Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Capital, pandemia e os papéis do feminismo

» Na pandemia, fermenta o Comum

» Literatura periférica, borbulhante e singular

» Epidemias e a queda do céu

» A Quarentena, o desencanto e os homens de gravata

» Contra o cinismo de 1%, a Reforma Tributária

» O fantasma de 1929 está vivo

» Contra a pandemia, a opção solidária

» Pandemia implodirá a Segurança Pública?

» Filmes para desembrutecer o coração

Rede Social


Edição francesa


» Hobsbawm (1917-2012), un itinéraire dans le siècle

» L'Afrique, cobaye de Big Pharma

» Dépeçage des libertés publiques

» Punir le viol

» Stefan Zweig ou l'horreur de la politique

» Le refus de Sartre

» Une guerre tous azimuts

» Parrain privé, chaîne publique

» « Big Pharma », ou la corruption ordinaire

» Ravages cachés du sous-emploi


Edição em inglês


» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city

» Impasse in Morocco

» And now get lost, France!


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


Comentários sobre esse texto:

Em julgamento, a igualdade

Sou contra cotas para negros, ou brancos, ou amarelos, ou aborígines ou do uso como parâmetro para a classificação da abragência de tais cotas, a etnia ou tonalidade de pele das pessoas. Sou sim, a favor de cotas para quem é pobre ou mesmo para quem cursou os ensinos fundamental e médio na escola pública, (que tem ensino notoriamente inferior ao das escolas particulares, e os estudantes oriundos destas últimas são a maioria dos ocupantes das vagas da universidade pública) independentemente do tom de pele ou etnia. Já que é para privilegiar, que seja tal privilégio justo, pois a cota específica para negros, além de imprópria para a realidade étnica da nação em formação do Brasil (esta tão miscigenada a ponto de não ser possível definir o que é ou quem é negro ou branco com exatidão) perpetua o racismo e segregação racial, bem como passa a idéia de que o “negro cotista” é um incapaz intelectual e deve gozar de privilégio por ser inferior na disputa a uma vaga no ensino superior público com outras pessoas. Somos todos seres humanos, sejamos negros ou brancos... Na nossa realidade capitalista, o que nos diferencia de verdade é quem tem mais do “vil metal”. Logo, aquele que é branco, amarelo, ou pertencente a qualquer outra etnia, mas pertencente à parcela pobre da população continuaria sendo preterido na disputa a uma vaga nos bancos da universidade pública com a aprovação de tal cota.


Gustavo
2008-08-03 02:08:21

Em julgamento, a igualdade

Brilhante o texto!

Parabéns!

A inclusão racial se faz extremamente necessária quando pensamos de fato que queremos avanços sociais!!

Se outrora a discriminação foi para excluir (o que ecoa ainda em nossas mentes quanto tratamos de forma diferente aqueles que tiveram e ainda tem uma trajetória diferente de vida) o momento hoje é para a inclusão.

Que avance a democracia em favor de todos...negros e brancos, homens e mulheres, crianças e adolescentes, homossexuais e heterossexuais, ricos e pobres!!

E que cada um seja tratado de acordo com sua condição como ser humano!


Tiago
2008-07-23 12:26:06

Em julgamento, a igualdade

Acho que as pessoas que perdem tempo dizendo que as pessoas que lutam pelas cotas deveriam lutar pela inclusão social, deveriam elas mesmas lutar pela inclusão social e pararem de criticar as outras que já estão fazendo alguma coisa útil.


Iun
2008-07-06 22:20:01

Em julgamento, a igualdade

Eu sei que cada um deve "puxar a sardinha" para o seu lado mas por que o movimento negro não se alia aos movimentos indígenas e aos sindicatos e não propóe, ao contrário de cotas raciais, cotas sociais?

É injusto saber que muitos negros que têm condições de pagar um pré-vestibular e uma faculdade vão se beneficiar, ao passo que, uma pessoa pobre (negra ou não)pode ficar de fora quando o número de cotas for preenchido.

Sinceramente, acho esses termos raciais um tanto fortes e mais parecem que eles dividem em vez de unificar a população. Por que não deixar de fazer inclusão racial e fazer a inclusão social? Afinal, de vez em quando não afirmam em pesquisas que a maioria da população negra é pobre?


leonardo
2008-07-06 06:11:25

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.