Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Vieille régulation sociale et nouveau discours alarmiste

» Paix organisée dans les « kampungs »

» La foire aux libertés

» L'Italie, démocratie « de type spécial »

» La trajectoire originale du parti socialiste français

» Les médias et le changement

» Habits neufs et fausses pudeurs de l'extrême droite

» En Italie, le défi de la « question méridionale »

» Changements d'échelle, tranquillité perdue

» Les scientifiques, responsables et inquiets


Edição em inglês


» May: the longer view

» Saudi Arabia's diplomatic volte-face

» Global trade in plastic waste

» Gas pipelines and LNG carriers

» Rise and rise of the Israeli right

» Decline of Israel's Zionist left

» Knight who shed his shining armour

» How to sabotage a pipeline

» No more plastics in Southeast Asia paradise

» Whiteout for the skiing industry?


Edição portuguesa


» Al Qods, cimento do mundo árabe

» Edição de Maio de 2021

» O Estado, o temporário e o permanente

» Disse mesmo unidade?

» "Catarina e a beleza de matar fascistas": o teatro a pensar a política

» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer

» A maior mentira do fim do século XX


Comentários sobre esse texto:

Um adeus francês à África?

Acho importante que os países africanos possam buscar novos horizontes comerciais e que isso seja feito de uma maneira prudente, porém não acredito que será muito diferente ter como parceiro os EUA nessa empreitada. Não que a França ou a União Européia tenha algo melhor para África. É importante avaliar que impactos essas decisões terão para seus cidadãos que esperam há muito por dias melhores. Afinal, não precisam assistir às lamentáveis cenas de guerras cívis dos anos 1990. Porém, é bom lembrar que o Governo Clinton, bem como a ONU, também virou as costas para Ruanda quando milhões de de ruandenses foram mortos na guerra civil.


Werde
2006-06-19 03:23:47

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.