Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Caetano Veloso, 80: O avesso do avesso do avesso

» 5 de agosto de 2022

» Revolução sexual, projeto feminista

» O dia em que Caio Prado aportou em Buenos Aires

» Ucrânia: as dores que o Ocidente não vê

» Por que aliar a saúde pública e às lutas ecológicas

» Em busca das origens do declínio ocidental

» 4 de agosto de 2022

» Boxe e escravidão: a história de Tom Molineaux

» Cinema: A arte brasileira sitiada num show de horrores

Rede Social


Edição francesa


» L'Europe en retard d'une guerre industrielle

» La naissance de Dracula

» Un barrage peut en cacher un autre

» Quand le bio dénature le bio

» CFDT, un syndicalisme pour l'ère Macron

» La Palestine, toujours recommencée

» Prêcher la haine au nom du Bouddha

» Petite histoire des grands moments de la science-fiction

» Au Japon, fausse audace économique, vrai nationalisme

» Quand une respectable fondation prend le relais de la CIA


Edição em inglês


» America's ageing nuclear facilities

» Julian Assange, unequal before the law

» Wuhan: the Covid diary

» The high price of becoming a student in Russia

» Why Parisians fear and loathe Saint-Denis

» Kosovo's problematic special status

» Summer in Moldova: will the party have to stop?

» Three little letters the world came to hate: IMF

» Will the FARC accords finally work under Petro?

» A tiny piece of Palestine, not quite forgotten


Edição portuguesa


» Dos lucros dos oligarcas aos vistos dos pobres

» Em defesa da água e do futuro do Algarve

» A escrita delas, África em Portugal (ou Donde sou)

» Vozes femininas e o livre imaginar

» O Comité de Salvamento Privado

» A burguesia francesa recompõe-se em Versalhes

» Que país pode ser independente?

» O fim do desencanto para os ex-guerrilheiros?

» Acarinhar Pinochet, destruir Assange

» Ardósia mágica


Comentários sobre esse texto:

O trabalho mata em silêncio

Pelo menos nos gulags de Stálin se contruía um país pro povo, nos gulags burgueses se constrói uma MegaCartago nos EUA.Cansei!


Agatocles
2007-08-17 07:09:55

O trabalho mata em silêncio

Realmente o artigo é de interesse social e deve ser mais aprofundado e sistematicamente difundido, levando-se em conta que não é so na França que parece que este trágico fenômeno vem acontecendo na pós-modernidade. A pressão do trabalhador qualquer seja a sua hierarquia, as condições de trabalho, a instabilidade, a ansiedade pelo futuro imediato, etc, sem dúvida configuram fatores influentes no suicídio tanto dos altos executivos, quanto de outro tipo de trabalhadores, inclusive intelectuais.
Parabens por colocar em evidência um problema tão grave: é uma das funções do jornalismo investigativo.


JBertha
2007-08-07 03:15:35

O trabalho mata em silêncio

O texto de Annie Thebaud Mony traduzido como "O trabalho mata em silencio" (em francês o titulo foi "Le Travail, lieu de violence et de mort") merece ampla divulgação. Pois poderá remeter nossa reflexão, ante os fatos europeus, à realidade brasileira, onde a violência no trabvalho ainda permanece bastante ocultada quanto às seus resultados em termos de suicidios e cancer.


Site: O TRABALHO MATA EM SILENCIO
EDI
2007-08-01 02:51:28

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.