Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Por que murchamos os pneus de SUVs

» Retrato do esgotamento dos comerciários digitais

» Golpes no Brasil (I): Uma república febril e oligarca

» Cinema: O dom de iludir

» Maranhão: CNBB denuncia a barbárie do “agro”

» 29 de junho de 2022

» Boaventura: o encolhimento do Ocidente

» Contramemória: Modernismo em alta voltagem política

» WikiFavelas: As lutas LGBTI+ pela saúde pública

» WikiFavelas: As lutas LGBTI+ pela saúde pública

Rede Social


Edição francesa


» Le poids des pamphlets, le choc des classes

» En Russie, réprimer plus et enfermer moins

» Apprendre à nager n'est plus donné à tout le monde

» Bouillonnement de l'art contemporain africain

» Les Sri-Lankais défient le pouvoir

» Clarice Lispector, l'étoile de Rio

» Séparatismes ukrainiens

» Les mineurs, la mer et autres histoires

» Le droit à l'avortement menacé

» Occident contre Occident


Edição em inglês


» Fragmented Yemen

» Ukraine's logistical crisis

» Tensions and blackmail over Western Sahara

» Migrants still risk their lives to reach England

» Africa: agribusiness or diversity?

» Poisoning our oceans

» UN Earth Summits: how the rot set in

» In Mexico, will slow and steady win the day?

» Sri Lanka plunges into crisis

» Uncertain loyalties and competing narratives


Edição portuguesa


» Que pode o teatro face ao crescimento das extremas-direitas?

» Mapeamento de uma arte político-social: "Untitled", de Paula Rego

» Assembleia-Geral da Outro Modo

» O problema da riqueza

» «Sangrar a Rússia»

» Vulnerabilidades territoriais: o que se pode aprender com a crise pandémica?

» O paraíso da inovação militarizada

» Mineração em mar profundo: para quê destruir os fundos oceânicos?

» O lado oculto das cimeiras da Terra

» Viagem ao fim da Transamazónica


Comentários sobre esse texto:

Imigraçao

IMIGRAÇÃO
Falta de instrução piora situação de brasileiros na Bélgica

Agência Brasil

RIO DE JANEIRO - A artista plástica brasileira Inêz Oludé da Silva não estimula sonhos românticos para os compatriotas sobre a vida dos imigrantes brasileiros na Europa. Segundo ela, os problemas de idioma e de informação são alguns dos principais desafios, para os brasileiros na Bélgica. Ela reside naquele país há 32 anos, depois de ter sido exilada no Chile e presa na Argentina, no tempo da ditadura militar. “Tem o problema da língua e do mercado de trabalho, que está fechado".

Não tem trabalho nem para os belgas”, disse a pernambucana em entrevista à Agência Brasil, no Rio de Janeiro. Ele é professora de francês no país onde acaba de pedir a nacionalidade.

Além disso, grande parte dos brasileiros que viaja para tentar a sorte no exterior ou tem pouco estudo ou é analfabeta em seu próprio idioma, o português, e não consegue aprender o francês, destacou Oludé. Por isso, os imigrantes brasileiros passam dificuldades financeiras e até fome, além de acabar apresentando problemas psicológicos graves. “Eu fico com muita pena, porque eu fui do exílio e sei como é. Mas, eu tive um bom exílio, claro, porque tinha uma cultura e história diferentes. Mas eles chegam sem preparação e a gente fica muito triste”.

Segundo a artista plástica, as famílias dos brasileiros de pouca instrução que procuram a Bélgica para trabalhar acabam se desestruturando. Muitos vivem em porões, que Inêz Oludé comparou a “navios negreiros”. Sem querer criar polêmicas, conforme assegurou, ela indicou que os brasileiros são explorados também por seitas religiosas, às quais dão dinheiro em troca de falsas promessas de trabalho.

Os imigrantes brasileiros na Bélgica ocupam em sua grande maioria empregos subalternos na construção civil e como empregados domésticos. “E às vezes trabalham dois, três meses, e não são pagos”, acusou Oludé, que em diversas ocasiões tem atuado como defensora de compatriotas junto a empresas estrangeiras.

Ela informou que embora na Bélgica o atendimento à saúde na rede hospitalar seja garantido por lei a todos os cidadãos, os brasileiros que estão ilegais no país, e que formam a grande maioria, acabam acumulando dívidas. Oludé ressaltou que o governo da Bélgica está endurecendo a política de repatriação de imigrantes irregulares. “Tem gente que vai presa, algemada. E eles ficam se sentindo muito mal”.

A artista pernambucana não acalenta muita esperança de melhoria, diante da nova Lei de Imigração da União Européia. “Eu acho que vai fechar ainda mais. Vai ficar difícil. É uma armadilha porque, inclusive, quando o brasileiro chega lá, eles não dão mais carimbo no passaporte, que é para ele não poder provar que está no país há tempos”.

Inêz suspeita, inclusive, que existe tráfico de brasileiros, uma vez que a maioria deles sai das mesmas cidades de Goiás e de Minas Gerais. A suspeita da artista decorre do fato de haver atualmente em Bruxelas cerca de três mil canteiros de obras com trabalhadores clandestinos. “Por isso é que a gente vê que existe um tráfico. Porque existe a necessidade de ter mão-de-obra barata, que não vai ter aposentadoria, nem os demais benefícios do mercado de trabalho”.

Paralelamente a sua atividade como professora, Inês desenvolve um trabalho de preservação da identidade e da cultura brasileiras na Bélgica. Em setembro do ano passado, ela realizou com apoio da Embaixada do Brasil naquele país a 1ª Bienal de Artes Brasileiras em Bruxelas. Agora, ela se dedica a organizar a segunda edição do evento, no próximo ano. Para ela, a cultura significa "o visto de entrada" dos brasileiros em todo o mundo.

“O europeu vem para o Brasil atrás da nossa cultura. Ele quer a nossa cultura, nossa música, nossa dança, nossa feijoada, nossas praias, nossa maneira de viver. Então, temos que preservar essa diversidade”. A Bienal de Artes Brasileiras de Bruxelas serve para mostrar que “nós somos exportadores de cultura. Não viemos lá pegar o trabalho deles, mas sim ajudar essa sociedade a crescer”.

Inêz Oludé reivindica apoio do governo brasileiro para a Bienal de Artes, porque os editais de cultura disponibilizados no país se destinam a brasileiros residentes no Brasil e não no exterior. Ela destacou também a necessidade de que o governo firme um acordo bilateral com a Bélgica, na área da cultura, uma vez que aquele país é considerado a capital da Europa.

A artista plástica participa da 1ª Conferência das Comunidades Brasileiras no Exterior, aberta nesta quinta (17) no Rio pelo Ministério das Relações Exteriores.


Site: Imigração
Inez
2008-07-22 17:48:47

Os jardins zoológicos humanos

Atualmente a nova moda européia é visitar favelas brasileiras, mas não sei se dão amedoins aos "macaquinhos"
Inêz Oludé


Oludé
2007-10-20 09:15:07

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.