Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Capital, pandemia e os papéis do feminismo

» Na pandemia, fermenta o Comum

» Literatura periférica, borbulhante e singular

» Epidemias e a queda do céu

» A Quarentena, o desencanto e os homens de gravata

» Contra o cinismo de 1%, a Reforma Tributária

» O fantasma de 1929 está vivo

» Contra a pandemia, a opção solidária

» Pandemia implodirá a Segurança Pública?

» Filmes para desembrutecer o coração

Rede Social


Edição francesa


» Hobsbawm (1917-2012), un itinéraire dans le siècle

» L'Afrique, cobaye de Big Pharma

» Dépeçage des libertés publiques

» Punir le viol

» Stefan Zweig ou l'horreur de la politique

» Le refus de Sartre

» Une guerre tous azimuts

» Parrain privé, chaîne publique

» « Big Pharma », ou la corruption ordinaire

» Ravages cachés du sous-emploi


Edição em inglês


» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city

» Impasse in Morocco

» And now get lost, France!


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


Comentários sobre esse texto:

No fundo, a desigualdade

A história nos mostra os períodos cíclicos de crise pelos quais o sistema capitalista passa de tempos em tempos,
foi previsto por "Marx".

Buscando manter a sua hegemonia os E.U.A vem cometendo erros colossais deixando rastros de sangue, suor e lágrimas...

Mas a história nos conta também, que nenhuma nação até hoje conseguiu se manter
infinitamente no patamar de superioridade que a política norte-americana tenta preservar à qualquer custo.

O fictício papel paternalista assumido pelos consecutivos governos deste país dacaíram, no Vietnã, no 11 de setembro, no Iraque e em tantas outras, e incontáveis investidas na busca da manutenção do seu imperialismo contemporâneo.

Um ponto é certo...

Que a torcida anti-norte/americana não tenha seus desejos realizados de poderem ver uma grande derrocada deste país, pois não é o que o mundo precisa e nem nós, torçamos pois, para que mudem sua forma de relação com o mundo; a não ser assim, com certeza todos iremos saborear o gosto da derrota, se nos lembrarmos que hoje sob muitos aspectos "somos um" globalizados, e ainda corremos o risco de que consigam dar a volta por cima como já deram e se isto acontecer se tornarão mais e mais arrogantes e insuportáveis.

Pensemos também no grande fluxo imigratório que comporta.
Dilaceração na vida de milhares, milhares em etnias, milhares em famílias,
milhares de seu próprio povo, milhares de seres humanos.

Esta é uma questão!

Pensemos nisto!


Lume 2008
2008-02-22 14:11:01

No fundo, a desigualdade

Beleza de artigo. Levanta o tapete do império. Pra gente ver (um pouco) da sujeira há tantos anos acumulada. Hora da faxina!


Lino
2008-02-20 20:36:00

No fundo, a desigualdade

Artigo excelente! Sucinto, didático. Linguagem clara e acessível aos "mortais"
Elzira.



2008-02-19 16:40:34

Os "DEUSES ECONOMICOS - CEOS AND DEVIL " - (Universidades,PhDs,Teorias,Mentiras,Sexo e Video Tape)

Primeiramente : Artigo excelente( "great text)!
Secundariamente, temos um texto básico e ilustrativo que fecha com o que temos no passado no 3ºMundo e Grupos Emergentes quanto a questão do achatamento salarial e concentração de renda e distribuição ou criação de metas e sistemas artificiais de sustentabilidade economica ( considero bolsa-familia um exemplo, na minha visão; pois não representa um sistema sólido gerado pelo trabalho - não irei discutir tal questão).
Gostaria e necessito ter dados mais concretos sobre os " mentores intelectuais que a partir de 73 e mais tarde em 79( inaugurando a era tatcher e o periodo do neo-liberalismo) procederam a ideologia economica da estagnação salarial e revisionismo do contrato de trabalho e criaram novas bolhas concentradoras de renda e manipularam dados balanciais e perspectivas futuras de mercado ofertando riscos minimizando prejuizos a medio e longo prazo e captando recursos de "fundos de pensões aparentemente sólidos para "investir com dinheiro dos outros em mercados " instaveis a medio e longo prazo.
Preciso de alguns dados desses " gold man’s( Deuses Economicos - parafraseando Dyonelio Manchado) que maquearam lindamente dados de mercados futuros em favor de suas posições acadêmicas e com interesse de manter o "status quo" nas Instituições que trabalham ( com certeza, adquirindo posições previlegidas de comando!); logo, e evento de 11-09 foi germinado 79, mais a invasão do Afeganistão pelos URSS(na epóca) somada ao alarde e a manipulação que a CIA fez para captar dinheiro e investimento para treinar os Mujahedins que no ambito geral veio sendo cultivada em várias frentes e com interesses imediatistas e não claros quando analisados a medio e longo prazo.
Por isto, gostaria de que alguém enviasse mais dados sobre esta " elite pensante " ( que fomentou as bases neo-liberais- Universidade Yale, Chicago, MIT, Cambridge e Oxford e seus Institutos Economicos e Geopoliticos) -professores e discipulos que na epóca teriam ( penso, não tenho muito claro ainda os dados sobre todo o clã - 35 a 55 anos talvez a faixa etária media do pessoal; um grupo não muito heterogeneo, mas que também "maqueou " dados para aquisição de empresas na ALatina( vide Word Com, Enro) - e deixaram herdeiros, neste século, os mesmos que manipularam dados para invasão do Iraque, mas que não são pessoas tão diferentes dos economistas que para calgar posições e assumir posições chaves em Instituições Financeiras, mantiveram ofertas de credito e não alertaram o mercado , muito menos os fundos de onde captaram recursos que estariam correndo um risco sério ( pois a medio e longo prazo não haveria como receber os ativos aplicados) .
Uma coisa é certa: a comissão pelas negociações e premios ( através de novos cargos ou chefias na Corporações ) eles receberam na epoca.
Agora ficou o sentimento de terra arrasada!
Enfim, 11 de 09 nada mais foi que uma resposta violenta , desmedida e irracional à politica cultural-economica comanda pelos EUA - que tem fomento dentro de círculos academicos que manipulam dados independente do rigor matemático, pois mercados-de-risco - também tem haver com emoções e rigidez afetiva de quem manipula dados conforme seu interesse dentro da Instituição que participa e como isto o fará calgar posições previlegiadas dentro das mesmas e sociedade civil que esta inserido!
O resultado final pode ser caótico, violento, assim como vemos através de grupos radicais e sua respostas unilaterais.
Finalizo, caso alguém tenha mais dados sobre como se montou a rede intelectual do neo-liberalimo, como alguns teoricos assumiram postos chaves em Universidades e Instituições e como se estruturou o estimulo e buscas de recursos para investimento imobiliário(prime, sub-prime...) - e se existe possibiidade de cruzarmos os dados para vermos a faixa etária e formação academica e postos ocupados nos últimos 20 anos ficarei muito grato.
Isto faz parte de um estudo de redes sem escala, que estou interessado.


enelfaz
2008-02-16 19:00:27

No fundo, a desigualdade

Great text! Congratulations.


Sam
2008-02-15 20:41:12

O IMPERIO tambem passa por crise!!

Eu moro nos EUA a 5 anos e posso descrever o que vejo.A crise atual e um conjunto de fatos somados,que comecaram com os atentados de 11 de setembro.Obrigados a baixarem os juros a o% ,para conterem a crise.Com os juros a 0% ,propiciou ,impulcionou as condicoes de compra de casas,carros,barcos,terrenos,etc da populacao ,ate mesmode brasileiros ilegais, sem credito , com renda minima,estava muito facil,gerando a super valorizacao.Tive amigos meu que compraram 3 casas Em 2 anos conseguiam embolsar ate 70 000 dolares pela valorizacao, devido a forte demanda. a super procura!estourou..e claro..Hoje as casas estao caras e o juros caros,todo mundo devolvendo as casas!,nao aguentam pagar os bancos.
Outro fator importante foi a disparada do preco do petroleo,que puxou todos os precos..a gasolina mais que dobrou nos ultimos 5 anos..
China-todas as grandes empresas americanas se obrigaram a produzir la ,para nao quebrarem,empregando assim milhares de chineses, produzindo la e vendendo aqui,ajudando a desempregar outros milhares aqui,sem contar as empresas americanas que migraram para o Mexico,Canada,e outros paises
Apos o 11 de setembro muito dinheiro arabe saiu daqui com medo das ivestigacoes(300 bilhoes),o turismo despencou,o gasto contra o terrorismo disparou
IMIGRACAO-mais de 400 000 imigrantes entre legais e ilegais,estavam entrando por ano.Uma verdadeira Invasao.Isso segurou o preco da mao de obra barata ..prejudicando a todos.
GUERRAS- bilhoes,falam em ate trilhoes de dolares gastos nesses ultimos 5 anos..
Katrina-bilhoes em prejuizo..
Muitos fatores mesmo para o Imperio!
Mais o cerebro do mundo esta aqui!e pensando rapido !muitas mudancas acredito que virao apartir do proximo presidente,sinto que o povo deseja mudanca...
Como todos os imperios cairam ,este um dia caira,mais ainda nao e agora..nem num futuro tao proximo..


R.A.L
2008-02-15 06:12:11

No fundo, a desigualdade

Gostaria de saber qual o peso que a extensa migracao de pessoas da america latina para os EUA( milhares de pessoas pobres/miseraveis que vao em busca do " american dream") representam nas estatisticas de desigualdade social. Acho simplista fazer uma avaliacao " na linha do tempo" sem levar em conta todas as variaveis, inclusive as confundidoras, para o analise do " desfecho " desigualdade social .


Rekrell
2008-02-15 06:00:39

No fundo, a desigualdade

"A CASA ESTÁ CAINDO", como dizem os jovens quando estes se referem a algo que está indo de mal a pior.
Aí estão as respostas para o desespero do governo norteamericano em relação aos países do Oriente Médio.
Pode-se citar a guerra contra o Iraque como forma de maior expressão desse desespero.
Com a invasão e ocupação do Iraque, os EUA demonstraram ao Mundo o quão desesperadora é a crise pela qual passam pois precisaram usar de todos os meios de informação para justificar o injustificável, ou seja, que os EUA não pretendiam levar democracia ao povo iraquiano mas sim, obter vantagens, mesmo que isso significasse ficar cada vez mais no fundo do poço.
Inverdades foram ditas e repetidas para tentar justificar a guerra contra o Iraque mas em vão, pois os iraquianos mostraram e estão mostrando ao Mundo, através da Resistência Iraquiana, que não precisavam do tipo de "democracia" que os EUA queriam impor a eles, pois essa "democracia" era "fictícia".
O povo iraquiano vivia em paz com seu presidente e as divergências mencionadas na mídia comprometida com os interesses estadunidenses, entre sunitas/xiitas/curdos, não impediam que o Iraque prosperasse e que esses convivessem em harmonia.
Os EUA vivem na base da ilusão e da ficção!!!
Vivem na base da guerra, não importando a quem ferir ou matar para conseguir seus intentos perversos.
Até armas químicas proibidas foram usadas pelos EUA & aliados em cidades iraquianas.
Lembram-se de FALLUJA?
Mesmo com todo poderio bélico contra o Iraque, os EUA não venceram essa guerra!!!
Todo dia a Resistência Iraquiana elimina mais um invasor!
Para falar a verdade, são muitos os invasores e os gastos com esses,
visto que Mr. Bu$h aumentou o número recentemente.
E os mercenários contratados para fazer o serviço sujo no Iraque? Foram de "graça" para lá?
Os custos oriundos das incursões e guerras constantes estão acabando de vez com a economia norteamericana e seu povo está sentindo na pele a derrocada.
Não adianta os EUA quererem mostrar ao Mundo uma visão de superpotência quando sabemos que para isso tem havido muito sofrimento de povos e nações.
A verdade tarda mas não falha!
Aí está!


Site: A BUSCA DA VERDADE
soldodeserto
2008-02-15 05:43:50

No fundo, a desigualdade



2008-02-15 04:18:40

No fundo, a desigualdade

Gostaria de ver esse mesmo foco colocado sobre o Brasil, isso seria possivel? O sera escondido tambem como todos os paises fazem para poder favorecer o atual governo ou favorecer o pais em geral!
Vamos pensar! Qual e o percentual da populacao que vive na pobreza e essa TAL desigualdade sera que existe hoje no Brasil na mesma proporcao?
Vamos pensar um pouco mais no nosso pais e deixar os dos outros. Um pais tao rico em todos os aspectos e pobre so nos politicos que so pensam no melhor para eles! Por favor gostaria de ver os dados sobre o Brasil e que fosse colocado ao publico.


Fabio Schuler Leite
2008-02-15 03:51:15

No fundo, a desigualdade

Sr. Jord de idade avançada. Talvez o Sr. esteja lendo publicações muito antigas sobre economia. Como mostra esta e outras matérias sobre os EUA, o povo lá tá passando muita fome sim. O último documentário de M. Moore sobre o sistema de saúde americano mostra o caos da saúde por lá. A dívida americana, interna e externa é impagável. E um dia essa bolha estoura (parece que té chegando este dia!.
Nós "baratas" como o senhor prefere chamar, (eu prefiro dizer cidadãos) não estamos quebrados porque nosso governo, de forma muito sensata ampliou as exportações para muitas regiões e reduziu a dependência dos EUA. Não vamos esquecer que escapamos de assinar a ALCA há poucos anos... Não se pode dizer o mesmo de nossos Hermanos Mexicanos que estão afudando junto com os EUA e sua "maravilhosa" ALCA. Talvez nos compêndios antigos que o senhor anda lendo, não existia ainda a sigla BRIC. Pois é, procure se informar do que se trata e entender porque analistas projetam que os "emergentes" serão pouco afetados por esta crise.
Mais uma informação importante: em 1989 foi derrubado o muro de Berlim, hoje não existe mais a URSS. Os Atlas modernos de geografia também trazem esta informação. O "R" da sigla BRIC é Rússia.
De alguém que continua acreditando que a distribuição justa de riquezas é a única possibilidade de sairmos do estado de barbárie, também chamado por alguns de "idiota de esquerda".


Trestini
2008-02-15 03:46:15

No fundo, a desigualdade

Existem várias formas de domínio. A família Bush, no afã de expandir seus domínios comerciais iniciou um processo selvagem de apropriação indébita. Infelizmente, a cultura americana nã oé suficientemente evoluída para enxergar tais fatos. Alguém comentou que a china tem como maior consumidor os EUA. Trata-se de economia transacional, sem fronteira. Os gastos com o Quait. Irague e com o Paquistão, enfiaram os EUA num atoleiro de dívidas. Porém, a família Bush sempre tem se saído bem, seja com ganhos em venda de armamentos, seja com a apropriação indébita de petróleo alheio. Disso advém a importância das eleições. Se um outro republicano ganhar, por mais quatro anos o mundo viverá essa insegurança. Eles nunca quiseram adinistrar o país, mas administrar seus negócios familiares. E assim caminha a humanidade. Cheia de ganância, cheia de arrogância, até que o planeta se desmanche! Isso é épico! Dá até poema!! Poema da mediocridade humana! Mas pergunta-se: qual a diferença do Bush e do dono de uma construtora no Brasil? Nenhuma!! Só mudam as cifras e as moedas!!


holocausto
2008-02-15 03:38:06

No fundo, a desigualdade

È realmente imprecionante como oso americanos escondem a propria sujeira debaixo do tapete, morei um ano lá e não pude perceber nenhum tipo de crise, quem diria uma dessas, definitivamente eles vivem em uma bolha e a tão famosa liberdade americana não passa de uma historia bem contada pra otario.


Luka
2008-02-15 03:29:18

Capitalismo em crise

É preciso repensar toda a lógica de produção e organização das sociedades, pois cada vez se torna mais evidente que o capitalismo é incapaz de resolver a desigualdade social.


Site: No fundo, a desigualddade
J. Gomes
2008-02-15 02:35:24

MUITO BOM

Muito bom o artigo. É bom ler artigo como esse. Artigos com formas de pensar diferentes são muito válidos. Que apareçam outros que ajudem os leitores a refletir. Daí é que nasce a luz. Melhor ainda é não ter cabeça tão fechada, intolerante. É doença não aceitar que outros possam pensar diferente. É preciso haver democracia.
Quem não suporta pensamentos diferentes, no fundo, no seu inconsciente, com certeza não está seguro na sua forma de perceber a realidade e está bem doente.
Valeu caro articulista. Continue. Parabéns!


Marcus Vinícius
2008-02-15 02:29:12

Capitalismo em crise

É preciso repensar toda a lógica de produção e organização das sociedades, pois cada vez se torna mais evidente que o capitalismo é incapaz de resolver a desigualdade social.



2008-02-15 02:28:23

Äpenas uma repetição de uma velha estória...

Assim como em 1929, as forças do mercado comandam, sem a regulação do estado, a economia. O aumento de produtividade obtido nas últimas décadas gerou ganhos apenas para as grandes corporações; enquanto elas ganham bilhões a massa trabalhadora é induzida a acreditar que devemos trabalhar cada vez mais e mais.Em resumo: aumento cada vez maior da concentração da renda nas mãos de uma minoria que não tem a mínima intenção de abrir mão de seus privilégios! E ainda por cima querem nos fazer acreditar que a redução da jornada de trabalho é apenas o desejo de um punhado de "vagabundos". Pelo contrário, seria apenas uma forma de reduzir a atual situação de desequilíbrio em que nos encontramos agora.
Quem não aprende com a história só aprende com a repetição de seus erros....


André Luís Oliveira do Couto
2008-02-15 02:25:21

Apenas uma repetição de uma velha estória...

Assim como em 1929, as forças do mercado comandam, sem a regulação do estado, a economia. O aumento de produtividade obtido nas últimas décadas gerou ganhos apenas para as grandes corporações; enquanto elas ganham bilhões a massa trabalhadora é induzida a acreditar que devemos trabalhar cada vez mais e mais.Em resumo: aumento cada vez maior da concentração da renda nas mãos de uma minoria que não tem a mínima intenção de abrir mão de seus privilégios! E ainda por cima querem nos fazer acreditar que a redução da jornada de trabalho é apenas o desejo de um punhado de "vagabundos". Pelo contrário, seria apenas uma forma de reduzir a atual situação de desequilíbrio em que nos encontramos agora.
Quem não aprende com a história só aprende com a repetição de seus erros....


André Luís Oliveira do Couto
2008-02-15 02:24:41

Äpenas uma repetição de uma velha estória...

Assim como em 1929, as forças do mercado comandam, sem a regulação do estado, a economia. O aumento de produtividade obtido nas últimas décadas gerou ganhos apenas para as grandes corporações; enquanto elas ganham bilhões a massa trabalhadora é induzida a acreditar que devemos trabalhar cada vez mais e mais.Em resumo: aumento cada vez maior da concentração da renda nas mãos de uma minoria que não tem a mínima intenção de abrir mão de seus privilégios! E ainda por cima querem nos fazer acreditar que a redução da jornada de trabalho é apenas o desejo de um punhado de "vagabundos". Pelo contrário, seria apenas uma forma de reduzir a atual situação de desequilíbrio em que nos encontramos agora.
Quem não aprende com a história, só aprende com a repetição de seus erros....


André Luís Oliveira do Couto
2008-02-15 02:23:47

Consumo

A sociedade moderna criou uma necessidade desenfreada de consumo que muito provavelmente irá comprometer as relações comerciais internacionais. É esta relação receita/dívida mal dimencionada, a causa da falta de liquidez que está nos afetando.


Marcus Scramignon
2008-02-15 02:03:17

No fundo, a desigualdade

Quem diria que por baixo de tanta arrogancia do Sh Buch estaria um dado tão real de um país que acha que todos são seus subordinados,não são só os paises baixos que sofrem com pobreza gostei de mais do texto e dos dados que vi aqui estou começando a cusar jornalismo e confesso que já virei seu fã.
Robert Vagner


Robert
2008-02-15 01:42:23

No fundo, a desigualdade

tenho uma idade ja avançada e ja li muito sobre a crise de 1929,Os EUA realmente foi ao fundo do poço,o povo passava fome e nao tinha emprego e nem trabalho,agora comparar esta crise que e muito grave a de 1929 e ser apenas um idiota de esquerda,se alguem for inteligente notaria que o maior mercado da china e os EUA,a China ja teria entrado em crise e nos Baratas latinos americanas ja teriamos chegado ao fim do poço.Falta intelingencia ao jornalista do uol que viu esta mensg e quer que a engulamos como verdade absoluta.


Jord
2008-02-15 01:10:03

No fundo, a culpabilidade sempre dos "outros"

Culpar os pobres pela crise é o argumento mais absurdo que se possa imaginar. Quer dizer que eles consomem por esnobismo e imaturidade? Ah sim, com certeza! Estes devem ter-se atolado em dívidas a fim de comprar casas na praia, carros milionários, jóias e etc.....Os mauricinhos que pensam assim não devem se preocupar em sustentar uma família resguardando-a de déficits de alimentação, saúde e moradia, não? Os mauricinhos são os culpados, que votam nos neoliberais e depois pouco se explodem com a miséria da maioria da sociedade. O Neoliberalismo aplica que o mercado corrige a distribuição de renda entre empresários e trabalhadores!! Tá bom....só mesmo um trouxa para acreditar nisso.


Marcos Trovano
2008-02-15 00:56:26

Crises ciclicas do capitalismo

O capitalismo passa por crises ciclicas permanentes. O grande desafio do modelo capitalista é a distribuição de renda, que via de regra é sempre injusta e concentradora. O rio sempre desagua no mar, ou seja, quem possui muito riqueza nos ciclos de crescimento, sempre acumula mais capital. É uma contradição intrinseca do sistema capitalista.



2008-02-15 00:09:57

O auge do neoliberalismo

Talvez seja a demonstração dos efeitos mais perversos do neoliberalismo. Uma idéia sem oposição sempre chega a absurdos. Seja de direito ou de esquerda.


A. Silva
2008-02-15 00:09:05

No fundo, a desigualdade

Tem-se que lembrar também que muitos pobres consomem sem prudência, por esnobismo, imaturidade. Aí quando a conta chega....



2008-02-15 00:07:36

No fundo, a desigualdade

Diz o ditado popular, "quanto maior o gigante maior o tombo." Acredito que a situacao financeira atual da comunidade americana pode ser resolvida com vontade politica e comprometimento da sociedade num todo. No tocante as questoes tecnicas da solucao, eu nao saberia dizer quais ou como usa-las, mas uma coisa e certa - um bom comeco seria o americano abrir mao da sua soberba e atitudes esnobes, pois no fim das contas todos nos, nobres ou plebeus, estamos sujeitos a adversidade que nos faz pertencer a uma ou a outra, respectivamente.


azazel
2008-02-14 23:58:14

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.