Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Capital, pandemia e os papéis do feminismo

» Na pandemia, fermenta o Comum

» Literatura periférica, borbulhante e singular

» Epidemias e a queda do céu

» A Quarentena, o desencanto e os homens de gravata

» Contra o cinismo de 1%, a Reforma Tributária

» O fantasma de 1929 está vivo

» Contra a pandemia, a opção solidária

» Pandemia implodirá a Segurança Pública?

» Filmes para desembrutecer o coração

Rede Social


Edição francesa


» Hobsbawm (1917-2012), un itinéraire dans le siècle

» L'Afrique, cobaye de Big Pharma

» Dépeçage des libertés publiques

» Punir le viol

» Stefan Zweig ou l'horreur de la politique

» Le refus de Sartre

» Une guerre tous azimuts

» Parrain privé, chaîne publique

» « Big Pharma », ou la corruption ordinaire

» Ravages cachés du sous-emploi


Edição em inglês


» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city

» Impasse in Morocco


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


Comentários sobre esse texto:

O ressentimento da tropa

Como ja foi dito..muito bem escrito..mas completamente equivocada



2009-01-23 20:49:00

O ressentimento da tropa - comentário

A linha de raciocínio de Laurindo Minhoto é tão firme, lógica e bem estruturada que um sujeito com ele, no direito criminal, seria capaz de inocentar qualquer pedófilo, mesmo preso em flagrante delito.

Lurindo é o cara! Deve ter uma igualmente sensata e bem planejada explicação até para "baton na cueca".

Sujeitos com Laurindo - como já vimos em CPIs passadas - estão "enjoados de ganhar dinheiro" oferecendo o brilhantismo de sua inteligência às campanhas de marketing político.

Enfim, quanto mais aspectos penso em referir-me ao texto, mais vejo o quanto de desperdício está em questão no que tocam as poderosas ferramentas de seu autor, infelizmente, mal usadas.


Marcus Sodré
2008-04-10 16:11:35

A maior covardia

Êsse filme simbolisa a maior covardia ja cometida contra o povo brasileiro.Sò escamoteia a verdade. Voces não sabem que as drogas jamais incomodarão as classes dominantes? Porque? Ora meus senhores, as drogas servem para anestesiar o povão, e assim afastar qualquer ameaça ao sistema. Quem vive "doidão" quer saber de revolução? Simples sim sinhô. E a omissão da corrupção policial? Quer omissão mais covarde? E no final o "bem" vencendo o "mal". Quer coisa mais babaca? Eu hein?
È lamentavel a incrivel aceitação dessa baboseira. Glauber deve ter estremecido no túmulo. Desculpe, é isso aí.
Roberto França


França
2008-02-04 01:06:41

Tiradentes com pescoço alheio

o texto sobre o filme tem seus problemas; no entanto não tem nada a ver com a afetação dos leitores, alguns verdadeiros reformadores sociais de plantão, a julgar pelos comentários inflamados que assumem um tom de combate; não quero ser mais um destes "tiradentes", com vocação pra mártir, contanto que seja com pescoço alheio;

primeiro; sem nada saber de organização e emprego das forças armadas, figuram como ingênuos e até pouco inteligentes, imaginando que o problema é derrotar militarmente os traficantes; quando se trata de urbanizar as favelas, ação esta que irá sabotar as táticas empregadas pelos "bandidos" no aliciamento de adolescentes; o tráfico então, terá de "mudar-se" não ficando talvez tão diretamente associado à extrema pobreza, porém, sem deixar de existir, pois o governo ao proibir as drogas, financia o tráfico;

segundo; dirigido àqueles que fazem o gênero "vencedores não usam drogas"; bem, já são bem grandinhos para ouvir o seguinte: disse um psicanalista, de alguma coragem, pois afirmou na tv aberta simplesmente o seguinte: sabemos que as drogas acompanham a civilização desde períodos muito remotos e, no caso, em se tratando de saúde pública, importa apenas seu contexto de utilização; logo, nimguém aqui em porto alegre vai parar de trabalhar, beber e fumar (nesta ordem);

terceiro: para saberem qual o verdadeiro legado do filme, ao menos aqui no rio grande, digitem no google: filhos de gesseiro;
virão que cinco brigadianos-empaladores-pederastas estão apenas presos (inclusive um "capitão" da Brigada Militar); no entanto, aos civis inocentes que vitimaram só resta o suicídio.

simsenhor, poa, rs



2008-02-03 23:06:29

O ressentimento da tropa

Não entendo o que faz alguém perder tanto tempo escrevendo algo e não dizer nada de útil como o artigo "O ressentimento da tropa"

Em primeiro lugar o que devemos aprender no Brasil, uma vez por todas, é aprender a cumprir a lei! As leis em vigor foram criadas e homologadas por representantes eleitos legitimamente pelo povo em eleições livres, diretas, competitivas e justas. Estamos em uma democracia a 28 anos, ou seja, se não gostou da lei vote em alguém que queira mudá-la e/ou se organize e pressione o parlamento. Logo esse negócio de lei que não pega tem que acabar para a própria legitimidade da democracia.

