Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Capital, pandemia e os papéis do feminismo

» Na pandemia, fermenta o Comum

» Literatura periférica, borbulhante e singular

» Epidemias e a queda do céu

» A Quarentena, o desencanto e os homens de gravata

» Contra o cinismo de 1%, a Reforma Tributária

» O fantasma de 1929 está vivo

» Contra a pandemia, a opção solidária

» Pandemia implodirá a Segurança Pública?

» Filmes para desembrutecer o coração

Rede Social


Edição francesa


» Hobsbawm (1917-2012), un itinéraire dans le siècle

» L'Afrique, cobaye de Big Pharma

» Dépeçage des libertés publiques

» Punir le viol

» Stefan Zweig ou l'horreur de la politique

» Le refus de Sartre

» Une guerre tous azimuts

» Parrain privé, chaîne publique

» « Big Pharma », ou la corruption ordinaire

» Ravages cachés du sous-emploi


Edição em inglês


» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city

» Impasse in Morocco


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


Comentários sobre esse texto:

Nas quebradas, toca Raul

Nunca fui da periferia, mas adoro Raul desde sempre. E consegui transmitir isso para meus filhos: temos vários discos e cd’s e escutamos sempre. Raul vive: toca Raul!


FRID
2008-03-15 16:47:33

Nas quebradas, toca Raul

Eu estive em eu show do Raul em 1985 no Parque Laje no Rio...um show que ele infelizmente não conseguiu fazer, mas valeu somente o fato de vê-lo na minha frente.


Cláudio
2008-03-15 16:04:34

Nas quebradas, toca Raul

Também estive naquele show no Corinthians em 1984, antes de chegar as lojas, vi inúmeras pixações nos muros do LP "Carimbador Maluco", tenho certeza que feitas pelos fãs, hoje tenho 47 anos sou professor de curso pré-vestibular (São Lourenço - MG) e você não vai acreditar na quantidade de alunos que curtem Raul Rock Seixas, por mais boicotado que fosse na carreira nunca deixou ou deixará de vender suas músicas, o maior músico de perifeira do Brasil


Braulio Signorelli Amereno
2008-03-12 23:01:14

Nas quebradas, toca Raul

Tudo de bom Eleílson! No meu caso, fui do subúrbio do Rio de Janeiro, campo grande, estudar na Federal Fluminense (idos de 1991). Lá na minha "quebradas" ouvia era os clássicos, como vc chama Milton, Chico... Conheci Raul com a galerinha universitária, que adorava, há minha época, o Raul. Ouviam a exaustão!! Hoje digo q tudo q penso e quero dizer as musicas do Raul falam por mim!!
abraços e sorrisos
monica torres



2008-03-12 18:57:42

Nas quebradas, toca Raul

Caro Eleílson, qando menos esperarem, em um festa rave, em uma boate da moda em algum showzinho de banda ao vivo, sempre haverá alguém que grite...."TOCA RAUUUULLL!!!!!"
Enterrado? não mesmo!! os canibais de cabeça perderam, Raul vive!



2008-03-09 20:07:09

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.