Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» Pouvoirs du roman

» Guérilla contre l'avortement aux Etats-Unis

» Au-delà de la fraude électorale, le Pérou profond

» Privés de vie privée

» Tous les chemins mènent au Maghreb

» Ni dieu, ni maître, ni impôts

» La France se penche sur sa guerre d'Algérie

» Injustice française

» Accaparement des méninges

» An 01 de la gauche, on arrête tout, on réfléchit


Edição em inglês


» Fake news: A false epidemic?

» The financiers who backed Brexit

» January: the longer view

» Mutual suspicion in Greece's borderlands

» Border tensions

» Disunited States of America

» The British monarchy's smoke and mirrors

» UK Brexiteers' libertarian goal

» Time to reform the Peruvian system

» Russia's attempted return to Africa


Edição portuguesa


» Edição de Janeiro de 2021

» O presidente, a saúde e o emprego

» Quem será o próximo inimigo?

» Edição de Dezembro de 2020

» A democracia desigual e os neoliberais autoritários

» A amarga vitória democrata

» A segunda morte da Europa

» Ofereça uma assinatura de 6 meses, apenas €18

» Edição de Novembro de 2020

» A máquina infernal


Comentários sobre esse texto:

O CÉREBRO VISÍVEL DA ARISTOCRACIA FINANCEIRA MUNDIAL

É evidente que algo não mudou, entre a "guerra fria" e a "globalização neo liberal" e esse algo que não mudou, é o contexto do capital da aristocracia financeira mundial, que tutela a própria Reserva Federal dos Estados Unidos desde os anos 30 do século XX e procura fazer o mesmo com todos os outros bancos centrais das potências e dos estados emergentes da Terra.

Nesse sentido, as sucessivas administrações dos Estados Unidos, constituem um dos instrumentos desse poderoso cérebro financeiro, que é o principal estimulador dos processos da "globalização neo liberal", tirando partido da revolução tecnológica-científica em curso.


Martinho Júnior
2007-08-21 11:58:56

A mão (quase) invisível de Washington

O tempo é o maior indicador de que à atuação dos EUA no dominio da influencia em paises estrategicos comercial e militarmente , não medem esforços arquitetados por Washington de quaisquer natureza.A sociedade progressista como a americana, continua liderando e implantando liberdades controladas , fazendo com que o mundo caminhe para a humana robotização.


Site: A mão (quase) invisível de Washington
Roberto Pereira Costa
2007-08-19 01:47:58

A mão (quase) invisível de Washington

De fato,o aparente exito do pensamento unico repousa sobre os alicerces de alguns valores da propria democracia. Paradoxalmente o antidoto contra uma estrategia tao bem desenhada, passa pelo envolvimento e participacao de todos os individuos e organizacoes sociais. Ou seja, somente com uma potente dose de democracia poderemos desmascarar a forma mais obscena de fazer politica que pode ser traduzida pelo distanciamento cada vez mais presente na sociedade contemporanea.

Elias Nazareno


Elias Nazareno
2007-07-30 01:58:10

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.