Em segundo a reconhecermos nossa parcela de culpa nos erros do país! É comum as pessoas jogarem toda a culpa em terceiros e se esquecem que por omissão colaboram com vários crimes.

Acho que o ponto mais útil do filme é justamente ascender o debate sobre o real papel da sociedade civil nos problemas sociais em nosso país. Não devemos, portanto, nos alinhar com policiais violentos, nem tão pouco com usuários de drogas que colaboram por burrice ou por mediocridade de pensamento a uma atividade criminosa que é o tráfico de drogas.


Eric Daniele
2008-01-08 01:22:51

O ressentimento da tropa

Um artigo dispensável em todos seus sentidos... Acabar com o tráfico é simples: diga não, não consuma. Não precisa ficar denunciando, falando em luta inter classes, da polícia marginalizada se honesta.O seu consumo cresce e o crime agradece. E policiais mais bem preparados e pagos? E penas mais bem aplicadas? E a lavagem desse dinheiro, passa por onde? Isso nunca deve ter fim... O dia em que fizermos questionamentos verdadeiros e aplicarmos o rigor das leis naqueles que margeiam e ganham com incremento do tráfico de drogas, estaremos fazendo algo. Por enquanto, o consumo só tende a subir, e a mediocridade também...


raul maisel
2008-01-02 18:40:28

Não gostou ? Cobra do Papa...

Eu, aqui para nós, nunca pensei que nossos intelectutais, alguns usuários de drogas, netos de usuários de drogas ou pais ou avós de usuários de drogas, fossem se importar tanto com um filme de "clichês" e de "2ª categoria", alem de outras depreciativas adjetivações sempre invocadas por eles pela mídia...

Pelo menos até "Tropa de Elite", que lhes dá um tapa na cara. Esse tapa dói tanto que se dão ao trabalho de escrever um texto vazio e insipiente, sem qualquer conclusão, senão a velha exclusão da própria responsabilidade em educar seus próprios filhos abastados nas faculdades públicas com seus lindos carros novos.

A propósito, sou filho de classe média, cursei minha faculdade pagando minhas mensalidades com trabalho, fui aprovado em concurso público, ganho bem e nunca consumi drogas.

Gostei do tapa na cara do filme, especialmente nas gerações de intelectuais drogados de ontem, de hoje e de amanhã, covardes em assumir sua própria parcela de responsabilidade na cadeia de consumo do tráfico de drogas no Brasil.

O tapa do filme, repito, foi muito bem dado e doeu, já o texto em comento, mostrou mais uma vez a cara da irresponsabilidade intectual brasileira e sua verborragia inconclusiva.

Capitão Nascimento: ame-o ou odeie-o. Puro maniqueísmo.

Eu, mostro a minha cara e digo que amo. Quem odia-lo, cobre do Papa...


Sergio Maia Louchard
2007-11-30 05:57:41

O ressentimento da tropa

Até agora, a melhor resposta ao filme foi o anúncio de investimentos do PAC pelo Governo Lula nos complexos cariocas.

Começando efetivamente por Pavão-Pavãozinho semana que vem, para depois chegar ao Alemão, Rocinha, Manguinhos e tantas comunidades carentes que, desde a escravidão, não tem sido alvo de inclusão social.

O verdadeiro "pânico dos intelectuais" é compreensível. Desde o 11/9, não tínhamos um acontecimento tão devastador na mídia e nas ciências sociais. É porque a intelectualidade brasileira não tem respostas às questões de "Tropa de Elite". O artigo acerta ao falar do "ponto cego", porque, assim como o filme, ninguém conseguiu sair do lugar-comum.

De outro lado, o filme em si, convenhamos, é fraquíssimo: argumento sofrível, personagens rasos, uma trama previsível, uma narrativa em off esteticamente insuportável, e ataques banais contra a classe-média. É isso que dá misturar Holywood com intelectualismo pra produzir lugar-comum.

No fundo no fundo, o caso mostra a incapacidade da academia de fazer a diferença no mundo social, o que nos remete à discussão sobre como renovar e reestruturá-la.

Mas aí voltamos ao governo Lula... :-)


Bruno Cava
2007-11-28 14:28:28

O ressentimento da tropa

Bezoar:

Uma vez que não nos conhecemos pessoalmente, é de certa forma um "tiro no escuro" me achar "limpinho".
Ok, obrigado, fico agradecido.
De qualquer forma, eu não vou falar que vc está errado. Talvez dizer que no melhor dos casos, os moradores não agem por uma série de fatores (financeiros, de moral, de preconceito, de criação) e o resultado é uma conivência velada em relação ao que acontece de errado no morro.
Mas vc não tá errado. é uma história violenta mesmo...


Site: Partido macho
Maverick
2007-11-27 22:36:15

O ressentimento da tropa

Texto bem escrito, porém, equivocado do começo ao fim. Parece mesmo ressentimento de jornalista, como alguém disse abaixo.


