Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 18 de janeiro de 2022

» A crise energética, a Europa e a reviravolta russa

» A economia e a reversão da contrarreforma trabalhista

» Cazaquistão: revolta, oligarquias e geopolítica

» A Petrobrás e os caminhos para reconstruir o Brasil

» 17 de janeiro de 2022

» Bilionários: o que os gera, como suprimi-los

» O apartheid vacinal e a hora de António Guterres

» Qual Educação e Ciência podem reconstruir o Brasil?

» Pochmann: Retrato da regressão brasileira

Rede Social


Edição francesa


» Au lycée, vigilance ou paranoïa

» TF1 ou la parabole de Frankenstein

» Víctor Erice et Abbas Kiarostami, deux cinéastes en correspondance

» Le toxicomane domestiqué

» Les fous du roi

» De la soumission dans les têtes

» Fidèle au poste

» L'Italie écartelée

» Affaire Moro : l'antique tragédie du pouvoir

» Kazakhstan, l'or noir et la colère


Edição em inglês


» January: the longer view

» United States: the black hole of Guantanamo

» Transnistria: a pro-Russian enclave in Europe

» The Chinese take to the slopes

» Japanese women find their voice

» The open-source world is more and more closed

» Transnistria, relic of a frozen conflict

» The Algeria-Morocco standoff

» Chile's victorious ‘new left' brings hope, but it's all to play for

» Europe's secretive system to keep out migrants


Edição portuguesa


» A orquestra do caos

» Recortes de Imprensa

» Será a caneta mais poderosa do que a espada?

» A pilhagem da comunidade do software livre

» Braço-de-ferro entre Marrocos e a Argélia

» Transnístria: o vestígio de um conflito congelado

» As japonesas já não querem ficar caladas

» O regresso da chantagem da dívida

» Homenagem do vício à virtude

» Impor uma visão do mundo


Olivier Zajec

Consultor da Companhia Européia de Inteligência Estratégica, Paris.


Seus artigos nesse site:

A China quer os mares

Cada vez mais influente no plano econômico, Beijing age para estender sua força também no terreno militar. Um plano estratégico cuidadosamente executado visa expandir seu poderio naval. Obstáculos: as ambições do Japão e da Índia e, numa segunda etapa, a temível 7ª Frota dos EUA

15 de setembro de 2008

Estados Unidos, território sagrado?

Decidida a construir um “escudo anti-mísseis” que poderia tornar o país potência nuclear única, a Casa Branca volta a agitar o cenário internacional. Mas a proposta é antiga, de eficácia duvidosa, e pode estar baseada numa visão messiânica sobre o papel dos EUA no mundo

27 de julho de 2007

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» A “América profunda” está de volta
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Finanças: sem luz no fim do túnel
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» O planeta reage aos desertos verdes
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos