Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Une ambiguïté fondamentale

» Le langage de la violence

» Quand la foi devient un enjeu politique

» Poids démographique des grandes religions

» Aux origines du soutien soviétique à Israël

» En Inde, les tribus courtisées par les nationalistes

» Le Bénin carbure à la contrebande

» Fulgurance de Tadeusz Kantor

» Les filles marginalisées

» Impérative transition vers une société du temps libéré


Edição em inglês


» The digital economy

» June: the longer view

» ‘Intelligence sources say'

» Belgium's role in Rwandan genocide

» Calabria's anti-mafia trial

» China consumes Gambia's waters

» Is an Asian NATO imminent?

» Istanbul, home to the new Arab world

» Colombia's growing repression

» India's second wave


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2021

» O jornalismo no novo negócio dos "media"

» Um povo de pé

» Na morte de Carlos Santos Pereira (1950-2021)

» Documentar o drama balcânico

» Recensão a "A Grande Guerra pela Civilização" (Robert Fisk)

» As feridas abertas da Guerra Civil

» Do bom uso do terror

» Srebrenica: a tragédia e a farsa

» NATO imune ao urânio empobrecido


Comentários sobre esse texto:

Dissecando a “tolerância zero”

fazer o que, esperar ser morto ou matar antes, estamos reféns da nossa própria intolerancia, da nossa apatia em frente aos problemas já existentes. por outro lado se não fizermos nada farão conosco, portanto temos que fazer alguma coisa enquanto estamos vivos, se com ou sem tolerancia eu não sei o que sei é que não podemnos ser tolerantes com quem nos rouba, mata, droga os nossos filhos, e nos tiram o direito de existir em detrimento ao direito deles, nos cerquemos sim de pit buls e acima de tudo de indignação pela mania de se dizer não reaja, daqui a pouco será dito não pense, não respire.....


elizete
2007-04-01 21:29:02

Dissecando a “tolerância zero”

A matéria é de fato uma critica as ações de caráter policial, aplicadas nos USA, como se a ação policial em si não resolve o problema da violência em nenhuma parte do mundo, principalmente no Brasil que possui tantas desigualdades sociais.
Concordo em parte, mas questiono - o que fazer?
Ficar eternamente a fazer estudos, pesquisas, análises e etc, e não se propor uma saída emergencial a essa situação de tanta insegurança que vivemos, não tomar medidas, não copiar exemplos que de alguma forma deu resultado, em resumo não fazer nada, é um erro maior. Não podemos mais tolerar, temos que fazer alguma coisa. Precisamos de soluções rápidas, seja o que for.
Nosso maior mal não é a desigualdade social. São as DROGAS, que atinge direta e indiretamente nossa sociedade, do mais rico e culto ao mais pobre e ignorante.
Sem haver um combate sistêmico, duro, aplicando-se penas diferenciadas a quem promova a entrada, distribuição e comercialização da droga no nosso país. Tento a participação de todas as entidades envolvidas com a prevenção da violência. Se não houver esse esforço, não teremos assim uma redução significativa da insegurança urbana. A droga ainda não está sendo visualizada como nosso maior mal, pois não depende de fatores econômicos e sociais para ela se instalar, onde o alvo principal é nossas crianças e adolescentes. Uma por serem imputáveis, outra por serem facilmente aliciadas. A conseqüências para sociedade de um adolescente entrar no mundo da droga é que ele amanhã será o bandido periculoso, a mãe solteira, um desestruturado na sua família, um problema para sociedade, isto é se chegar vivo a maior idade.


GMR Soares
2006-09-27 00:33:20

Deputados estaduais do RS

Seria ótimo se os deputados estaduais do RS lessem este texto ao invés de irem a NY receber doutrina de qualidade duvidosa.


César
2006-07-22 17:22:55

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.