Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Vieille régulation sociale et nouveau discours alarmiste

» Paix organisée dans les « kampungs »

» La foire aux libertés

» L'Italie, démocratie « de type spécial »

» La trajectoire originale du parti socialiste français

» Les médias et le changement

» Habits neufs et fausses pudeurs de l'extrême droite

» En Italie, le défi de la « question méridionale »

» Changements d'échelle, tranquillité perdue

» Les scientifiques, responsables et inquiets


Edição em inglês


» May: the longer view

» Saudi Arabia's diplomatic volte-face

» Global trade in plastic waste

» Gas pipelines and LNG carriers

» Rise and rise of the Israeli right

» Decline of Israel's Zionist left

» Knight who shed his shining armour

» How to sabotage a pipeline

» No more plastics in Southeast Asia paradise

» Whiteout for the skiing industry?


Edição portuguesa


» Al Qods, cimento do mundo árabe

» Edição de Maio de 2021

» O Estado, o temporário e o permanente

» Disse mesmo unidade?

» "Catarina e a beleza de matar fascistas": o teatro a pensar a política

» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer

» A maior mentira do fim do século XX


Comentários sobre esse texto:

E por falar em saudade

Não tenho saudades dessa impunidade não, que atinge só quem está lá em cima. Ou da corrupção, uma das poucas coisas realmente democráticas no Brasil, pois está em todas as camadas da sociedade. E nem da violência, que nos obriga a levantar cercas cada vez maiores, para fingirmos acreditar que ali, naquela prisão, agora estamos seguros. Mas esses problemas - e tantos outros - são muito bem discutidos nos diversos textos do Le Monde Diplo. Não cabem naquela crônica.

Agora o que eu não posso é fechar os olhos para o que temos de bom no Brasil. E, estando do outro lado do mundo, o que é bom parece ser muito bom.

É claro que é legal caminhar com segurança pelas ruas européias. É bom ter um transporte público decente. É reconfortante saber que a saúde francesa funciona para ricos e pobres.

Mas por que será que os franceses gostam tanto do nosso país? Por que tantos deles vêm pra cá e não voltam mais? Já ouvi um brasileiro que mora há anos em Paris dar uma boa explicação. Segundo ele, o Brasil representa tudo o que a França não é: a alegria, o calor, a descontração, a gentileza, a flexibilidade.

Agora, como contrapartida, devo admitir também: a França tem muita coisa que falta pro Brasil. Talvez a principal seja que, quando está puto, o francês sai pra rua mesmo. Louis XVI que o diga. E Sarkozy que se cuide...


Daniel Cariello
2009-03-10 22:11:16

E por falar em saudade

Nós sentimos falta talvez de um certo ar brasileiro, talvez de nossos amigos e ex-namoradas, bons momentos na praia, bons momentos nos bares, essas coisas...mas sentir saudade do Brasil malandro, do Brasil onde todo mundo que dar uma de esperto e levar vantagem sem parar, não sei se muita gente teria saudade desse Brasil canalha...a gente tem saudadde do desfile de carnaval, não das porradas e do sangue que correm na festa sem limites da impunidade...


Jorge
2009-03-09 04:20:04

E por falar em saudade

Dificil definir o que é "saudade"...moro faz quase um ano em Paris e concordo com tudo em relação`a um sentimento de segurança que já perdemos há tempos no Brasil...mas a saudade suplanta a razão..é aquela velha frase "Aqui é bom mas é uma merda...o Brasil é uma merda mas é bom"...talvez seja mais feliz quem consiga superar esses sentimentos e desfrutar de tudo o que o primeiro mundo tem para proporcionar e que não é pouco. Mas as nossas raízes senpre gritam e as vezes tudo isso é um tédio sem tamanho e que gera uma nostalgia enorme e dolorosa..talvez daquilo que deixamos, não sei...talvez daquilo que certamente imaginamos. Eu tenho saudades, não sou carioca mas gaucho...porto alegre não é nenhum paraíso de segurança comparado a Paris...mas eu teimosamete ainda tenho saudades.


Cláudio Dutra de Souza
2009-03-09 02:35:51

E por falar em saudade

Achei bacana toda essa impressao de se reencontrar com as coisas e pessoas ao se chegar ao Brazil. Reecontro com imagens antigas contrapondo-se as atuais. No entanto a realidade eh bem mais pesada que toda essa flanagem poetica-espiritual.
O trafico , o crime, a corrupcao a malandragem politico administrativa dos governantes e o mau caracter da maioria do povo que convive e aprova certos procedimentos imorais , inclusive votando e elegendo elementos que nao teem a menor condicao de exercer cargos publicos... tudo muito lamentavel!!!!


arnold
2009-03-08 01:51:07

E por falar em saudade

Viver fora e não observar e pensar valores, justamente quando estamos expostos à sua diversidade, é deixar passar um importante momento de nossas vidas. A saudade que temos de casa, restringe-se ao aconchego do lar, da presença da família e de amigos,raros. No mais, começamos a pensar no significado de "qualidade de vida". Entendemos que ela não se restringe à presença amiga, ao sol, às praias, ao riso largo e fácil, à lingua entendida em todos os cantos, à comida etc..
Qualidade de vida também é isto o que autor fala que vivemos na europa: educação, sutileza, respeito,assombro com as pequenas e devastadoras atitudes de agressividade gratuita que vivemos todo dia, em diferentes lugares e horários no Brasil. É poder andar de metro, de ônibus, a pé a noite pelas ruas, sem aquela certeza absurda de que algo ruim pode estar prestes a nos acontecer.É poder ver os filhos livres elas ruas e com a certeza quase plena, de que voltarão em paz. PAZ. Ainda que haja conflitos sociais, terrorismo...Mas nem de longe ele é cotidiano, em dozes homeopáticas e permanentes, como o que vivemos nas nossas cidades e na zona rural idem, onde não podemos mais dizer estamos em paz. Há roubos de materiais, máquinas,assassinatos
sequestros...E agora, o que podemos falar da qualidade de vida, vivendo no Brasil? Triste, mas uma saudade que paira sempre sobre nós, ilusória, inocente e que assim que chegamos e saímos pras ruas, não vemos a hora de voltar a outro tipo de qualidade de vida. Outros valores.

Amélia



2009-03-06 22:21:36

E por falar em saudade

Nem me falem em saudades. Estou fora do Brasil há dois anos e respiro saudades todos os dias. Tenho saudades até das novelas que eu nunca assistia quando morava lá, do cheiro do café na hora do jantar, do calor, da leveza, do prazer de viver cada dia. Fora do país percibi como somos alegres e leves. Até os mais tristes sorriem. Quando volto ao Brasil lamento que os que vivem lá muitas vezes nao reconhecem tudo isso... Ai, que saudades do meu Brasil!



2009-03-06 21:21:41

E por falar em saudade

Particularmente eu também sinto muita falta daquele espírito cidadão que existia no Rio de uns anos atrás. Os cariocas não eram muito melhores do que os de agora, mas havia um respeito que nos dias atuais não vemos com a mesma frequência. Fiquei muito impressionado com todas essas manifestações saudosistas que sentem saudade do Rio de antigamente, muito impressionado mesmo. O jornalisra que fez este texto deveria apresentar sua visão sobre esse Rio de janeiro do qual todos nós sentimos falta. Estamos mancando mesmo sem aquele Rio das belas mulatas e da cidade sem roubos e tanta violência. Quanta gente boa na favela daqueles tempos, quanta gente legal na Portela e na Mangueira, quantos amigos e amigas conversando e namorando nos bares.
Eu também venho me juntar a vocês e dizer que sinto muita falta daquele riozão bonito, de uns 30 anos atrás.


Mateus Dallas
2009-03-05 22:35:56

E por falar em saudade

Saudades da saudosa maloca, maloca querida. Hoje é tudo violência, conquetel molotov, rojão, arrastão...arrastão daqui a pouco vai virar manifestação de liberdade...



2009-03-05 06:14:59

E por falar em saudade

Das definições...

Glênio Perez, jornalista libertário, perseguido e cassado pelo regime militarista de 1964, esclareceu, in Caderno de Notícias, 1978:

"Quem quer definir saudade
não diz nada - fala a esmo -
saudade não se define:
saudade é saudade mesmo!


Ivo Richter - POA
2009-03-04 23:20:16

E por falar em saudade

O seu Jorge, seu Jorge,

não te conheço, mas muito louco seu comment. pode crer, o Rio não é mais o mesmo, meus velhos falam a mesma coisa. Você falou do baile, nossa tinhauns bailinhos de carnaval muito na moral!! Minha velha tava me contando que a mãe dela brigava com ela, e olha que nem rolava créu nos bailes daquela época!!



2009-03-02 21:10:29

Que saudade dos petralhas de antigamente!!

Carnaval e brasilidade. Até alguns anos atrás, os petralhas insistiam que juntar carnaval e caráter do povo brasileiro era uma estratégia demagógica da direita. Estamos nós em 2009 e parece que mesmo um jornal petralha não tem nenhum problema em afirmar que carnaval e brasilidade são uma mesma coisa. Aqui somos o país do carnaval então. Sérgio Buarque achava isso um defeito nosso, um obstáculo para a concretização de uma democracia 100%. Tudo é misturado e confuso aqui, malandros são heróis e todas as paixões são afetos carinhosos, mesmo que essas paixões resultem em tiroteios e mortes na madrugada. Muitos de nós acham que a ira é uma virtude do cabra-macho, mas nosso Lula não liga muitp para crimes cometidos no calor do sangue. O Battisti é nosso!

Não tenho nada contra ninguém, quero que isso fique claro, mas engraçado, o autor está na França, com saudades de nossa soltura e descontração. Descontração no farol, descontração nas avenidas escuras, descontração na hora de precisar do Bolsa-família porque o governo não ajuda com mais nada? O Brasil trigueiro é só descontração? Por que não vamos todos nos descontrair nos morros de Salvador? Sobe lá, e veja a descontração carnavalesca com direito a pipocos e luzes de efeito, provocadas por repentinas rajadas de alegria. Na França tem desigualdade e violência, lógico que tem, mas não tem a farra da impunidade que tem aqui. Lá na França, deu rajada vai preso. Lá na França não tem essa dignidade subindo a ladeira para quem só quer descer bala. A burguesia pode feder, mas ela sua para pagar os impostos e garante o mercado de trabalho. Nossa traquinagem aqui é sempre pimenta no olho dos outros. Na França não. Lá não tem esse jeitinho, essa malandragem que só nos envergonha diante do mundo.


Nunes Conde
2009-03-02 16:03:04

Brasil, ame-o ou deixe-o

Os europeus não podem entender nossa humanidade, nosso sentimento de descontração e felicidade. Mas nós também não podemos compreender o sentimento de civilidade dos europeus, o hábito de parar o carro para pessoas atravessarem mesmo fora da faixa, pedir licença para entrar no metrô ou ônibus, etc. Não podemos compreender também o mau hábito dos europeus de fazerem apenas a tarefa para a qual foram contratados, nem a disciplina das crianças nas escolas. Não podemos entender a discrição dos europeus à mesa ou seus escândalos sussurrados. Incomoda-nos muito ver os hooligans serem confrontados com tanques nas ruas de Londres e Berlin. Melhor seria deixar os delinquentes tomar conta das ruas como no Rio de janeiro em dia de fla flu. Os europeus são muito chatos para os brasileiros, mas os brasileiros estão sempre querendo arrumar um gringo ou gringa para casar e sumir do brasil.
Brasil, ame-o ou deixe-o. Nunca antes neste país esta frase foi tão compatível com nosso sentimento moral.



2009-03-02 13:43:39

E por falar em saudade

É que em paises da Europa e dos EUA ,nao existe tal `humanismo` que temos e fomos criados com o tal, as vezes considero que por esse motivo nao podem ainda entender um (até podemos dizer )sentimento täo profundo ou humano.
Larissa



2009-03-02 05:05:43

E por falar em saudade

Saudosismo não é lembrança da nossa história. Mas saudosismo é bom, aqui no Rio pelo menos. Saudades que eu tenho da minha cidade, daquela cidade onde malandro se dizia malandro e arcava com as consequências. Saudade do Rio quando corrupto era corrupto, não era cargo comissionado do governo federal. Meu, que saudades dos bailes, das festas...Hoje só tem violência e safadeza nos bailes.Quando eu era jovem e au andava com minhas namoradas pelo RIO, safadeza era safadeza, não tinha créu nem melancia nem morango nem outro diabo qualquer de nome bonitinho pra coisa errada. Mulher era mais gostosa naquela época, porque naquele meu Rio elas eram mais elegantes. Nem por isso menos sedutoras ou menos prazeirosas. Ai ai, saudades daquele tempo sem gangues e sem tiro pra todo lado. Mas eu ainda vou na praia, curtir um pouco, enquanto não roubam o mar e areia. Saudades viu, saudades...


Jorge
2009-03-01 16:21:21

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.