Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 18 de janeiro de 2022

» A crise energética, a Europa e a reviravolta russa

» A economia e a reversão da contrarreforma trabalhista

» Cazaquistão: revolta, oligarquias e geopolítica

» A Petrobrás e os caminhos para reconstruir o Brasil

» 17 de janeiro de 2022

» Bilionários: o que os gera, como suprimi-los

» O apartheid vacinal e a hora de António Guterres

» Qual Educação e Ciência podem reconstruir o Brasil?

» Pochmann: Retrato da regressão brasileira

Rede Social


Edição francesa


» Au lycée, vigilance ou paranoïa

» TF1 ou la parabole de Frankenstein

» Víctor Erice et Abbas Kiarostami, deux cinéastes en correspondance

» Le toxicomane domestiqué

» Les fous du roi

» De la soumission dans les têtes

» Fidèle au poste

» L'Italie écartelée

» Affaire Moro : l'antique tragédie du pouvoir

» Kazakhstan, l'or noir et la colère


Edição em inglês


» January: the longer view

» United States: the black hole of Guantanamo

» Transnistria: a pro-Russian enclave in Europe

» The Chinese take to the slopes

» Japanese women find their voice

» The open-source world is more and more closed

» Transnistria, relic of a frozen conflict

» The Algeria-Morocco standoff

» Chile's victorious ‘new left' brings hope, but it's all to play for

» Europe's secretive system to keep out migrants


Edição portuguesa


» A orquestra do caos

» Recortes de Imprensa

» Será a caneta mais poderosa do que a espada?

» A pilhagem da comunidade do software livre

» Braço-de-ferro entre Marrocos e a Argélia

» Transnístria: o vestígio de um conflito congelado

» As japonesas já não querem ficar caladas

» O regresso da chantagem da dívida

» Homenagem do vício à virtude

» Impor uma visão do mundo


Denis Paillard

Pesquisador do centro nacional de pesquisa científica


Seus artigos nesse site:

Chechênia ganha o palco e deixa dúvidas no ar

A ação de um comando checheno, que fez todos os espectadores de um teatro em Moscou de reféns, resultou na morte de 169 pessoas, voltando a chamar a atenção do mundo para uma guerra “esquecida”. Ficaram, porém, várias perguntas sem resposta

1º de dezembro de 2002

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» A “América profunda” está de volta
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Finanças: sem luz no fim do túnel
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» O planeta reage aos desertos verdes
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos