Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Capital, pandemia e os papéis do feminismo

» Na pandemia, fermenta o Comum

» Literatura periférica, borbulhante e singular

» Epidemias e a queda do céu

» A Quarentena, o desencanto e os homens de gravata

» Contra o cinismo de 1%, a Reforma Tributária

» O fantasma de 1929 está vivo

» Contra a pandemia, a opção solidária

» Pandemia implodirá a Segurança Pública?

» Filmes para desembrutecer o coração

Rede Social


Edição francesa


» Hobsbawm (1917-2012), un itinéraire dans le siècle

» L'Afrique, cobaye de Big Pharma

» Dépeçage des libertés publiques

» Punir le viol

» Stefan Zweig ou l'horreur de la politique

» Le refus de Sartre

» Une guerre tous azimuts

» Parrain privé, chaîne publique

» « Big Pharma », ou la corruption ordinaire

» Ravages cachés du sous-emploi


Edição em inglês


» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city

» Impasse in Morocco


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


Comentários sobre esse texto:

Uma "reforma" superficial e perigosa

O que está se desenhando é mais uma contra-reforma que terá como conseqüência direta a fragilização dos direitos dos trabalhadores. É importantíssimo estarmos atentos para defendermos a previdência pública. O mecanismo que criou a super-receita, e unificou as arrecadações previdênciárias com a do fisco, facilita o desvio dos recurso previdênciários para o pagamento da dívida pública. Está aí uma das explicações para o déficit da previdência. E essa reforma tributária sacramenta isso ao extinguir os impostos que fazem parte da seguridade social. Tudo em nome de priviligiar os já abastados e fortalecer a previdência privada, que tem tido um crescimento assombroso nos últimos anos. O governo Lula, que devido aos constantes escândalos de corrupção, não teve força suficiente para encaminhar a terceira reforma da previdência, trata agora de continuar o seu desmonte através de uma reforma tributária.
Estamos de olho e estaremos nas ruas!


Beatriz
2008-03-12 01:58:21

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.