Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Economia: o fantasma da crise externa

» Aos pobres, a xepa

» Por que o Brasil precisa de um Estado gastador

» A empregada de Guedes e a cozinheira de Lênin

» Esquerda e governo: ideias e lições históricas (2)

» Evo: Como reconstruir o Socialismo Comunitário

» Educação Pública: E se Bolsonaro destruir o Fundeb?

» Cinema: quando o vazio é combustível à vida

» Boaventura: o desenvelhecimento do mundo

» Coronavírus: por que a ameaça persiste

Rede Social


Edição francesa


» Apolitisme très politique des journaux municipaux

» La force molle de la social-démocratie

» L'enfance, une espèce en danger ?

» Progrès technologique et régression sociale

» La recolonisation du plus pauvre pays de l'hémisphère occidental

» Taïwan, ou l'indépendance dans le brouillard

» Sur les causes de la pauvreté des nations et des hommes dans le monde contemporain

» La criminalité en « col blanc », ou la continuation des affaires…

» Les manœuvres à l'intérieur du parti de M. McGovern diminuent les chances d'un candidat démocrate

» Un réseau élargi et solidaire


Edição em inglês


» US ideologues in the ascendant?

» US ideologues in the ascendant?

» Rojava, a fragmented territory

» Australia's angriest summer

» February: the longer view

» African national parks managed by African Parks

» Genetic medicine makes the world less fair

» From apartheid to philanthropy

» Who is the land for?

» Belarus, the industrious state


Edição portuguesa


» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»


LITERATURA

A leitura como exercício da individualidade

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Um dos momentos em que mais se pode reconhecer, reconquistar e exercer a individualidade é durante uma lenta leitura. A mim, a literatura vale muito mais, ou melhor, tem seu real valor quando a atenção despretensiosa mas inevitável é o que move a leitura

Renata Miloni - (16/05/2008)

Em novembro de 2007, o jornal Rascunho publicou um texto de Carlos Eduardo de Magalhães sobre o crítico literário. Apesar de ser um artigo opinativo, o autor registrou diversas teorias que, na sua opinião, descrevem de maneira exata o verdadeiro crítico.

Devo dizer que não me lembro de algum trecho com o qual eu tenha concordado. Magalhães separou com incalculável frieza o crítico de sua função principal: a de ler. Nos limites de minha ingenuidade, não consegui conceber, em instantes iniciais, uma razão para essa separação, direcionando o crítico a todos os (e aqui vai uma pitada de exagero) poderes da literatura — exceto o de ler. Com faixa etária estipulada e estratégias de guerra minuciosamente formuladas, o autor construiu o exterminador da crítica literária: aquele que determina, com inteligência e conhecimento únicos, o certo e o errado da arte em questão.

Por mais que isso cause um imenso estranhamento, o que realmente me preocupa é essa distância colocada entre o crítico e a leitura. Talvez por caminhar em zonas de combate, a leitura em sua forma original (e aqui vai um punhado nostalgia do mundo) beira a extinção. Claro, subtraindo o que as estatísticas nos mostram, me refiro à parcela leitora da população (não necessariamente somente a brasileira).

Ricardo Piglia, em uma entrevista, deu extrema importância à lentidão atenciosa que a leitura de um livro merece, a lentidão do deciframento:

Es necesario preservar esa lentitud. Hay que escapar del vértigo de la actualidad, llegar tarde a la moda, leer los libros cuando no son novedades...

Em seu texto, Carlos Eduardo de Magalhães insinua, a meu ver, que a função do crítico é identificar as influências literárias do autor de um livro. Mas para tal não é preciso, obviamente, ler? E como ser capaz de tão precisas identificações um leitor cuja prioridade é um maior número de leituras? Talvez por isso a idade seja tão importante para Magalhães. Mas (e a pergunta é simples) será que dá tempo?

Talvez os críticos sejam aqueles que mais precisam dessa lentidão da qual tão bem fala Piglia e, ainda assim, eles mesmos às vezes não conseguem evitar e se deixam levar pela tentação de acompanhar a pressa dos leitores contemporâneos. A pressa da moda. Hay que llegar tarde. Parece simples, e até bobo, mas como é possível "reconhecer fontes" em qualquer texto se a leitura foi acelerada para que o "repertório" do qual fala Magalhães aumentasse? Crítico bom é crítico obstruído?

Na opinião de Enrique Vila-Matas, uma obra fala por si mesma. Ao prestar mais atenção ao que disse o escritor espanhol, percebo a diferença entre ter o "repertório" e fazer dele sua literatura sem que deixe tomar sua própria literatura — o que Vila-Matas faz —, e conhecer tanto (não, nem sempre o saber importa) para apenas servir de "prova de fontes" — o que Magalhães parece achar certo um crítico fazer.

Na verdade, cada leitor é, quando lê, o leitor de si mesmo. A obra do autor não passa de uma espécie de instrumento óptico que ele oferece ao leitor para permitir-lhe que consiga discernir o que, sem tal obra, provavelmente não teria visto dentro de si. (Proust em O tempo redescoberto)

Um dos momentos em que mais se pode reconhecer, reconquistar (porque anda perdida) e exercer a individualidade é durante uma lenta leitura. A mim, a literatura vale muito mais, ou melhor, tem seu real valor quando a atenção despretensiosa mas inevitável — e honesta, sem dúvida — é o que move a leitura.

Mas será que ela pode resgatar o indivíduo do abismo para o qual a pressa de estar em primeiro, acima, o empurra? Esse resgate é possível se o leitor perceber que uma grande obra, como disse Vila-Matas e com o que concordo plenamente, fala por si mesma? Se perceber que o livro é também — por que não? — um indivíduo e, portanto, deve ser lido por ele mesmo e não para encontrar resquícios, apesar de a literatura ser feita desse abrigo? Poderá o crítico de Magalhães se considerar um indivíduo ao ler? Hay que llegar tarde.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Literatura
» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos