Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 27 de maio de 2022

» Corbyn: Um apelo à ação carregada de utopia

» Dowbor: Em busca de saídas ao inferno da precarização

» Como socorrer o Brasil que tem fome

» Guerra: a questão do critério e a confusão da esquerda

» 26 de maio de 2022

» Colômbia: como esquerda reavivou esperanças

» Getninjas: o perverso leilão digital de trabalho humano

» Cinema: Em Tantas almas, a contracorrente da guerra suja

» 25 de maio de 2022

Rede Social


Edição francesa


» Évolution des budgets militaires des pays membres de l'OTAN

» Comment ça marche ? Les structures de fonctionnement de l'OTAN

» L'avancée vers l'est

» Ventes d'armes des États-Unis à leurs partenaires

» Opérations militaires de l'OTAN

» Mario Vargas Llosa, Victor Hugo et « Les Misérables »

» Des médias en tenue camouflée

» Jénine, enquête sur un crime de guerre

» Le monde arabe en ébullition

» Au Proche-Orient, les partis pris de la Maison Blanche


Edição em inglês


» France's new vocation

» Lawfare in the Mediterranean

» Lebanon: ‘Preserving the past in hope of building the future'

» May: the longer view

» Fragmented territories

» A clash of memories

» Alsace's toxic time bomb

» The poisonous problem of France's nuclear waste

» Can Medellín change its image?

» Venezuela: a ‘country without a state'


Edição portuguesa


» Na morte de MÁRIO MESQUITA (1950-2022)

» Rumos do jornalismo na era da hipérbole

» Transparência e opacidade no jornalismo português

» Morrer em Jenin

» Recortes de Imprensa

» Será a caneta mais poderosa do que a espada?

» A Hipótese Cinema

» Um projecto ecofeminista em Aveiro

» David Bowie em leilão

» Como Pequim absorveu Hong Kong


POLÍTICA EUROPÉIA

Quando os lobbies legislam

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Bruxelas transformou-se na “terra prometida” de grupos de pressão de todo tipo. Diante dos 26 mil funcionários da Comissão Européia e 785 deputados do Parlamento Europeu, calcula-se que haja em torno de 15 mil pessoas trabalhando exclusivamente nos lobbies

Bernard Cassen - (15/09/2008)

Poucos europeus sabem que a maioria das leis que regem sua vida não nasce nos Estados, mas é elaborada e determinada em conjunto pelos 27 países-membros da União Européia (UE). De suas instâncias comuns podem sair regulamentos e decisões, diretamente aplicados em cada nação, ou diretivas, que indicam objetivos a longo prazo e precisam ser adaptas às leis nacionais pelos parlamentos locais.

A quase totalidade dos textos aprovados tem como propósito unificar cada vez mais um mercado interno de bens e serviços de cerca de 500 milhões de consumidores. Por isso, seu conteúdo adquire uma importância considerável para empresas de todo o mundo. Ao não terem mais de se preocupar com as legislações nacionais, elas obtêm uma enorme economia de escala, não somente na comercialização de seus produtos mas também nos gastos com propaganda e influência – ou seja, lobby. Desse modo,

Bruxelas, sede da Comissão Européia e das reuniões do Parlamento Europeu, transformou-se na “terra prometida” de grupos de pressão de todo tipo.

Diante dos 26 mil funcionários da Comissão Européia e 785 deputados do Parlamento Europeu, calcula-se que haja em torno de 15 mil pessoas trabalhando exclusivamente nos lobbies, tanto para pressionar a elaboração de textos legislativos que favoreçam seus interesses como para pedir a implantação de novos projetos de lei e de regulamentos ainda mais benéficos aos seus negócios. Essa “co-produção” legislativa não constitui nenhum segredo: foi assumida abertamente há muito tempo. Prova disso é uma afirmação feita há mais de oito anos por romano Prodi, então presidente da Comissão, que já constatava que “não apenas as instituições européias dirigem a Europa, mas também o fazem as autoridades nacionais, regionais e locais, assim como a sociedade civil” [1]. Os lobbies atuam, sobretudo, em Bruxelas, e a composição dessa suposta “sociedade civil” é inquietante: 70% representa interesses industriais, cerca de 20% representa cidades, regiões, comunidades autônomas e organizações internacionais, e somente 10% representa os sindicatos e as associações de cidadãos.

Em vez de pensar em função do interesse geral europeu, a Comissão da UE, que detém o monopólio da iniciativa legislativa, arbitra sobre os problemas e demandas coletivas de forma totalmente enviesada. Isso se torna ainda mais grave quando sabemos que somente o Conselho Europeu da Indústria Química (Cefic) dispõe de cerca de 150 ativistas fazendo lobby, um número muito superior ao de todas as organizações de defesa do meio ambiente somadas. Também é notório e preocupante que, além do Cefic, as duas associações mais influentes em Bruxelas sejam a Mesa redonda de Industriais Europeus e a Câmara de Comércio dos Estados Unidos na União Européia, cavalo de Tróia das empresas norte-americanas.

Para dar uma aparência de legitimidade a esse movimento pró-business das políticas européias, o estoniano Siim Kallas, vice-presidente de assuntos administrativos, auditoria e antifraude da Comissão Européia, pôs recentemente em funcionamento um registro na internet por meio do qual os grupos de lobby podem se inscrever e apresentar seu trabalho para a sociedade. Mas não são obrigados a fazê-lo e nem sequer devem publicar o nome de seus colaboradores ou seus orçamentos. Como se vê, a tão alardeada “transparência” tem limites claros.



[1] Discurso perante o Parlamento Europeu, Estrasburgo, 15 de fevereiro de 2000.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos