Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 21 de janeiro de 2020

» Amor, desconcerto anticapitalista

» Torto Arado e o direito da mulher camponesa

» ¿Adónde va Chile?: Um olhar afetivo e político

» 20 de janeiro de 2022

» Netflix sacode (e ameaça) o cinema

» Como avança a uberização no setor de turismo

» Um Macbeth negro, deslumbrante e irreal

» Combater desigualdades e mudar a Economia

» 19 de janeiro de 2022

Rede Social


Edição francesa


» Le Maghreb central

» Conséquences du changement climatique au Maghreb

» Alphabétisation & scolarisation

» Développements comparés des pays du Maghreb

» Taux de croissance annuel de la population

» Pyramide des âges au Maghreb

» Au lycée, vigilance ou paranoïa

» TF1 ou la parabole de Frankenstein

» Víctor Erice et Abbas Kiarostami, deux cinéastes en correspondance

» Le toxicomane domestiqué


Edição em inglês


» January: the longer view

» United States: the black hole of Guantanamo

» Transnistria: a pro-Russian enclave in Europe

» The Chinese take to the slopes

» Japanese women find their voice

» The open-source world is more and more closed

» Transnistria, relic of a frozen conflict

» The Algeria-Morocco standoff

» Chile's victorious ‘new left' brings hope, but it's all to play for

» Europe's secretive system to keep out migrants


Edição portuguesa


» A orquestra do caos

» Recortes de Imprensa

» Será a caneta mais poderosa do que a espada?

» A pilhagem da comunidade do software livre

» Braço-de-ferro entre Marrocos e a Argélia

» Transnístria: o vestígio de um conflito congelado

» As japonesas já não querem ficar caladas

» O regresso da chantagem da dívida

» Homenagem do vício à virtude

» Impor uma visão do mundo


Comentários sobre esse texto:

Para ir além de minérios e agronegócio

Quem já pesquisou editais do Minc, escreveu roteiros de documentários e enviou os projetos para Brasília sabe muito bem o que é viver um drama.
Para quem não tem formação em Adminstração de Empresas, não fala "jurisdequês" e não tem curso de contabilidade, os editais são obras de difícil entendimento.
Então, você tem a história, o tema; todas as possibilidades de fazer o documentário e monta o projeto; mesmo com todas as dificuldades. Depois de meses, o pessoal de Brasília não te dá satisfação, você não sabe se sua história é ruim ou se montou o projeto errado. Simplesmente não te respondem. Parece até que isso é proposital, para você recorrer as assessorias especializadas em montagem de projetos culturais e que ficam com uma comissão da verba do Minc.
Parece que tem de ter uma super estrutura junto com o autor para que o tal projeto fique "de acordo com as normas vigentes".
Dane-se o tema, dane-se a história, o importante são as regras da ABNT?


Tobias Ferraz
2008-07-15 12:43:36

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.