Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Capital, pandemia e os papéis do feminismo

» Na pandemia, fermenta o Comum

» Literatura periférica, borbulhante e singular

» Epidemias e a queda do céu

» A Quarentena, o desencanto e os homens de gravata

» Contra o cinismo de 1%, a Reforma Tributária

» O fantasma de 1929 está vivo

» Contra a pandemia, a opção solidária

» Pandemia implodirá a Segurança Pública?

» Filmes para desembrutecer o coração

Rede Social


Edição francesa


» Hobsbawm (1917-2012), un itinéraire dans le siècle

» L'Afrique, cobaye de Big Pharma

» Dépeçage des libertés publiques

» Punir le viol

» Stefan Zweig ou l'horreur de la politique

» Le refus de Sartre

» Une guerre tous azimuts

» Parrain privé, chaîne publique

» « Big Pharma », ou la corruption ordinaire

» Ravages cachés du sous-emploi


Edição em inglês


» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city

» Impasse in Morocco

» And now get lost, France!


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


Comentários sobre esse texto:

Onde mora a poesia

A poesia anda por todos os lugares não que todos sejam poetas.
Poesia é canto solitário de quem olha o mundo quÃNTICO.
nO CANTAR DO SABIÁ SABIA ESTAR TÃO DISTANTE DELE COMO ELE DE MIM
MAS NO CANTO DE CADA UM TEVE UMA POESIA.nEUZALADEIRA


LILIA
2008-03-12 05:35:28

Onde mora a poesia

Pois é... e pensar que acharam que a poesia morreria pelo excesso de informações, bits... O coração humano não se deixa subjugar pelo sistema binário, por mais abusiva que seja a profusão de palavras. Suely Rolnik e Félix Guattari (há algum tempo falecido, infelizmente) , falaram em dupla, por um bom tempo em auditórios aí de São Paulo e do país inteiro desses "saraus". No caso, não aconteciam exatamente como na atualidade, em bares da periferia, tal como você descreve - quase poeticamente - caro Eleilson Leite. Esta é a evidência de que não morremos de todo... A poesia de que falavam era veiculada através das ondas de rádios comunitárias. Félix Guattari citava o caso da Rádio Tomate, na Itália. Veja só: percorreram o país nos anos 80 em dupla, e na década passada, não além do seu final, Suely Rolnik ainda enaltecia os modos singulares de expressão da cultura popular. Mas, o "capitalismo cognitivo" ou "cultural" (conceitos dela, que muito recentemente encontrei naWEB-http://transform.eipcp.net/
transversal/1106/rolnik/pt - a espreitava, melhor, nos espreitava com sua voracidade conceitual de consumo... Então, que recomecemos a viver-sentir com a poesia, nos botecos, e de todas as periferias do mundo. É um direito humano a livre expresssão de idéias, sonhos, e tudo que acrescente aos corações e mentes de todos nós, enfim, daqueles que povoam a terra inteira.

Parabéns pelo artigo.


Lúcia Nunes
2007-11-23 23:23:43

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.