Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Por que murchamos os pneus de SUVs

» Retrato do esgotamento dos comerciários digitais

» Golpes no Brasil (I): Uma república febril e oligarca

» Cinema: O dom de iludir

» Maranhão: CNBB denuncia a barbárie do “agro”

» 29 de junho de 2022

» Boaventura: o encolhimento do Ocidente

» Contramemória: Modernismo em alta voltagem política

» WikiFavelas: As lutas LGBTI+ pela saúde pública

» WikiFavelas: As lutas LGBTI+ pela saúde pública

Rede Social


Edição francesa


» Le poids des pamphlets, le choc des classes

» En Russie, réprimer plus et enfermer moins

» Apprendre à nager n'est plus donné à tout le monde

» Bouillonnement de l'art contemporain africain

» Les Sri-Lankais défient le pouvoir

» Clarice Lispector, l'étoile de Rio

» Séparatismes ukrainiens

» Les mineurs, la mer et autres histoires

» Le droit à l'avortement menacé

» Occident contre Occident


Edição em inglês


» Fragmented Yemen

» Ukraine's logistical crisis

» Tensions and blackmail over Western Sahara

» Migrants still risk their lives to reach England

» Africa: agribusiness or diversity?

» Poisoning our oceans

» UN Earth Summits: how the rot set in

» In Mexico, will slow and steady win the day?

» Sri Lanka plunges into crisis

» Uncertain loyalties and competing narratives


Edição portuguesa


» Que pode o teatro face ao crescimento das extremas-direitas?

» Mapeamento de uma arte político-social: "Untitled", de Paula Rego

» Assembleia-Geral da Outro Modo

» O problema da riqueza

» «Sangrar a Rússia»

» Vulnerabilidades territoriais: o que se pode aprender com a crise pandémica?

» O paraíso da inovação militarizada

» Mineração em mar profundo: para quê destruir os fundos oceânicos?

» O lado oculto das cimeiras da Terra

» Viagem ao fim da Transamazónica


Comentários sobre esse texto:

Péssima tradução

Deixo de lado, por um momento, os comentários do artigo de Dupont, para simplesmente destacar a péssima tradução para o português do original publicado no "Le Monde diplomatique". Já o título deturpa o original: "L’Antiquité falsifié: ’Rome’, ton univers impitoyable..." ("A Antiguidade falsificada:’Rome’, teu universo impiedoso"), do original francês, transformou-se em "Roma, as ilusões da anti-História". De onde a tradutora retirou a expressão "anti-História", completamente inadequada para dar corta da idéia da "Antiquidade falsificada". A infelicidade e mesmo falsificação na tradução do título desdobra-se em outros delizes. A tradutora desconhece o vocabulário historiográfico; não sabe, por exemplo, distinguir entre a "grande histoire" e a "petite histoire". Mais cuidado na escolha dos tradutores é o que se solicita aos editores de "Le Monde diplomatique".


José Otávio Nogueira
2007-06-15 09:03:34

Roma, as ilusões da anti-História

Não senti falta das cenas de homossexualismo romano e inclusive que diferentes dos gregos, os Romanos não eram tão preocupados em ter relações homossexuais.
A série foi ótima como série de entretenimento e presta um serviço sim a História, por levar aqueles que realemnte são fãs, e gostam da História de Roma a pesquisar mais e a buscar informações mais precisas. Um filme que acabou prejudicado pela tão alardada questão de "verdade homossexual" foi o filme Alexandre, que se tornou insuportável por mostrar um Alexandre extremamente gay, ao invés de mostrar e priorizar sua faceta de líder militar.


