Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» O vírus transparente e os unicórnios invisíveis

» Artimanhas do mercado para socializar prejuízos

» CARF: um tribunal paralelo a serviço dos sonegadores

» Bolsonarismo, manipulação e perversidade

» Pandemia expõe a Era dos Empregos de Merda

» Governo estrangula (ainda mais) Ciência brasileira

» Coronavírus e os limites morais do capitalismo

» Capital, pandemia e os papéis do feminismo

» Na pandemia, fermenta o Comum

» Literatura periférica, borbulhante e singular

Rede Social


Edição francesa


» L'Afrique tente de retenir ses médecins

» Du Monténégro au Kosovo, la Serbie défiée

» De l'utopie scientifique au péril sanitaire

» Controverses en Inde autour de l'histoire coloniale

» Le culte d'Internet

» Hobsbawm (1917-2012), un itinéraire dans le siècle

» L'Afrique, cobaye de Big Pharma

» Dépeçage des libertés publiques

» Punir le viol

» Stefan Zweig ou l'horreur de la politique


Edição em inglês


» April: the longer view

» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


LITERATURA

Palavra 45

Imprimir
enviar por email
Compartilhe
Machado, seus relicários e raisonnés
Os contos de Machado de Assis carecem não apenas de edições adequadas, mas também e principalmente de estudos condizentes com sua relevância literária, que inclusive forneçam uma visão completa do conjunto
Aqui

Viagem a Havana
Impossível deixar de admirar, linha após linha, página após página, o trabalho do artesão tapeceiro, que dedicado a cada detalhe não perde de vista o todo da composição e deita cada ponto no exato e único lugar em que precisa estar
Aqui

Grito provinciano – eco universal
O mundo das Adriennes não mudou tanto assim. É gente que você sabe que nunca escapará a uma sina de pequenez, sovinice, tristeza, exílio, desespero. Porque essa sina é tudo que tem, é sua explicação, seu nexo ontológico
Aqui

Do inútil (ao fútil)
O fútil, porque está tão aquém de nossa melhor dedicação, deixa entrever a existência de algo que é seu oposto absoluto
Aqui

Rodrigo Gurgel - (08/11/2008)

Forçados às férias, retornamos para insistir com a literatura, aguardando as mudanças que darão a esta página uma navegabilidade mais espontânea, mais prazerosa.

Mauro Rosso abre esta edição com o ensaio, de certa forma biográfico, em que relata o tortuoso percurso não só de seu amor por Machado de Assis, mas principalmente da pesquisa que o levou a reencontrar o desaparecido conto “Um para o outro”, recentemente publicado no livro que é, com certeza, um dos melhores lançamentos da safra dedicada ao Bruxo do Cosme Velho: Contos de Machado de Assis, relicários e raisonnés. Mas o relato de Rosso é também uma introdução à obra machadiana, um convite a penetrar nesse universo que opera “a transmutação do narrador e da voz narrativa” – o testemunho de um pesquisador que busca “sempre fazer da diferenciação o elemento norteador” de seus projetos.

Romilda Raeder analisa o romance Chuva sobre Havana, de Julio Travieso Serrano. Seguindo os passos de um narrador malcomportado, ela descobre uma voz que “escreve com tremenda eficiência sobre o acontecido” e “sobre o não dito”. Na opinião de Romilda Raeder, Serrano “não só subverte a linearidade do tempo narrativo, como joga com esse tempo em mais de uma voz”.

O escritor Chico Lopes fala de Adrienne Mesurat, de Julien Green. Na verdade, mais que comentar sobre o romance, Chico Lopes recupera a obra para o nosso tempo, elaborando, pari passu, uma análise do mercado editorial e da literatura contemporânea, concluindo, tristemente: “Não se admira mais, nem se estimula pelo aval do sucesso material, o escritor que tem coragem de se arriscar em zonas humanas onde a solidão e a incomunicabilidade podem ser irremediáveis”.

Em sua crônica, Diego Viana estabelece um paralelo entre o fútil e o inútil. Que diferenças, muitas vezes nem um pouco sutis, separam essas duas esferas da existência humana? Para Viana, “face a face com o útil, o fútil se despedaça e leva consigo o encanto do inútil”.

Boa leitura – e até a próxima semana.

Rodrigo Gurgel, editor de Palavra



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos