Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» En Italie, le défi de la « question méridionale »

» Changements d'échelle, tranquillité perdue

» Les scientifiques, responsables et inquiets

» Blancs ou noirs, tous les shérifs se ressemblent

» Des chaînes « tout info » bien peu dérangeantes

» Edelweiss et lutte des classes dans les Alpes

» « Ils voulaient des bras, ils ont trouvé des hommes »

» Une holding économico-criminelle

» Ce que furent les « années de plomb » en Italie

» En France, des archives bien gardées


Edição em inglês


» Saudi Arabia's diplomatic volte-face

» Global trade in plastic waste

» Gas pipelines and LNG carriers

» Rise and rise of the Israeli right

» Decline of Israel's Zionist left

» Knight who shed his shining armour

» How to sabotage a pipeline

» No more plastics in Southeast Asia paradise

» Whiteout for the skiing industry?

» Brussels rewrites history


Edição portuguesa


» Edição de Maio de 2021

» O Estado, o temporário e o permanente

» Disse mesmo unidade?

» "Catarina e a beleza de matar fascistas": o teatro a pensar a política

» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer

» A maior mentira do fim do século XX

» Como combater a promoção da irracionalidade?


Comentários sobre esse texto:

Um novo ânimo para o ativismo trabalhista

Observe a distinção das atitudes
Observe que os problemas enfrentados são semelhantes, mas a cultura em como enfrentá-los, buscando soluções, é distinto, dado a formação cultural daquele povo, que é significativamente outra em relação a nossa.
Destaco em azul a atitude dos empregados em como lutar pela manutenção dos empregos.
Se a reunião sindical fosse feita no Brasil, certamente seria da seguinte forma: baderna, quebra-quebra, cachaça e cerveja, sambão, futebol e muita "mulé", pra não dizer outras coisas...
Discussão do problema: zero. Por quê? Porque sempre se esperar que alguém tome as providências, do tipo: "o Governo federal terá que dar uma solução"
Não são essas as típicas manifestações que assistimos no dia-a-dia, a exemplo dos alunos de SP que invadiram a reitoria da USP? Não são assim os atos do MST? Dos movimentos sindicais? E de tantas outras...?
João Damasceno
Salvador-Bahia-Brasil


João Damasceno
2009-03-12 17:44:00

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.