Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Capital, pandemia e os papéis do feminismo

» Na pandemia, fermenta o Comum

» Literatura periférica, borbulhante e singular

» Epidemias e a queda do céu

» A Quarentena, o desencanto e os homens de gravata

» Contra o cinismo de 1%, a Reforma Tributária

» O fantasma de 1929 está vivo

» Contra a pandemia, a opção solidária

» Pandemia implodirá a Segurança Pública?

» Filmes para desembrutecer o coração

Rede Social


Edição francesa


» Hobsbawm (1917-2012), un itinéraire dans le siècle

» L'Afrique, cobaye de Big Pharma

» Dépeçage des libertés publiques

» Punir le viol

» Stefan Zweig ou l'horreur de la politique

» Le refus de Sartre

» Une guerre tous azimuts

» Parrain privé, chaîne publique

» « Big Pharma », ou la corruption ordinaire

» Ravages cachés du sous-emploi


Edição em inglês


» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city

» Impasse in Morocco

» And now get lost, France!


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


Comentários sobre esse texto:

Literatura de pai para filho

Literatura contundente, que percorre as entranhas e as dilacera. Que traz à tona sentimentos sombrios contudo puros, sinceros e verdadeiros. A leitura é sofrida, mas não se fala aqui de um sentimento piegas, uma lamúria. O que aflige é reconhecer que lá no fundo esses sentimentos existem, é percebê-los como verdadadeiros e reais. O que amedronta é ver-se no espelho, um espelho da alma humana. O que faz do livro de Tezza, Literatura (c/ L maiúsculo), é essa universalidade, a narração em 3ª pessoa que nos tira do foco da pieguice e da auto-comiseração, é essa forma original de revelar as mazelas de qualquer um.


Site: "O Filho Eterno", de Cristovão Tezza, é eleito Melhor Romance no Jabuti.
Marisa
2008-09-24 16:00:33

Literatura de pai para filho

Gostaria apenas de salientar a importância das palavras inseridas no texto, que muitas vezes podem contribuir para um estigma e um conceito errados a respeito desta síndrome. A palavra doença não é pertinente ao conceito de síndrome, então indivíduos com síndrome de Down podem adquirir inúmeras doenças como qualquer outro ser humano, mas ele não é doente! Assim como também o indivíduo não sofre de síndrome de Down, simplesmente nasce com uma alteração genética, ele pode sofrer preconceito numa sociedade como a qual vivemos hoje, mas isso já é uma outra estória.


Simone
2008-01-02 21:41:52

Literatura de pai para filho

Mais do que uma história de filho doente, O filho eterno é uma bela reflexão sobre a paternidade,pessoas como estas devem ser tratadas com muito carinho atenção mais que dever do que uma obrigação mais nunca é como tem que ser pessoas agi deferentes sem amor ao poximo so que ama que passa pela dor que um pai sente pra deus nada é dificil
,e principalmente o amor materno e muito importante passa a força que sai da mãe nigem sabe o quanto é importante essa atitude .


kill
2007-10-21 00:57:59

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.