Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 27 de junho de 2022

» Não culpem Moscou pela crise alimentar

» Trabalho: o que a Espanha ganhou ao restaurar direitos

» Pochmann: o que a parceira com a China pode trazer

» “Meu espirito dorme em algum lugar frio”

» 24 de junho de 2022

» Varoufakis: por que a inflação voltou

» A reencarnação prismática do Ulisses

» Poderá a técnica salvar o patriarcado?

» 23 de junho de 2022

Rede Social


Edição francesa


» Occident contre Occident

» Tunisie : le triple déni des cadres déchus

» L'Ukraine se dérobe à l'orbite européenne

» Le Donbass apprend à vivre sans Kiev

» L'État de droit, une notion faussement neutre

» En Guyane, sous les pavés la Bible

» État d'urgence permanent

» De nouvelles routes pour le pétrole et le gaz

» Donald Trump s'épanouit en chef de guerre

» Le camp d'Hagadera au quotidien


Edição em inglês


» June: the longer view

» Putting internal displacement on the map

» The Trans-Amazonian Highway

» Bosnia-Herzegovina: three intertwined histories

» Energy interdependence

» Consider the croissant: a history of food fraud

» Brazil's trans-Amazonian highway of fire and mud

» Fate of a Chinese colony

» Bosnia: coexistence without reconciliation

» Sinn Féin extends its reach to Ireland's South


Edição portuguesa


» Mapeamento de uma arte político-social: "Untitled", de Paula Rego

» Assembleia-Geral da Outro Modo

» O problema da riqueza

» «Sangrar a Rússia»

» Vulnerabilidades territoriais: o que se pode aprender com a crise pandémica?

» O paraíso da inovação militarizada

» Mineração em mar profundo: para quê destruir os fundos oceânicos?

» O lado oculto das cimeiras da Terra

» Viagem ao fim da Transamazónica

» A Finlândia e a Suécia rompem com o ideal nórdico


Comentários sobre esse texto:

O dia da morte

Texto impecável e delicioso. O humor do autor é de primeira.

Muito obrigado,
Ismar Pereira Filho


Ismar Pereira Filho
2008-07-18 19:58:57

O dia da morte

Adorei.

Nunca tive notícias de um futuro finado
tâo bem humorado.
Acredito que é muito rara essa inspiração,
em se tratando de alguém que vai morrer
amnhã.
Se no meu entardecer me ocorrer algo semelhante,serei o defunto mais feliz
do ALÈM !!!!!!!!!


Site: o dia da morte
jorge rosa de souza
2008-07-18 15:04:24

O dia da morte

Muito interessante o texto e me faz lembrar o livro do Saramago.As vezes nos preservamos tanto, esperamos tanto por um momento especial para usar esta ou aquela roupa, beber ou comer isto ou aquilo.Mas a morte nao escolhe nem hora nem local.Vide tantos acidentes ocorridos nas horas e situaçoes menos esperadas.
Viva a vida !!!
DILSON


DILSON HILEL FILHO
2008-07-16 17:08:47

O dia da morte

É uma delícia de texto!
O Sinval também gostaria muito.

"Amanhã" comento mais.



2008-07-16 15:39:27

O dia da morte

Para ser um conto o texto deve ser escrito na terceira pessoa gramatical e, para uma crônica, está muito longo. Fazer sexo como animais depois de quarenta anos de casados só pode ser de seis em seis meses, quando algumas fêmas entram no cio. Rsss. Como saber que vamos morrer no dia seguinte? Não li nada no texto que explicasse esse fenômeno. Será que ele era vidente? Acho que sim. No mais, é uma boa idéia. Parabéns!


Cláudia
2008-07-09 00:06:37

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.