Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Uma inovação amazônida: o Geojornalismo

» Edição de 2 de junho de 2020

» O capitalismo ensaia sua distopia espacial

» Ultraliberais buscam sobreviver a seu desastre

» Regina, Jair e a manipulação da espontaneidade

» Não peçam o fim dos levantes, diz Alexandria Ocasio-Cortez

» Raiva e rebeldia e no coração do Império

» Edição de 1º de junho de 2020

» A Frente Ampla contra o Brasil

» Ken Loach e sua crítica incompleta à uberização

Rede Social


Edição francesa


» Bouée pour la Grèce, béquille pour l'euro

» Faust et l'alchimie capitaliste

» Indétrônables fauteurs de crise

» Comment la droite américaine exploitait les émeutes

» Les Républicains peuvent-ils tirer parti des émeutes de Los Angeles ?

» Les États-Unis, une nation née dans la brutalité

» Un débat intellectuel en trompe-l'œil

» Le Texas en armes contre le confinement

» Shaw ou l'engagement ironique

» Cinquante ans de « dé-mesure » à l'anglo-saxonne


Edição em inglês


» Another ‘Europeanisation'

» Miami: flood risk and development

» Texas opens again for business

» US in the spring of the pandemic

» Florida's flooded future

» Oman struggles to stay neutral

» Syria's quiet return

» UK coexists with coronavirus

» Austerity is the killer

» UK, a new leader for Labour


Edição portuguesa


» Edição de Maio de 2020

» Defender os trabalhadores

» Todos crianças

» Há um problema com a representação jornalística da violência doméstica

» Chile, o oásis seco

» Edição de Abril de 2020

» O tempo é agora

» Achatar as desigualdades

» O olhar dos artistas

» Assine por 3 meses (€10) ou 6 meses (€18)


Comentários sobre esse texto:

O Rio e a lição de Porto Alegre

Muito oprtuno o artigo sobre a cidade do Rio de Janeiro, realmente é uma cidade administrada por uma figura patética e arrogante,um político autoritário e elitista. Os únicos parcos investimentos são para maquiar a cidade e agradar turistas, beneficiando os amigos. O restante da população vive à própria sorte, nas péssimas condições descritas no artigo. Seria muito bom que a partir desse protesto, pelo atraso do IPTU a população pudesse tomar conta dos recursos através do Orçamento Participativo. Mas a história mostra que esses movimentos,aparentemente populares, podem esconder um monte de ricos que não estão acostumados a pagar impostos, o único que pagavam que era a CPMF conseguiram acabar. Nada mais justo que os ricos da zona sul e os emergentes da Barra e Recreio, paguem um IPTU mais alto que o do restante da cidade, principalmente aqueles que emergem através da exploração dos trabalhadores, com negócios lucrativos como automóveis e que se perpetuam na informalidade sem recolher nenhum imposto.


Alexandre
2008-02-06 14:31:31

O Rio e a lição de Porto Alegre

Gostaria de deixar um site para os interessados.

www.noiptu.com


Site: Site
Cesar
2008-02-06 02:54:54

O Rio e a lição de Porto Alegre

Sou do Rio e conheço esse "movimento". Partiu da zona sul, do Leblon, da alta classe-média, empresários e burocratas muito bem pagos. A direita sempre circula nessas temáticas: diminuir tributos (como o golpe contra a CPMF, sabotagem do Brasil), privatizar e vagas indignações contra a corrupção e a imoralidade pública. Pois os ricos proprietários do Leblon tem é que PAGAR MAIS. Estão pagando muito pouco. É só ver a diferença brutal de investimentos de urbanismo entre a zona sul e a baixada. Sem falar no higienismo desse pessoal, o mesmo que, há não muito tempo, lançava mendigos em alto mar, colocava fogo em favelas e batia em camelôs.


Bruno
2008-02-04 18:06:53

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.