Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Une ambiguïté fondamentale

» Le langage de la violence

» Quand la foi devient un enjeu politique

» Poids démographique des grandes religions

» Aux origines du soutien soviétique à Israël

» En Inde, les tribus courtisées par les nationalistes

» Le Bénin carbure à la contrebande

» Fulgurance de Tadeusz Kantor

» Les filles marginalisées

» Impérative transition vers une société du temps libéré


Edição em inglês


» The digital economy

» June: the longer view

» ‘Intelligence sources say'

» Belgium's role in Rwandan genocide

» Calabria's anti-mafia trial

» China consumes Gambia's waters

» Is an Asian NATO imminent?

» Istanbul, home to the new Arab world

» Colombia's growing repression

» India's second wave


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2021

» O jornalismo no novo negócio dos "media"

» Um povo de pé

» Na morte de Carlos Santos Pereira (1950-2021)

» Documentar o drama balcânico

» Recensão a "A Grande Guerra pela Civilização" (Robert Fisk)

» As feridas abertas da Guerra Civil

» Do bom uso do terror

» Srebrenica: a tragédia e a farsa

» NATO imune ao urânio empobrecido


Comentários sobre esse texto:

Juventude, estupro e AIDS

Não penso dessa maneira, vejo mais como apécto cultural, pois a informação nos leva a concientização, que fomos gerados para sermos racionais!o amor, o respeito humano faz parte da alma e do espirito, desse ser tão complexo que é o homem!é só mostrar o caminho.

um pouquinho mais de interesse dos países industralizados, atenuaria em muito esse triste quadro.

o maior problema do globo não são as epidemias ou a pobreza, mais sim o individualismo das grandes nações.

Sidnei 20/08/2006.


SIDNEI
2006-08-20 18:24:05

Juventude, estupro e AIDS

Li todo seu texto. Achei muito bom.
Quando Vs. escrevem sobre a atitude dos homens em relação às mulheres, parece que está muito ligado ao fato do "macho provedor" incapaz (devido a conjuntura sócio-econômica em que seu país se encontra) fazer o papel esperado, o que leva à baixa auto-estima que Vs. citam.

Se isto ocorre, um dos fatores para as mulheres passarem a sofrer todo o tipo de violência masculina é a compensação por parte homens. Como eles não se sentem mais como os "provedores da espécie", compensam estuprando, espancando e tudo o mais para voltar a fazer o papel de "macho da espécie".

Outro fator é que qdo. um homem age assim, nenhuma mulher cobrará nada dele e assim ele evita que se lhe cobre soluções para resolver os problemas do ambiente em que está inserido.

Com isto, podemos concluir que estes agressores são pessoas com um medo muito grande do ambiente em que vivem e descarregam este medo nas mulheres e crianças, conseguindo vender a imagem de pessoas que nada temem.

Estes são apenas alguns motivos, há outros naturalmente.


Antares
2006-07-24 08:51:02

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.