Rodin
2007-11-27 18:01:05

O ressentimento da tropa

Maverick:
"gente honesta não tem medo de polícia". É frase de quem é "limpinho" ( ou "bem apessoado" ) e nunca foi tomado por marginal pq "estava no lugar errado".
A priori todo morador de morro é marginal em potencial? Pra polícia sim. E a abordagem não é lá muito respeitosa.

Zazen:
Do ponto de vista do capitão, é "caveira" pra todos. Do ponto de vista do diretor, o Bope é igual à esparta de Frank Miller (imagina se fossem 300 do Bope O_o), ação heróica em quadros abertos pra sair bonito na tela.


Bezoar
2007-11-27 14:39:02

O ressentimento da tropa

De longe, a melhor coisa que li sobre o filme. O autor articula muito bem as dificuldades vividas pela nossa polícia aos limites enfrentados pela suposta democracia brasileira.


Neu
2007-11-27 06:21:20

O ressentimento da tropa

O ressentimento não é da Tropa, mas de mais um jornalista (ou crítico) assumindo a carapuça. Quem estudou na USP sabe que a Libelu não foi nada mais nada menos do que exatamente aquilo que o filme indica como a classe média "socialmente consciente". E, como membro dela, mais um crítico não aguentou e tachou o filme de fas...ops, "moralista". Agora, confundir o ponto de vista do cap. Nascimento com a do diretor é duro de aguentar...


zazen
2007-11-27 03:55:06

O ressentimento da tropa

Até gostei do filme "Tropa de Elite", mas no sentido de divertimento. Ali só existe marmelada, clichês de 2ª e violência em excesso. Não acrescentou nada. E outra: o filme se passa em 1997, portanto bem distante dos atuais tempos de "caveirão", no qual os PMs do BOPE sobem os morros pra trucidar, violar e matar. E mais: o filme faz o expectador mais alienado e imbecil achar que os PMs do BOPE são indestrutíveis, incorruptíveis e honestos ao quadrado. Tudo enganação barata e estúpida. Por acaso vocês acham que um soldado de Infantaria do BOPE vai se arriscar como um tolo pelas vielas imundas daquelas favelas miseráveis do Rio, enfrentando bandidos com considerável poder bélico por uns míseros R$1200 por mês? Ora, até os guerreiros mais íntegros da Grécia Antiga não resistiam ao brilho do ouro, pois todo o soldado é um mercenário por natureza.


Wagner
2007-11-27 00:55:11

Quem tem medo de Polícia ???

É interessante notar o número de críticas feitas ao filme, que tentam a todo custo recriminar a única saída plausível para combater a escalada de crimes existente nas principais capitais.
É lamentável que um filme tão verdadeira e que mexe tanto com o brio do cidadão normal, que trabalha, estuda, sai, fax sexo, tem esposa, filhos seja criticado e o pior, criticado com a velha discussão sobre o sexo dos anjos de "de quem é a culpa ?".
Uns apontam o governo, outros, apontam a sociedade, mas o bandido mesmo, é sempre a vítima.

Gente honesta não tem medo de polícia. E caso encerrado.


Site: Partido Macho
Maverick
2007-11-27 00:02:30

O ressentimento da tropa

Faço das palavras de José Fonseca minhas palavras.
Intelectualismo pedante para quem precisa de pseudo-intelectualismo.Se é que alguem precisa disso.


Maiana Ostronoff
2007-11-25 05:09:47

O ressentimento da tropa

É o primeiro filme que mostra os "consumidores" como parte do problema, senão a maior parte. Não é por sermos de esquerda que temos que ser coniventes com maconheiros com suposta "consciência social" , em nome de algum relativismo moral.
As passeatas burguesas são para pedir segurança para os filhinhos de papai drogarem-se com tranquilidade.


Site: Rumores Alvissareiros
marcelo
2007-11-25 04:55:53

Torres de Marfim

Deve existir coisa mais chata e inconsequente que intelectual pequeno-burgues escrevendo sobre uma realidade que só conhece de bibliografia ou de parcos contatos com as "comunidades"...
Deve existir, só que eu não conheço.....


Jose Fonseca
2007-11-25 03:38:17

O ressentimento da tropa

Que a polícia é truculenta todos sabemos
Que é um aparelho repressivo à serviço do Estado, todos sabemos.
Que desrespeita os direitos humanos, todos sabemos.
O que ainda não sabemos é como iremos sobreviver em um mundo sem polícia???
Quem sabe esse mundo seja o paraíso cristão ou o mundo utópico de Thomás Morus.
Polícia não tem que ser boazinha, porém tem que ser educada.
Respeito ao cidadão e repressão ao crime, isto é o que se espera dela.
O resto é retórica da retórica vazia

Jose Roberto Melo Ferreira,
Historiador,


Jose Roberto melo Ferreira
2007-11-25 03:27:32

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.