Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 25 de novembro de 2021

» O colonialismo digital e o convite à impotência

» A volta às aulas e a suposta “geração perdida”

» Cinema: Satyajit Ray, poeta da clareza e discrição

» 24 de novembro de 2021

» Dowbor: grandeza e tragédia da infraestrutura

» O colapso da COP26 e as novas lutas possíveis

» Ensaio: O bolsonarismo e as subjetividades tóxicas

» O novo bote do rentismo nas finanças públicas

» 23 de novembro de 2021

Rede Social


Edição francesa


» De la décolonisation à la troisième guerre du Vietnam

» Diaspora vietnamienne

» Vietnam, comparaisons régionales

» La libération inachevée des Afro-Américains

» L'apparition d'un nouveau type d'homme

» Une flammèche obstinée a embrasé la Guadeloupe

» Élection présidentielle américaine : des frontières, pour qui, pour quoi ?

» Bouchers roumains pour abattoirs bretons

» Drones, la mort qui vient du ciel

» Bahreïn en lutte pour la démocratie


Edição em inglês


» China is open for investment

» Colonial accountability in Niger

» In search of luxurious communism

» November: the longer view

» The carbon balance

» CO2 emissions around the world

» What's in a phone?

» If only Assange had been Navalny

» India's silent but deadly killer

» The Gulf shuts out its migrant workforce


Edição portuguesa


» Edição de Novembro de 2021

» O tecto de vidro europeu

» E a Grécia volta a ser exemplar

» Edição de Outubro de 2021

» Um império que não desarma

» Convergir para fazer que escolhas?

» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul


Comentários sobre esse texto:

Novo mosaico das resistências mexicanas

“-Pobre México. Tão perto dos EUA, tão longe de Deus!” Essa frase do então presidente Lázaro Cárdenas, em 1936, continua atual. Díficil para uma esquerda se organizar num país que por muitas décadas foi o que se pode chamar de ditadura civil, um monopartidarismo na prática. Figuras como Salinas e Fox enterraram o que restava do país - um dos mais belos do mundo em riquezas arqueológicas - e Obrador, por sua vez, é oriundo do PRI e dele não há muito o que se esperar. Não é possível nem falar em traição, nesse caso. A chave para o ressurgimento da esquerda real e combativa porque democrática, está em Chiapas, na experiência dos caracóis. Está agora também despontando em Oaxaca. Viva México, con Zapata, Villa y Marcos!!


Cumplidor
2007-05-05 00:38:48

Novo mosaico das resistências mexicanas

A luta e a resistência da gente mexicana é arrebatadora, mas a razão retém o meu entusiasmo e simpatia : dentro dos próximos anos nenhum país vizinho dos Estados Unidos chegará à esqueda. O processo sul-americano, com Chavez, Evo Morales e os que de certo modo mais os apóiam do que combatem - a exemplo do nosso Lula- foi um cochilo do capitalismo que já se refez do susto e, não sejamos ingênuos,já retomou suas providências.A modesta esquerdista, Segolene, não será eleita na França.


Inez
2007-04-30 02:00:13

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.