Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Le devoir de paresse

» Ainsi nos jours sont comptés

» Au Brésil, des collectionneurs d'art très courtisés

» Fantômes russes dans l'isoloir ukrainien

» Bernard Madoff, à la barbe des régulateurs de la finance

» Les famines coloniales, génocide oublié

» LTCM, un fonds au-dessus de tout soupçon

» Récalcitrante Ukraine

» Europe de l'Est : un bilan positif sur le plan social mais négatif dans le domaine des droits politiques

» La crise russo-ukrainienne accouchera-t-elle d'un nouvel ordre européen ?


Edição em inglês


» Rojava's suspended future

» Biden's Middle East challenges

» April: the longer view

» Africa's oil-rich national parks

» Montenegro's path to independence

» Japan's bureaucrats feel the pain

» Who's who in North Africa

» Being Kabyle in France

» Who wins in Chile's new constitution?

» Senegal's five days of anger


Edição portuguesa


» "Catarina e a beleza de matar fascistas": o teatro a pensar a política

» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer

» A maior mentira do fim do século XX

» Como combater a promoção da irracionalidade?

» A Comuna de Paris nas paredes

» Como Donald Trump e os "media" arruinaram a vida pública

» Edição de Março de 2021


Comentários sobre esse texto:

O dilema da literatura policial brasileira

E o Luiz Lopes Coelho, com seu delegado ficcional, o Velho Leite, não é mais considerado importante entre os autores brasileiros de contos e novelas policiais?


Site: O dilema da literatura policial brasileira
Luiz Haroldo
2008-11-11 03:15:34

O dilema da literatura policial brasileira

Por ser um escritor da ficção policial iniciante,não tenho muito o que dizer a não ser que estou no principio.Neste momento publico meu primeiro livro da ficção policial."SEQUESTRO RELÂMPAGO" Este livro está exposto no site da editora protexto: www.protexto.com.br


Mario Aguiar
2008-04-03 01:48:35

Garcia Roza, Mandrake e Armani.

Não há identificação do grande público com a literatura policial brasileira. Vemos na TV, nas mini-séries, novelas da globo e nos livros tupiniquins investigadores usando terno Ricardo Almeida, dando ordens para PMs e levando uma de sonhos, só possível no CSI.

Desse jeito nem os próprios policiais brasileiros acham interesse na literatura policial. Se é para ler livros brasileiros falando sobre policiais americanos, como é feito hoje em dia, acho que os originais da Penguin tem mais a dizer.

Qualquer relatório de investigação feito por um investigador de distrito fedorento é mais interessante que um livro do Luiz Alfredo Garcia-Roza. Já que ele próprio disse que não tem interesse em escrever sobre a verdadeira segurança pública, porque ela seria muito suja.

Nesse sentido, ele faz o que gosta, e idealiza um mundo que lhe agrada. A ele e seus pares. O problema é que vamos sempre produzir livros para quem deseja uma polícia ideal, espelhada no NYPD.

O mano da favela sabe que o tira que entra sem mandado de busca em seu barraco procurando pelo bagulho que havia furtado é o mesmo que faz acordo com traficante pra ganhar mais um extra e, depois do expediente, bico para terminar de sustentar os filhos e os mantê-los longe da criminalidade.

Não me admira que este Mano não ache a mínima graça em um advogado-detetive que se chama "Mandrake", ou em um médico psicanalista que resolve crimes com a força da razão Spinosiana! (heim?)

Polícia de butique sempre me lembra a Daslu. Pra quem compra lá deve ser bom. O resto do mundo tá pouco se fodendo com aquilo.


Site: Cultcoolfreak - por uma polícia democrática
Franchini
2008-01-20 19:40:24

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.