Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Capital, pandemia e os papéis do feminismo

» Na pandemia, fermenta o Comum

» Literatura periférica, borbulhante e singular

» Epidemias e a queda do céu

» A Quarentena, o desencanto e os homens de gravata

» Contra o cinismo de 1%, a Reforma Tributária

» O fantasma de 1929 está vivo

» Contra a pandemia, a opção solidária

» Pandemia implodirá a Segurança Pública?

» Filmes para desembrutecer o coração

Rede Social


Edição francesa


» Hobsbawm (1917-2012), un itinéraire dans le siècle

» L'Afrique, cobaye de Big Pharma

» Dépeçage des libertés publiques

» Punir le viol

» Stefan Zweig ou l'horreur de la politique

» Le refus de Sartre

» Une guerre tous azimuts

» Parrain privé, chaîne publique

» « Big Pharma », ou la corruption ordinaire

» Ravages cachés du sous-emploi


Edição em inglês


» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city

» Impasse in Morocco


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


Comentários sobre esse texto:

A função racial da Universidade

A quota nas universidades ainda é muito discutida, porém, não concordo com as quotas raciais, acredito que independente da raça, todos tem capacidade de entrar nas universidades sem essas regalias.Se notarmos bem, o Brasil não tem muitos brancos puros, quotas raciais é uma vergonha até para o próprio beneficiado.As quotas socio-econômicas é uma saída para estudantes de escolas públicas terem uma chance maior de conseguir vagas, pois assim estariam concorrendo apenas com outros alunos de escolas públicas, devemos lembrar que a educação pública brasileira ainda é muito precária.Alunos que estudaram na rede privada pegam a maior parte das vagas nas melhores universidades públicas do país.Quotas socio-econômicas é um direito da classe mais baixa.Caso contrário deem as vagas de universidades privadas para os alunos de escolas particulares, o que sobra as universidades públicas para os mais necessitados.Cadê a democratização?!Coitado do branco pobre [3]



2009-03-13 19:50:16

A função racial da Universidade

A Constituição Brasileira defende a igualdade das pessoas e, além disso, ressalta a existência de punição para qualquer tipo de preconceito. Sendo assim, as cotas não deveriam ser punidas? Ou melhor, não deveriam ter sido negadas de início? O que são as cotas? Um modo diferenciação entre os indivíduos de uma sociedade “igualitária”?
A aplicação das cotas, segundo o governo, é um modo de igualar as condições econômicas dos cidadãos, uma maneira de fornecer as mesmas oportunidades para todos. Apesar de ser uma razão plausível, não soluciona o problema como um todo. Pessoas mal preparadas tomam vagas de quem realmente tem condições para se tornar um profissional bem qualificado.
Infelizmente, vivemos em um país que as soluções não são efetivas. As cotas, “maquiadoras” do absurdo no ensino público, não auxiliam estes estudantes, com falha na formação, durante os anos de curso superior. Claro que não podemos generalizar e, nem tão pouco, temos dados suficientes para contestar a medida tomada, entretanto, outras soluções poderiam ser buscadas no momento. Investimentos na educação pública, na formação de professores interessados em ensinar e na disseminação da importância do estudo seriam bons modos de solucionar essa questão.


Paola Giuline
2008-10-07 20:51:08

A função racial da Universidade

Branco, tipo europeu (com suas devidas variações), destro e hetero! Este é o perfil atual da dominação. Às favas com todo o resto!
Partindo disso dá pra ver que todo aquele que não se encontra atendendo estes requisitos esta à margem do jogo.

Até nisto os norte americanos nos ensinam: "façam programas de cotas e procurem copiar se não todo, parte do nosso que fizemos nos anos 60".

E hoje eles, que ainda são racistas declarados, possuem diferenças socio-econômicas bastante suavizadas. E isto é que é interessante: você pode não gostar da cor da pele do Homem, mas nem por iso ele vai viver comendo pouco e mal, vestindo-se com as sobras e sem direito a lazer. Eles exportam este conceito nos seus filmes e produções artísticas.

Mas o Brasil teima em dizer que não é racista, então é comum aparecer tantas versões sobre o mesmo assunto: o povo negro basileiro foi, é e será, excluido de toda a riqueza que ele gerou, gera e gerará e ainda vamos colocar no balaio os que não são brancos, europeus (com suas devidas variações), destros e heteros.
Para qualquer caso contrário: cotas já!!!!!!


Emilio
2008-05-14 15:49:34

A função racial da Universidade

As cotas ( de classe ou racial) são apenas uma forma paliativa do governo maquiar á péssima educação pública que existe no país como um todo, e apenas alcança uma minoria de necessitados, deixando ainda uma grande parta da população seja ela negra ou pobre à margem da sociedade, o investimento deveria ocorrer em educação de qualidade, infra-estrutura (transporte, maior quantidade de escolar...), melhor qualificação dos professores e maior suporte as famílias pobres, mas isso não quer dizer mais programas sociais e sim geração de renda e criação de postos de trabalho. Enquanto não houver mudanças estruturais no país, para um crescimento real da economia e qualificação de mão-de-obra, não será possível criar realmente uma política de inclusão social.


Germano Cesar
2008-05-14 14:02:13

A função racial da Universidade

A meu ver, a melhor opção para a democratização das universidades não é a política de cotas, seja ela racial ou socio-economica. Grandes universidades brasileiras como a UNICAMP e, no próximo vestibular, a UFMG têm como política o sistema de bonificação para alunos egressos de escolas públicas. Dessa maneira o aluno recebe um "adicional" em sua nota, uma forma de compensação pelas oportunidades educacionais distintas quer tiveram, no entanto, teriam que também se esforçar para alcançar a nota de entrada.


Viviane Ramos
2008-05-06 20:32:21

A função racial da Universidade

A coisa toda está sendo abordada de forma errada. O sistema de quotas deveria ser aplicado unicamente com base em critérios sócio-econômicos. As quotas deveriam ser direcionadas aos alunos egressos das escolas públicas, sem distinção de etnia.

Em que isso beneficiaria os afro-descendentes?... Pela mera constatação de que a enorme maioria dos alunos oriundos de escolas públicas são afro-descendentes. A mera abolição da escravidão não elevou os negros e mestiços à condição de cidadãos: continuaram sendo "cidadãos de segunda classe". As raras exceções de negros e mestiços de "boa condição social" constituem aquelas "exceções que confirmam a regra".

Então, ao abrir ao estudante da escola pública uma "reserva de quotas", automaticamente estaremos abrindo aos afro-descendentes uma maior oportunidade de acesso ao ensino superior público, com a vantagem adicional de não discriminar por "raça", o que, de resto, é inconstitucional.

E é preciso ter em mente que o mero acesso ao meio acadêmico não é suficiente para vencer o "racismo velado". Apenas vamos transferir o "gargalo" da porta de entrada da Academia para a porta de saída.

Aí, "já são outros quinhentos mil réis"...


João Carlos
2008-05-02 07:00:08

A função racial da Universidade

Acredito que a política das cotas, no mínimo,têm servido para estimular o debate sobre o nosso lamentável contexto social. Fala-se muito que o governo deveria investir no ensino básico de qualidade.O óbvio. Curioso, pois até aqui não tinha percebido tanto defensor do ensino público de qualidade. Por favor, chega de hipocrisia.
Os críticos das cotas já ouviram falar dos indicadores sociais? Se não, façam isso, ou consultem o“deus” mercado e saibam quais os preferidos!
Marco Antônio M da Silva


Marco Antônio Medeiros da Silva
2008-05-01 03:29:16

A função racial da Universidade

É isso aí. Coitado do branco pobre, do mestiço clarinho não muito bem definido, etc.


Elisa
2008-04-29 15:17:26

A função racial da Universidade

Locupreta-se da dor e do sofrimento dos Antepassados, é covardia e malcaratismo. Tudo na vida tem que se conquistar por mérito. Por que o Movimento Negro não fala do NEGROS, que apesar de todo sofrimento e limitações, foram vitoriosos na vida ? Por que essa apologia ao pobre coitado vítima do sistema ?



2008-04-28 01:50:29

A função racial da Universidade

Texto bastante infeliz. É triste e desestimulante constatar que a importância da educação pública de qualidade oferecida a todos os cidadãos como solução para os problemas socias (inclusive o ingresso à universidade) ainda é ignorada por indivíduos formadores de opinião. As cotas racias representam a institucionalização da segregação racial, e não o contrário, como pregam seus defensores; além de realizarem uma "maquiagem" nas estatísticas educacionais do país. Os "negros" do Brasil não precisam ser postos à força nas universidades, como está acontecendo. Eles são tão capazes quanto todos os outros indivíduos de nosso miscigenado país para tal. Basta que lhes ofereçam uma formação pública de qualidade. O problema que estamos encarando aqui é outro. Se todo o empenho que foi dedicado à criação de tais cotas tivesse sido direcionado aos nossos problemas reais (e atuais), em alguns anos já estaríamos colhendo frutos. Deixemos de achar subterfúgios em nossos fantasmas do passado e olhemos para o futuro. Só assim nosso país conseguirá transpor os obstáculos que emperram seu desenvolvimento.


Thiago Sá
2008-04-27 04:38:27

A função racial da Universidade

Discordo veementemente do autor. A instituição de cotas raciais de forma isolada foi uma maneira perspicaz do governo redirecionar o problema da educação e acesso à educação para a cor da pele. Ao afirmar que o concurso não pode ser um critério exclusivo, discordo novamente, pois coloca os preceitos republicanos no lixo, permite a inserção de critérios subjetivos que acompanham os interesses de quem os impõe. O concurso é o meio mais democrático e igualitário para acesso ao que quer que se considere no meio público. A melhoria da qualidade do ensino público e o acesso à este ensino é a questão que foi colocada debaixo do tapete. Não consigo vislumbrar como a polarização entre negros e brancos possa ajudar o Brasil. Lembremos que o classificação mestiço ou mulato é sistematicamente esquecida pelos que defendem este procedimento de cotas de forma bastante conveniente. Seguindo o critério dessa polarização: coitado do branco pobre!


Mauricio Bruno
2008-04-26 16:59:40

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.