Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Biopolítica de uma catástrofe anunciada

» Vulnerabilidade, essência da Educação pós-capitalista

» Na metrópole infectada, uma normalidade melancólica

» O vírus transparente e os unicórnios invisíveis

» Artimanhas do mercado para socializar prejuízos

» CARF: um tribunal paralelo a serviço dos sonegadores

» Bolsonarismo, manipulação e perversidade

» Pandemia expõe a Era dos Empregos de Merda

» Governo estrangula (ainda mais) Ciência brasileira

» Coronavírus e os limites morais do capitalismo

Rede Social


Edição francesa


» Qui veut en finir avec le modèle de la BBC ?

» Médicaments du Nord testés sur les pauvres du Sud

» L'Afrique tente de retenir ses médecins

» Du Monténégro au Kosovo, la Serbie défiée

» De l'utopie scientifique au péril sanitaire

» Controverses en Inde autour de l'histoire coloniale

» Le culte d'Internet

» Hobsbawm (1917-2012), un itinéraire dans le siècle

» L'Afrique, cobaye de Big Pharma

» Dépeçage des libertés publiques


Edição em inglês


» What does Covid-19 mean for people displaced by climate change?

» April: the longer view

» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro


Edição portuguesa


» Edição de Abril de 2020

» O tempo é agora

» Achatar as desigualdades

» O olhar dos artistas

» Assine por 3 meses (€10) ou 6 meses (€18)

» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…


LITERATURA

Palavra 49

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

A valsa das borboletas
As narrativas de José Cardoso Pires e Jean-Dominique Bauby funcionam de modo a resgatar a dignidade do homem diante de situações que teriam tudo para reduzi-lo à condição de simples joguete do destino, de “ser” impotente diante de uma condição que lhe escapa à compreensão
Aqui

Mais poemas de Pound
No quinto número de nossa seção Vice-Verse, coordenada pela jornalista e tradutora Marina Della Valle e dedicada a traduções de poesia e prosa em língua inglesa, apresentamos novos poemas de Ezra Pound, traduzidos do livro "Lustra"
Aqui

Os mal-entendidos da escrita
No fundo, “Flores azuis” é a jornada de Marcos em busca da compreensão de si mesmo. As cartas misteriosas são uma espécie de catalisador para a sua transformação pessoal
Aqui

Scherzo com física e moleskine
Os objetos da física, os monumentos do quotidiano, os sabores, cores e temperaturas são aquilo que deles sentimos e vemos, imagens de um qualquer coisa bruto que está lá fora e que só aceitamos como mais real do que os sonhos porque temos a consciência e a convicção de estarmos despertos
Aqui

Rodrigo Gurgel - (05/12/2008)

Luís Fernando Prado Telles analisa De profundis, valsa lenta, do escritor português José Cardoso Pires, e O escafandro e a borboleta, do jornalista francês Jean-Dominique Bauby, obras que enfocam o limbo da doença, essa impertinente manifestação dos nossos limites, lembrança incômoda – e às vezes destrutiva – do quanto estamos acorrentados à natureza. Como afirma Alexandre Dumas, citado por Prado Telles, poucos de nós não se transformarão em “um cadáver de olhar vivo”. Mas qual a linguagem escolhida por escritores para falar das próprias doenças? E, diante desses dois livros tão antagônicos, ainda que unidos pelo mesmo tema, a linguagem não se tornaria definitivamente aquilo que suspeitamos: apenas uma sombra, apenas um sintoma?

Dirceu Villa apresenta – na coluna Vice-Verse 5 – novos poemas de Ezra Pound, traduzidos do livro Lustra. Em seus comentários, Villa contextualiza não apenas os poemas, mas as próprias escolhas estéticas de Pound, compondo um texto que, unido ao apresentado na Vice-Verse 4, forma uma elucidativa introdução ao universo poundiano.

Flores azuis, de Carola Saavedra, é analisado por Alysson Oliveira, para quem a autora apresenta uma característica, dentre outras, extremamente elogiável: nada de “malabarismos lingüísticos ou pirotecnias narrativas”. Algo a se comemorar, sem dúvida, nesta época em que a maioria dos ficcionistas sofre de uma estranha psicose: acreditar-se James Joyce.

Sob a aparência ligeira da crônica, Diego Vianna lança os prolegômenos de sua epistemologia – na qual a maçã de Newton e um moleskine são os pratos da balança que oscila entre o sonho e a realidade.

Boa leitura – e até a próxima semana.

Rodrigo Gurgel, editor de Palavra



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos