Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Au travail, les enfants

» En Afrique, la démocratie entravée

» Le grand partage du globe

» La France et son espace maritime de souveraineté économique

» Villes et comptoirs hanséatiques

» Le sultanat de Malacca à la fin du XVe siècle

» Les grandes poubelles de plastique

» Feu vert à la surveillance de masse

» G8 : policiers italiens condamnés... et promus

» L'Italie saisie par la tentation autoritaire


Edição em inglês


» The rift in the AfD

» The forgotten chapter of the women's movement

» The battle for narrative in Afghanistan

» Work less, pollute less

» July: the longer view

» Ethiopia's failed experiment in ethno-federalism

» What press freedoms for North Africa?

» The Balkans rediscover socialism

» China's balancing act: power or prosperity?

» The immovable Assad clan


Edição portuguesa


» O direito à alimentação no mundo continua por cumprir

» Filho da Preguiça

» Boca de Cena

» Pandemónio Pandomínio

» Em Cuba, rumo ao fim do mais longo embargo da história

» Edição de Julho de 2021

» «Ajude um caloiro»: requiem por um direito

» Acalmia em França?

» Edição de Junho de 2021

» O jornalismo no novo negócio dos "media"


Comentários sobre esse texto:

A crise: janela de oportunidade para os países tropicais?

Sobre a crise energética:
Se as reservas petrolíferas durarem mais 4, 5 ou 6 decênios no máximo, podemos estimar que o preço do barril chegará a valores que compensem economicamente sua substituição. Mas não podemos esquecer de um detalhe: petróleo não é utilizado somente para fins energéticos. Há uma série de cadeias produtivas (plástico e produtos sintéticos, entre outras) que simplesmente entrariam em colapso por algumas décadas até encontrar um substituto adequado aos parques fabris existentes. Esse é um lado da crise pouquíssimo explorado.
Sobre as culturas agrícolas, devemos levar em consideração que absorção do carbono atmosférico é mais eficiente na região tropical, e caso seja necessário utilizar-se de medidas drásticas a transferência da produção para essas regiões é um fator não desprezível a ser considerado, já que são poucas as áreas disponíveis com boa oferta hídrica.
Em relação à utilização de algas para a produção de energia, tenho algumas dúvidas de como o processo será realizado: Será estimulada a reprodução das mesmas ou haverá uma simples exploração do recurso? Se a segunda hipótese for a correta, como será solucionado o problema do déficit de captação do gás carbônico por elas efetuado?
O futuro é uma série de dúvidas e todos os estrategistas já estão se debruçando sobre ele... devemos temer o que vem por aí?


preocupado
2009-01-31 13:22:34

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.