Roberto
2007-05-07 23:50:20

Roma, as ilusões da anti-História

Um exemplo claro da fragilidade dos argumentos de madame Dupont: ela se refere ao fato de César ter sido chamado em seus dias de "mulher de todos os maridos" como prova de sua homossexualidade, para a partir daí fazer a ilação de que o "vício grego" era amplamente praticado pelos romanos... Esclarecemos: 1) A tradição militar romana era a de que, ao final das campanhas, as tropas fizessem canções obscenas que ridicularizassem seus generais vitoriosos. A lógica dessa tradição era permitir uma vazão não-violenta aos ressentimentos naturais oriundos da submissão à hierarquia militar e ao mesmo tempo dissuadir sentimentos de vaidade e onipotência nos comandantes vitoriosos. A única menção que se faz a este epíteto, i.e., "marido de todas a s esposas", aplicado a César provém exatamente de uma dessas canções, entoada por seus soldados durante seu triunfo; 2) Ora bem, sendo César tão ostensivamente homossexual, por que razão Dupont não nos aponta um nome, um único e singelo nome de um seu amante? Respondemos nós: porque não houve nunca, jamais, amante algum de Caio Julio César, que era heterossexual convicto. Aos que duvidem, que se ponham a escarafunchar os clássicos, a ver se nos apresentam alguma novidade; 3) E não somente a César repugnava sexo com homens: a homossexualidade masculina sempre foi malvista em Roma, daí ser chamada de vício grego - ví-cio: enfermidade, doença. Claro que se praticava, mas sempre à socapa, com miradas culpadas antes de se admitir a entrada do amante furtivo; 4) Informamos, por fim, à nossa tão despreparada redatora, que a calúnia dirigida à masculinidade de César gestou-se nos tempos em que, contra todas as expectativas, arrancou em tempo recorde do rei da Bitínia, um efeminado completo e assumido, uma frota necessária para o combate à pirataria no Mediterrâneo. O tribuno Bibulus, um optimates ferrenho, havia sido incumbido por Sulla dessa comissão e fracassou fragorosamente; diante do sucesso do enérgico César, adepto do partido mariano, irrogou a calúnia de que César lograra êxito por haver satisfeito à luxúria do monarca bitínio, o que evidentemente deve ser desconsiderado, assim como a totalidade do artigo de Dupont, raso, fraco, sem fundamentos. Creio que "ROMA" resume muito, arredonda muito, mas é, em essência, confiável: nem tudo foi como lá está, mas bem PODERIA ter sido.


RICARDO RAO
2007-05-01 06:22:11

Roma, as ilusões da anti-História

Parece que a autora e o comentador "cidadão brasileiro e italiano" não atentaram para o fato de que a referida série é claramente uma obra de entretenimento e pode sim se permitir a inúmeras liberdades com respeito à verdadeira história sobre Roma. Se algum espectador em sã consciência levar a sério tudo aquilo que vê na série sem questionar nada ele não estará então, na verdade, em sua sã consciência. Divirto-me com a série e com as boas interpretações e os magníficos cenários assim como também vejo filmes de faroeste e outros afins sem me preocupar com a veracidade do que alí se exibe. Quando quero informar-me sobre fatos históricos ou científicos com exatidão vou às inúmeras fontes confiáveis existentes no planeta. Quanto à paranóia da lavagem cerebral e imposição de valores ao resto do mundo, se o indivíduo deixar-se levar por uma obra descaradamente de ficção então ele provávelmente é uma eterna vítima em todas as atividades das quais participa e deverá talvez procurar um profissional adequado para aliviá-lo do mal que o aflige.


Salvador
2007-05-01 01:16:52

Roma, as ilusões da anti-História

Comento em itálico em homenagem a Florence Dupont que com propriedade explanou que esse documentário "Roma" distorce a realidade dos antigos romanos e faz ver ao mundo,que essa suposta "obra de arte" ofende a cultura mundial e aos historiadores sérios.Nas entre linhas Dupont(diz) que "documentário" é coisa importante e é igual ao jornalismo (sério) diante de fatos concretos.Fazer ficção de tema relevante e sem responsabilidade agride o mundo e nisso os norte-americanos e os britânicos -no cinema e TV-(Iraque idem) gostam demais-aqui e agora basta- de bobagens,besteirois, como p/ex- "Guerra nas Estrelas", que não vi e não gostei. Parece que esse documentário "Roma" é patogênico.Quer impor valores do império do Norte e sua atual civilização...(sic)Viva Roma-ontem,hoje e sempre real e os romanos eternos em particular. O resto é circo para "inglês ver".HBO seria-interpretando a sigla= "Habemus Bestialis Ordinariam")-Viva Fellini "ad aeternum"...e tantos outros.


"cidadao brasileiro e italiano"
2007-04-30 00:42:02

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.