mercado de pesquisa on-line varia muito de país para país. Na França, o Google amealhou 87% do conjunto das buscas feitas pelos internautas em 2007. Nos Estados Unidos, sua fatia de mercado chega aos 62%, enquanto no Japão o Yahoo é o líder. Na China, quem domina é a ferramenta de pesquisa local Baidu. Caso se concretize, um grupo resultante da fusão entre Yahoo e Microsoft Live Search representaria cerca de 32% das buscas feitas nos Estados Unidos, ou seja, metade da fatia do Google.

Publicidade Nos Estados Unidos, principal mercado de publicidade on-line dos sites de busca, o Google captaria aproximadamente 24% da receita publicitária da Internet, contra 12% do Yahoo e um pouco menos da Microsoft. Os dados variam em função dos modelos publicitários: pagamento por clique de acesso, no caso da micro-publicidade, ou por número de banners vistos, no caso dos anúncios tradicionais.

Número de acessos Nos Estados Unidos, as três empresas se equiparam: em dezembro de 2007, Yahoo tinha 136,6 milhões de acessos, Google 132,9 milhões Microsoft 120 milhões. O trio era seguido de perto pela AOL (119,5 milhões) e pela Fox (81,8 milhões, ligados principalmente ao uso do MySpace. Em termos de quantidade de acessos, o Google está na frente, com 588 milhões de acessos, seguida pelos sites da Microsoft (540 milhões) e do Yahoo (485 milhões).

A empresa derivada da fusão Yahoo-Microsoft seria majoritária em número de acessos demonstrando a superioridade da dupla no que diz respeito a e-mail e mensagens instantâneas via Messenger, mas continuaria atrás do Google no que diz respeito a traduzir essa superioridade em ganhos com publicidade.

Fontes: Comscore media metrix; Stratégies, 7 de fevereiro de 2008 ; Antone Gonsalves, “ Google’s Share Of U.S. On-line Ad Market Dips ”, www.informationweek.com, 13 de fevereiro de 2008 ; “ Google écrase toujours le marché de la recherche en France ”, www.zdnet.fr, 7 février 2008.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos